Arquivo da categoria: Escultura

Apresentação de esculturas (entalhe na madeira, modelagem no barro, cinzelagem da pedra, fundição do metal, etc) dos tempos antigos.

Pietro Bernini – SÁTIRO COMBATENTE

Autoria de LuDiasBH

A escultura em mármore intitulada Sátiro Combatente é a cópia de um original em bronze criado durante o período helenístico. Recentemente foi restaurada, ocasião em que revelou que pode ter sofrido uma restauração no início da segunda década do século XVII pelos famosos escultores Pietro (1562 – 1629) e Gianlorenzo Bernini (pai e filho).

O sátiro – divindade silvestre relacionada a Dionísio, deus do vinho na mitologia grega – traz apenas uma folha de parreira ocultando a sua genitália. Ele se encontra de pé, tem o corpo musculoso, sem chifres e as tradicionais pernas de bode. Sua mão direita erguida brande no ar seu bastão pastoril. Na mitologia, os sátiros eram famosos por perseguirem as ninfas sempre em busca de jogos de amor.

Ficha técnica
Arte greco-romana
Ano: c. 120 – 140 d.C.
Localização: Galleria Borghese, Roma, Itália

Fonte de Pesquisa
Galleria Borghese/ Os Tesouros do Cardeal

Antonio Susini – TOURO FARNESE

Autoria de LuDiasBH

A escultura em bronze intitulada Touro Farnese é uma obra criada pelo artista italiano Antonio Susini (? – f. 1680) que foi aluno do famoso escultor Giambologna. Após a morte de seu mestre, ele continuou fundindo peças a partir dos moldes originais deixados por ele, mas também deu continuidade à sua discreta obra.

A peça acima foi feita a partir de uma cópia em pequeno formato do famoso “Touro Farnese”, que por sua vez é também uma cópia romana, mas já muito modificada em relação ao original, datado de fins do século II, tendo sido atribuído aos artistas Apolônio e Taurisco de Rodes.

O artista retrata o suplício de Dirce que na mitologia grega era uma ninfa, esposa de Lico e sacerdotisa do deus Dionísio. Seu marido era um usurpador do reino de Tebas. Com eles morava a bela Antíope, filha do rei de Tebas, expulsa de casa por ter ficado grávida de Zeus e dado à luz gêmeos. Dirce passou a maltratar Antíope, sobrinha de seu esposo, tratando-a como escrava. Antíope conseguiu fugir e seus dois filhos (Anfíon e Zetos), para vingar a mãe, destronou Lico e ataram Dirce aos chifres de um touro que a arrastou até à morte.

A escultura é composta pelo touro e pelos irmãos Anfíon e Zetos que amarram uma corda em seus chifres. Dirce encontra-se, à esquerda, com as mãos para cima. O copista romano acrescentou as figuras de Antíope, em pé à direita, e a de um pastor, à esquerda, sentado na pedra próximo a um cão. O pastor personifica o Monte Citeron.

Ficha técnica
Arte romana
Ano: 1613
Localização: Galleria Borghese, Roma, Itália

Fonte de Pesquisa
Galleria Borghese/ Os Tesouros do Cardeal

LAOCOONTE E SEUS FILHOS

Autoria de LuDiasBH

A estátua conhecida como Laocoonte ou Laocoonte e Seus Filhos ou ainda como O Grupo de Laocoonte, feita em mármore, foi encontrada durante uma escavação em Roma em 1506, permanecendo em exposição no Vaticano. É tida como uma das mais belas obras da escultura helenística, sendo vista como “o ícone prototípico da agonia humana” na arte ocidental, uma vez que, ao contrário dos martírios apresentados na arte cristã, esse não possui redenção ou qualquer outra forma de recompensa. Ao ser descoberta, seu efeito de tragicidade impactou emocionalmente os artistas e público. A estátua, embora seja tida em excelente condição por se tratar de uma obra escavada, tem várias partes incompletas e ainda sugere, após análises, que tenha sido remodelada em tempos antigos. Desde a sua descoberta ela já passou por várias restaurações.

Trata-se de um dos mitos que mostram a hedionda crueldade proporcionada pelos deuses olímpicos aos mortais, o que era bem comum às mitologias grega e latina. A dor lancinante dos três personagens, postados no degrau de um altar, é representada através da expressão dos rostos e da tensão física dos corpos na tentativa de libertarem-se da constrição das duas serpentes, o que deixa em realce a musculatura, sobretudo a do pai e a do filho mais velho. O modo como os músculos do tronco e dos braços repassam a ideia de esforço e sofrimento na luta desesperada, a expressão de dor vista no rosto do sacerdote, as contorções inúteis dos dois moços e o modo como toda essa agitação foi criada, tudo isso contribuiu para que essa obra fosse tão impressionante.

Ao ser encontrada, a escultura estava sem o braço direito de Laocoonte, sem parte da mão de um dos garotos e o braço direito do outro, assim como várias partes das duas serpentes. O garoto mais velho, à direita, também havia sido desunido das outras duas figuras.  Para resolver o problema das partes ausentes da escultura, vários escultores, artistas da época em que ela foi encontrada, discutiram como essas deveriam ter sido. Michelangelo, depois de profundo estudo, concluiu que os braços direitos deveriam ter sido dobrados para trás, sobre o ombro, enquanto outros artistas sugeriram que deveriam ter sido estendidos para frente, como num gesto heroico. Contudo, na década de 1980, chegou-se à conclusão de que a estátua deveria ser apresentada como fora encontrada, tendo, portanto, as partes restauradas de braços e mãos sido retiradas.

Ao observarmos a estátua podemos notar que os dois garotos foram feitos numa escala bem pequena, se comparada à do pai, possivelmente com o intuito de destacar mais Laocoonte, figura central da obra, dando-lhe um impacto maior. Ao serem envolvidos pelas duas serpentes que une os três personagens, esses mostram o semblante carregado de dor, medo e agonia. O garoto da esquerda já se encontra em agonia, picado por uma das serpentes, enquanto o da direita tenta desenrodilhar a serpente de sua perna esquerda e olha para o pai como se pedisse ajuda, mas sentisse que ele não poderia socorrê-lo.  O tronco musculoso e avolumado de Laocoonte deixa visível a sua árdua luta para afastar a cabeça da serpente, já com a boca aberta, de seu quadril esquerdo.

Chama a atenção no conjunto da obra, esculpida num único bloco, a beleza das dobras das duas serpentes enrodilhadas nos três personagens. Segundo o historiador Plínio, o Velho, em sua História Natural, este trabalho foi feito por três grandes artistas da época: Agesandro, Polidoro e Athenodoros, nascidos em Rodes e a estátua encontrava-se no palácio do imperador Tito. Presume que ela seja parte de uma iconografia maior. Segundo o mito que se relaciona com a Guerra de Troia, o sacerdote troiano Laocoonte, que era filho de Príamo e sacerdote de Apolo, casou-se contra a vontade do deus e teve dois filhos denominados Antífenes e Timbreu. Apolo ficou mais irritado ainda quando Laocoonte arremessou sua lança contra o Cavalo de Troia. E, por isso, vingou-se enviando duas serpentes marinhas para matar os filhos de seu sacerdote, mas esse, ao tentar salvá-los, acabou sendo picado e morto. Existem outras versões para esta lenda.

Curiosidades

  • Presume-se que o grupo Laocoonte tenha sido encomendado pelo imperador Tito, na primeira metade do primeiro século d.C., tendo sido executada pelos escultores de Rodes, após um original de bronze feito no século 2 a.C.
  • O braço direito foi descoberto por Ludwig Pollak, em 1905. Ele conseguiu provar que esse pertencia à figura de Laocoonte. O braço encontrado foi adicionado à estátua durante sua última restauração, em 1957-1960.

Fontes de pesquisa
Para entender a arte/ Maria Carla Prette
A História da Arte/ E. H. Gombrich
http://ancientrome.ru/art/artworken/img.htm?id=1372
https://en.wikipedia.org/wiki/Laocoön_and_His_Sons

Gianlorenzo Bernini – APOLO E DAFNE

Autoria de LuDiasBH

A escultura intitulada Apolo e Dafne é uma obra-prima criada pelo artista italiano Gianlorenzo Bernini (1598 – 1680), também filho de um escultor, responsável por trazer um novo sentido para a escultura ao criar figuras cheias de movimentos que ganham vida através dos drapeados de modo fluido e delicadeza dos membros. É também uma preciosidade de toda a escultura ocidental.

A obra traz como tema a história de Dafne e Apolo, extraída das “Metamorfoses” de Ovídio que narra a paixão de Apolo, deus da juventude e da luz, pela ninfa Dafne, filha do rio-deus Peneu e seguidora da deusa Diana. Apolo apaixona-se pela ninfa, depois de ser atingido pela seta de ouro de Cupido – após irritar o pequeno deus com a sua arrogância – e passa a perseguir Dafne. Em contrapartida, o deus do amor atingiu a ninfa com uma flecha de chumbo para que essa tivesse aversão pelo deus apaixonado. Ao fugir de Apolo, ela recebe o socorro de Gaia (Mãe-Terra) que, para acabar com seu sofrimento, transforma-a num loureiro.

O escultor apresenta o exato momento em que os membros superiores e inferiores de Dafne e seus cabelos vão se transformando no loureiro. É possível notar que a parte inferior do corpo da ninfa já se mostra coberta pela casca de árvore.

Apolo atrás, desesperado por não conter sua amada, traz a mão esquerda sobre o flanco de Dafne, ao tentar impedir a transmutação, puxando para si o corpo da ninfa que tem os braços para cima, já com o formato de galhos. A sensação de movimento é repassada através do uso inteligente do drapejamento.

Benini usou o famoso Apolo do Belvedere, estátua de mármore feita na Antiguidade Clássica e redescoberta no Renascimento, para modelo de seu Apolo. Na base da estátua pode-se ler o dístico moralístico em latim: “os que preferem as formas fugazes do prazer não colherão senão folhas amargas”, a mando do Cardeal Barberini.

Ficha técnica
Arte romana
Ano: c. 1622- 1625
Localização: Galleria Borghese, Roma, Itália

Fonte de Pesquisa
Galleria Borghese/ Os Tesouros do Cardeal

Gianlorenzo Bernini – PLUTÃO E PROSERPINA

Autoria de LuDiasBH

                              

A escultura em mármore intitulada Plutão e Proserpina é uma obra-prima criada pelo artista italiano Gianlorenzo Bernini (1598 – 1680) quando ele ainda era muito moço, ou seja, aos 23 anos de idade.  Ela traz a influência da escultura helenística e também dos afrescos pintados por Anniballe Carraci que se encontram no teto da Galeria Farnese.

Nesta virtuosíssima escultura o artista apresenta os dois personagens no auge de um ato violento, como se esses tivessem parados no tempo e no espaço, ou tivessem sido capturados por uma câmera fotográfica. O escultor, além de captar os gestos dos personagens, também foi capaz de exteriorizar suas emoções e sentimentos, como mostram as lágrimas a escorrer na face de Proserpina e os seus olhos aterrorizados. Um jogo de luz banha a obra, dando-lhe mais beleza. O artista chegou a um ponto de aprimoramento em sua arte que sua escultura participa ao mesmo tempo da natureza do teatro, da pintura e da arquitetura.

Bernini interpreta o momento em que Plutão (Hades), deus dos infernos e rei dos mortos, depois de apaixonar-se por Proserpina (Perséfone em grego), filha de Júpiter com Ceres, aprisiona-a. Ela se encontrava a colher flores quando foi raptada pelo deus e a levada para o seu sombrio reino, onde se tornou sua esposa. É possível notar o pavor no rosto da jovem que se debate inutilmente nos braços possantes do deus que a imobiliza. O realismo da obra e o seu perfeccionismo mostram-se ainda maiores ao observarmos os dedos das mãos de Plutão afundando nas carnes tenras da jovem mulher (figura menor).

Cérbero, o monstruoso cão de três cabeças de Plutão, responsável por guardar a entrada do mundo inferior – o reino subterrâneo dos mortos –, sem jamais deixar sair as almas que ali entravam, também está presente na obra, aos pés de seu dono e próximo a uma espécie de arpão forcado.

Ficha técnica
Arte romana
Ano: 1621/22
Localização: Galleria Borghese, Roma, Itália

Fonte de Pesquisa
Galleria Borghese/ Os Tesouros do Cardeal

Gianlorenzo Bernini – DAVI

Autoria de LuDiasBH

A escultura intitulada Davi foi criada pelo artista italiano Gianlorenzo Bernini (1598 – 1680) quando esse tinha 25 anos. Não se tratava de um tema fácil para o jovem artista, pois já fora tratado, em séculos anteriores, por dois grandes nomes das artes: Donatello e Michelangelo. Mas nem mesmo isso foi motivo de desânimo para Gianlorenzo que acabou dando vida a uma obra-prima que, em alguns aspectos, suplantava as de seus antecessores, ao dar vida e movimento ao seu Davi, em um meio expressivo que tradicionalmente era norteado pela inércia e pela contenção.

O pequeno pastor de ovelhas, seminu, traz aos pés sua lira e a armadura que lhe fora dada por Saul, mas que não lhe permitia andar. Seu corpo retorcido coloca-se em posição de atirar. Uma pedra encontra-se na ponta de sua atiradeira. Ele tenciona os olhos, morde os lábios e se contrai na tentativa de alcançar o alvo.

O Davi do jovem Bernini apresenta, num grau elevado, uma das características de seu estilo: dar ação e movimento às figuras que tirava dos blocos de mármore. O jovem herói é mostrado no exato momento em que se encontra prestes a atirar no gigante Golias. O observador tem a sensação de que irá acompanhar imaginariamente a trajetória da pedra no espaço, até acertar o seu alvo.

Ficha técnica
Arte romana
Ano: c. 1623/1624
Localização: Galleria Borghese, Roma, Itália

Fonte de Pesquisa
Galleria Borghese/ Os Tesouros do Cardeal