SÍNDROME DE BURNOUT – DOENÇA OCUPACIONAL
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Dr. Telmo Diniz

burn

O termo burnout, em melhor tradução livre, seria algo como “consumido pelo fogo”. É uma síndrome que compreende uma condição de estresse ligada intimamente ao trabalho da pessoa. Sua principal característica é o estado de tensão emocional e estresse crônico provocado por condições de trabalho desgastantes. A pessoa vai literalmente sendo consumida e suas forças vão se exaurindo aos poucos, dia após dia.

A síndrome é muito mais prevalente em pessoas cuja profissão exige envolvimento interpessoal direto e intenso, como entre profissionais das áreas de educação (professores), saúde (médicos, enfermeiros, cuidadores de idosos), assistência social, líderes religiosos, área de recursos humanos, agentes penitenciários, bombeiros e policiais. Caso sua profissão seja lidar diuturnamente com o ser humano, mantendo contato próximo com outros indivíduos, é um potencial candidato de, mais cedo ou mais tarde, vir a desenvolver alguns sintomas desta síndrome.

O indivíduo que “experimenta” burnout pode apresentar:
• fadiga constante,
• distúrbios de sono,
• dores musculares,
• dores de cabeça e enxaquecas,
• problemas gastrointestinais,
• respiratórios e cardiovasculares
• alteração no ciclo menstrual (em mulheres)

Sintomas psicológicos também estão presentes, como:
• dificuldade de concentração,
• lentificação do pensamento,
• sentimentos negativos sobre o viver e trabalhar,
• impaciência,
• irritabilidade,
• baixa autoestima,
• desconfiança,
• depressão, e em alguns casos até paranoia.

Geralmente, com toda esta sobrecarga emocional a pessoa passa a negligenciar suas obrigações, fica mais agressiva nas relações e perde a capacidade de relaxar. Além disso, tende ao isolamento, perde interesse pelo trabalho e em outras atividades que antes eram prazerosas.

As causas da Síndrome de Burnout compreendem um quadro multidimensional de fatores individuais e ambientais, que estão ligadas a uma percepção de desvalorização profissional. O ambiente de trabalho e as condições de realização deste podem também determinar o adoecimento ou não do sujeito. Esta síndrome vai além do estresse comum. É um misto de estresse e depressão, no qual o tema trabalho é a constante principal. É uma doença ocupacional, portanto.

É sempre importante ressaltar a relevância de um diagnóstico correto, para que não se cometam erros, como a confusão entre burnout e depressão. A primeira tem vários sintomas de depressão que estão diretamente ligados e relacionados ao trabalho da pessoa. O tratamento passa pelo uso de medicações com antidepressivos e ansiolíticos, além de abordagem psicoterapêutica, onde o profissional irá trabalhar com o paciente uma ressignificação do seu cotidiano e mudança de hábitos de vida, incluindo aí exercícios físicos e atividades de relaxamento. Tenho o costume de falar aos pacientes: seu trabalho é um meio de vida ou de morte? Pense nisso!

Nota: imagem copiada de blogjonathancruz.blogspot.com

8 comentários sobre “SÍNDROME DE BURNOUT – DOENÇA OCUPACIONAL

  1. Oziel Oliveira

    Quer chegar à síndrome de burnout? Leia as revistas que recomendam trabalhar intensamente, superar a concorrência, ser o melhor da equipe, esquecer a família e amigos (é, essas revistas recomendam isso) em nome do sucesso, etc. Siga as instruções e em pouco tempo você será mais um com essa síndrome, e pouco depois terá que gastar o pouco que lhe resta de coragem para tentar se curar. Sucessso.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Oziel

      Você, ironicamente, indica a receita correta para quem quiser obter tal síndrome. Mas o que vemos hoje é mesmo uma competição doentia, em que o sucesso está meramente ligado ao poder aquisitivo. As pessoas estão perdendo a noção da efemeridade da vida, e de que precisam de muito menos do que imaginam, para viver. O materialismo e o consumismo obcecantes têm feito de homens e mulheres meros escravos. Concordo plenamente consigo.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Julmar M. Barbosa

    Já passei por isto, passei mesmo! Deixei lá trás tudo que fazia sentir-me inferior e desgastado. Hoje não me sinto inferior nem superior à ninguém. Tenho uma autoestima inabalável e sei me monitorar para que eu não prejudique ninguém, tenho conseguido.

    Como disse Renato Russo:
    “Se você quiser confiar em alguém, confie em si mesmo. Quem acredita sempre alcança.”

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ju

      Não é fácil passar a maior parte de nosso dia num ambiente que nos estressa, afetando nosso corpo e alma. É hoje, num mundo tão competitivo, trabalhar não tem sido fácil, pois os patrões só pensam nos resultados, sem levar em conta os funcionários.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Matê

    O trabalho, em si, já é desgastante. E quando se trabalha sob pressão máxima…
    Não há organismo que resista.

    Abraços
    Matê

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Cris

      Como eu lhe disse, converse com sua diretora sobre seu problema. Peça-lhe para lhe dar um atestado dizendo como se encontra. Apresente-o ao médico. Insista, minha amiga. Não há como trabalhar assim.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *