Mestres da Pintura – ALBRECHT DÜRER

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Dure

Albrecht Dürer foi o artista alemão mais significativo do Renascimento. Sua arte foi influente por toda a Europa, durante e após a sua existência. Dürer foi um pintor renomado e um dos maiores gravadores da arte ocidental. Ele elevou a xilografia e a gravura a novos patamares de expressão artística, e foi o primeiro artista importante a fazer experimentos com água-forte. Suas imagens pintadas ou gravadas inspiram os artistas europeus há séculos. (David Gariff)

O pintor é o senhor de todos os tipos de pessoas e de todas as coisas. Se ele quer vales, se ele quer de montanhas altas para desdobrar uma grande planície estendendo-se ao longo do horizonte do mar, ele é o senhor para fazê-lo. Na verdade, o que existe no universo, em essência, na aparência, na imaginação, o pintor tem primeiro em sua mente e depois na mão. (Albrecht Dürer)

O vasto interesse de Dürer por perspectiva, medida e proporção, ampliado por seu desejo de compreender todos os aspectos do mundo natural, outorgou-lhe uma reputação equivalente à de Leonardo na Itália. (David Gariff)

 Albrecht Dürer (1471 – 1528) foi o primeiro artista alemão a se preocupar com o real, ou seja, com o homem e a natureza, usando o método científico que tinha por base a observação e a pesquisa. Foi gravador, ilustrador, cientista, desenhista e pintor. Foi responsável por trazer o Renascimento para a Alemanha.

O pintor alemão, embora fosse um homem muito religioso, que pendia para o misticismo, era dono de uma curiosidade ilimitada. Procurava compreender a aparência de todas as coisas perceptíveis através dos sentidos. Estava sempre em busca do novo. Era filho de um renomado mestre ourives que veio da Hungria, instalando-se na cidade alemã de Nuremberg. A profissão do pai foi muito importante para que Dürer se enveredasse pelo caminho da arte, pois, naquela época, os ourives encontravam-se entre os mais importantes artesãos. Seus estúdios serviam de encontro para intelectuais e endinheirados.

Ainda menino, o artista já mostrava um grande talento pelo desenho, de modo que, aos 13 anos, fez o seu primeiro autorretrato e, dois anos depois, foi trabalhar como aprendiz do pintor Michael Wolgemut que possuía a maior oficina de altares e ilustrações xilográficas, ficando com ele durante quatro anos. Com o mestre aprendeu a trabalhar nos painéis dos grandes altares e a dominar com esmero as técnicas da pintura. A ilustração de livros e gravuras em geral foi outro campo das atividades de Dürer.

Depois de concluir seu aprendizado, o artista passou a viajar para ampliar seus horizontes. Esteve em Basileia, Suíça, grande centro humanista e produtor livreiro, onde executou xilogravuras para livros. A seguir, rumou para o norte da Itália, onde fez muitas aquarelas e estudou as obras de Andrea Mantegna e manteve contato com Giovanni Bellini. Ao regressar a Nuremberg, abriu a sua própria oficina, sendo que sua fama já se espalhava para além das fronteiras alemãs. Aos 50 anos visitou os Países Baixos, onde foi recebido como um fidalgo.

Albrecht Dürer casou-se aos 23 anos com a rica burguesa Agnes Frey, sendo o casório arranjado pela família do artista, sem ter antes o seu assentimento. Relatos indicam que o casal não teve filhos e que Dürer foi infeliz pelo fato de sua esposa ignorar o seu gênio artístico, chateada com a atenção que as pessoas dedicavam-lhe.

Entre as primeiras grandes obras de Dürer encontra-se uma série de xilogravuras para ilustrar o Apocalipse de São João, que mostra visões aterradoras do Juízo Final. Tais gravuras fizeram muito sucesso à época. O artista, como seu público, acreditava piamente nos eventos apocalípticos narrados pelo evangelista, achando que esses aconteceriam ainda durante a sua vida.

A fama de Dürer permitiu que ele se tornasse o artista oficial da corte dos imperadores Maximiniano I e Carlos V, do Sacro Império Romano, trazendo-lhe mais reconhecimento e dinheiro.

Albrecht Dürer dedicou seus últimos anos de vida a escrever sobre suas teorias e práticas, como um legado aos artistas que vieram depois dele, o que contribuiu ainda mais para elevar o seu prestígio. Ele foi um reformador e um inovador da arte alemã. Dürer acreditava que as obras mais simples de um pintor podem ser tão valorizadas quanto suas criações mais ambiciosas. Dizia que “um artista inteligente, habilidoso pode mostrar seus poderes e sua arte de forma mais clara em uma coisa pequena do que muitos homens em um trabalho grande.” Morreu aos 57 anos.

São considerados os quatro melhores trabalhos de Dürer: Adão e Eva (1507), Virgem com Íris (1508), A Ascensão da Virgem (1509) e Adoração da Trindade por todos os Santos (1511).

Observação:
Xilogravura é a técnica de gravura na qual se utiliza madeira como matriz e possibilita a reprodução da imagem gravada sobre papel ou outro suporte adequado. É um processo muito parecido com um carimbo.

Nota: Autorretrato, o artista é retratado aos 26 anos.

Ficha técnica:
Data: 1498
Técnica: Óleo sobre madeira
Dimensões: 52 x 41 cm
Localização: Museo del Prado, Madrid

Fontes de pesquisa:
A história da arte/ E.H. Gombrich
Os pintores mais influentes do mundo/ Editora Girassol
Tudo sobre a Arte/ Editora Sextante

6 comentários sobre “Mestres da Pintura – ALBRECHT DÜRER

    1. LuDiasBH Autor do post

      Pâmela

      Antes de descrever o quadro, eu falo sobre a vida e a arte do pintor. Vou lhe enviar os links.

      Agradeço sua visita e comentário.

      Obs.: Seu e-mail está incorreto, veja os links:
      Mestres da Pintura – ALBRECHT DÜRER
      Dürer – A ADORAÇÃO DA SANTÍSSIMA TRINDADE
      Dürer – A ADORAÇÃO DOS REIS MAGOS
      Dürer – JESUS ENTRE OS DOUTORES
      Dürer – MELANCOLIA
      Dürer – O GRANDE TUFO DE ERVAS
      Dürer – O QUADRADO MÁGICO
      Dürer – O RINOCERONTE E A LEBRE
      Dürer – OS QUATRO CAVALEIROS DO APOCALIPSE

      Beijos,

      Lu

      Responder
  1. Antonio Carlos

    Lu
    Tenho um amigo que tem uma obra de Albrecht Dürer, que ainda não vi em nenhuma literatura do gênero. Ela tem formato redondo de 5.5cm, acho que é de cobre ou prata banhada em ouro. De um lado tem uma figura de perfil, que segundo me disse o proprietário seria o perfil de Jesus, atrás tem um outro perfil de um imperador que no momento não me recordo o nome. Neste objeto tem gravado o nome de um famoso gravador Rassumi (acho que é este o nome dele), pois, quando a obra é de um artista de renome, ele grava seu nome. Como eu poderia ver a autenticidade dessa obra?

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Antônio Carlos

      Se o seu amigo possui uma obra de Albrecht Dürer, ele está com uma fortuna nas mãos. O artista era mesmo muito ligado às obras religiosas. Mas ele deve ter todo cuidado ao dar alguém para avaliar a autenticidade da obra. Sugiro que a leve a um Museu de pinturas, no Rio de Janeiro ou São Paulo (MASP), onde poderá procurar o diretor. Deve ir sempre acompanhado de outra pessoa. Antes disso, deverá fazer um histórico da obra, ou seja, de como ela chegou às suas mãos, por onde passou, etc. Se possível, envie-me uma foto do objeto (frente e verso). Envie-me também o nome do imperador e o do gravador.

      Muito obrigada pela sua visita e comentário.

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Fredson

      Também sou encantada com o trabalho de Dürer.

      Fico feliz ao saber que este site atendeu as suas expectativas.
      Estou tentando trazer, de uma forma mais simplificada, a vida dos grandes pintores e algumas de suas obras.
      O resultado tem sido muito bom, pois o acesso ao blog só vem crescendo.
      E quando o leitor deixa um comentário como o seu, dá vontade de procurar sempre fazer o melhor.

      No ÍNDICE GERAL, em MESTRES DA PINTURA, você irá encontrar grandes nomes da pintura, começando lá da Idade Média.

      Muito obrigada por sua visita.
      Será um prazer tê-lo aqui conosco.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *