FENG SHUI – IMPORTÂNCIA DE DOAR

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

yangmo

Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não haveria pobreza no mundo e ninguém morreria de fome. (Gandhi)

Há riqueza bastante no mundo para as necessidades do homem, mas não para a sua ambição. (Gandhi)

Se já desfrutamos de certo objeto, ou dele fazemos pouco caso, permitamos então que ele faça um novo caminho, sem medo ou desculpa. Pouco importa quem nos deu, ou se foi herança de família, ou por quanto tempo nós o temos, pois ele ficará um dia para trás, quer queiramos ou não. E, para quem não sabe, segundo o Feng Shui (filosofia milenar) podemos ser afetados negativamente, ao fazer associações pessoais com os objetos, pois esses emitem energia, poluindo não apenas a nossa mente, como o ambiente em que vivemos.

Quando alguém morre na família, nada mais sábio e humano do que doar as suas roupas e objetos pessoais para quem esteja precisando. Os mortos não necessitam de coisas materiais. Tampouco devemos vender objetos usados e de pouco valor, pois o preço insignificante que acharemos por eles, jamais compensará os fluidos positivos que o beneficiado enviará ao doador. Quanto mais doamos, mais recebemos, pois toda ação enseja uma reação. Sem falar que toda avareza é atraso de vida, é doença crônica da alma, é um nítido raio-X da mesquinhez da vida interior da pessoa.

Doar o que se tem em excesso, ou aquilo que não mais é usado, não é uma ode ao consumismo, mas uma forma de descarregar os fardos, quer sejam espirituais ou materiais. O entulho que é feito em nosso lar ou em nosso escritório, é tão oneroso para a nossa saúde, quanto o que é feito em nossa mente. Sem falar que nada pode ser tão prazeroso, como saber que algo que nos serviu, pode servir a outrem, deixando espaço livre para uma nova aquisição, se necessária. Nossa casa é  altar,onde habita o nosso corpo. E o altar não pode estar tão acumulado de velharias, de modo a impedir que as graças do absoluto por ele fluam. Sem falar que desordem material é um reflexo da desordem mental.

O Feng Shui ensina que, após dois anos sem usarmos uma determinada coisa, provavelmente nunca a usaremos, e o melhor a fazer será nos despojarmos dela, livrando-nos de uma energia parada. Pelo menos, os antigos egípcios, ao acumular riquezas, acreditavam que as levavam consigo após a morte, para desfrutarem numa outra vida. Mas nós, em pleno século XXI, sabemos que deste planeta nada levaremos, a não ser o bem que fizermos.

Sem dúvida alguma, uma das piores formas de apego é aquele voltado para as coisas materiais. A pessoa vê-se refém de objetos inanimados, como se esses fizessem parte de seu corpo ou como se os divinizasse. Tal atitude doentia impede que ela se desfaça de coisas já sem uso, de modo que possam servir a outrem. Na verdade, somos apenas zeladores temporários dos objetos que passam pela nossa vida. A matéria nada mais é que energia em transição. Mal e mal somos donos de nosso corpo, sujeito às doenças e às armadilhas do tempo. O espírito pode ser indestrutível, mas a parte humana é comprovadamente transitória.

Aproveite um fim de semana ou feriado, ou até mesmo suas férias, e livre-se de um monte de bugigangas que entulham seu guarda-roupa, seus armários, sua casa – sua vida. Deixe espaço para que a energia positiva possa fluir intensamente. Deixe que as coisas cheguem e partam na mais perfeita naturalidade, assim como acontece com todos os seres vivos. E harmoniosa será a sua a existência. É preciso aprender a viver com leveza, adotando a filosofia de que “menos é sempre mais”.

11 comentários sobre “FENG SHUI – IMPORTÂNCIA DE DOAR

      1. LuDiasBH Autor do post

        Luiz

        E irá deixar muita gente feliz! Devemos efetuar este “desapego” pelo menos uma vez por ano.

        Abraços,

        Lu

        Responder
  1. Ugeninelson Autor do post

    Lu

    Quem não tem dentro de si uma utopia, uma quimera, um sonho delirante de amor profundo pelo bem maior, pela paz entre os homens, claro, igualmente não pode reclamar do que está a sua volta. Porque ao nos otimizarmos diante do que nós teimamos em não aceitar, nós estabelecemos um elo com o poder invisível que rege o universo inteiro. E cujo sentimento justo deseja ardentemente que o mais humilde dos homens tenha a sua honra e dignidade. Mas até agora não temos alcançado esse protótipo relacional. Por isso seguimos sonhando. Sabendo que da eternidade somos observados pelos nossos conceitos. E quanto mais gente se perfila na corrente interativa das partilhas, menos sobras se tem, e mais gente satisfeita se observa, porque não há falta de nada nos que são alcançados pela caridade dos que têm sobrando. Ou seja, um socorre o outro.

    Portanto, Lu, seu artigo reverbera vigorosamente nas almas que sentem gozo em deixar o outro experimentar, nem que seja um pouquinho, do clímax orgásmico que outrora nos causou frenesi. É muito legal experimentar as delícias despreocupadas do ter. E reter a posse até os limites da necessidade alheia. Realmente você foi providencial nas suas palavras. O que em você é uma constante. Mágica que é a sua pena para produzir em todos nós seus fãs enlevos que inebriam.

    Beijos, Lu! Estava com saudade de você. Feliz Natal! E Feliz 2017. Com muita saúde, paz e prosperidade!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ugeninelson

      Nossa, meu amigo, como você andava sumido! Também estava com saudades suas, que agora aparece com um comentário maravilhoso, que toca profundamente a alma de quem o lê. Não há o que contrapor ou acrescentar a tamanha sabedoria.

      Gostaria de basear minha vida neste seu ensinamento:

      “E quanto mais gente se perfila na corrente interativa das partilhas, menos sobras se tem, e mais gente satisfeita se observa, porque não há falta de nada nos que são alcançados pela caridade dos que têm sobrando. Ou seja, um socorre o outro.”

      Amiguinho, como machuca ver tantas sobras (principalmente no Natal e Ano Novo, quando as diferenças ficam mais escancaradas) e ao mesmo tempo tanta privação, tanta indigência… Tanto desespero ocasionado pela falta. Benditos sejam todos aqueles que partilham!

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Leila Gomes

    Lu

    Amei seu texto! Devemos nos libertar de tudo que atravanca nossa vida, ficarmos presos a coisas, pessoas e situações maçantes é um insulto a nossa liberdade.

    Abraços

    Leila

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Leila

      Concordo plenamente com você, sempre sábia em suas posturas e colocações. Só acrescento que cultivamos energia positiva, que irá melhorar a nossa qualidade de vida, quando assim agimos.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *