A EMENDA FOI PIOR QUE O SONETO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

bocage

Os indivíduos, excetuando os santos e os humildes de coração, já perderam as rédeas do bom senso, ignorando a sabedoria budista que reza que “o melhor caminho é o do meio”, ou seja, o do equilíbrio. Muitas vezes, acabamos falando mais do que devemos, ou cometemos uma ação impensada. Depois vem aquele peso na consciência, e sentimos que é preciso consertar o malfeito, mas a emenda esfarrapada deixa-nos numa posição ainda pior. E, como dizia minha avó “m. quanto mais mexe mais fede”.

A expressão “a emenda saiu pior do que o soneto” nasceu, contam, quando o poeta português, Manuel Maria Barbosa de Bocage, recebeu um soneto de um jovem, que lhe pediu que marcasse os erros com cruzes. Contudo, havia tantos erros na escrita do mancebo, que Bocage, depois de ler o soneto, devolveu-o tal e qual o recebeu, ou seja, nenhuma cruzinha estava ali a enfeitar a página. Incrédulo, o jovem recebeu a justificativa do poeta de que as cruzes seriam tantas que “a emenda ficaria pior do que o soneto”.

Bocage era um exímio sonetista, e os fazia como ninguém, por isso, acabou ficando muito popular, principalmente quando usava sua veia satírica e espirituosa, daí a sua exigência para com o soneto do rapaz. O fato é que a expressão caiu na boca do mundo, viajou no tempo, chegando aos dias de hoje.

Por isso, meu caro leitor, muitas vezes, é preciso não tentar remediar certas situações, pois o remendo pode ficar ainda pior. E o melhor seria, como muitos fazem, dar o dito por não dito, ou o feito por não feito e seguir caminho. Amém!

Nota: Imagem copiada de blogdotataritaritata.blogspot.com

9 comentários sobre “A EMENDA FOI PIOR QUE O SONETO

    1. LuDiasBH Autor do post

      Antônio

      As expressões idiomáticas assim como os provérbios populares são uma fonte de sabedoria. Muitas vezes é preciso saber como nasceram, para serem melhor compreendidos. Mas ainda assim, um sexto sentido leva-nos a empregá-los com o sentido certo, não é mesmo?

      Amiguinho, muito obrigada pela sua visita e comentário. Será um prazer tê-lo sempre conosco.

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Francisco Antônio

      Muito obrigada por sua visita e comentário. Venha mais vezes visitar este espaço.

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Julie

      Muito obrigada pela sua visita.
      Vejo que você gosta de provérbios e de certas expressões usadas na nossa língua. Encontrará no blog muito material sobre o assunto.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  1. Pedro Rui

    Realmente é melhor não fazer imensa, como a tua avó dizia, pois, quanto mais se mexe na ‘m’ mais fede.
    O Bocage, as anedotas dele são muito expressivas e ditas duma forma que poucos o conseguem fazer. Ele é muito popular aqui em Portugal. Falas-te no caminho que se deve seguir e tens razão, pois nós devemos andar pelo caminho do meio.
    Abraços Lu

    Rui Sofia

    Responder
  2. Alfredo Domingos

    Lu,
    Parabenizo pela escolha do tema. É muito usado por nós, mas é pouco conhecido o seu autor, Bocage. Particularmente, eu conhecia a origem, porém, ver o texto desta boa forma, colocado por você, foi interessante.
    Meu abraço,
    Alfredo Domingos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Alf

      Tais expressões são um achado da língua.
      Eu me delicio com elas.
      E sei que você é um grande admirador das mesmas.
      Obrigada pelo incentivo.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *