O CONSUMISMO DOENTIO DE NOSSOS DIAS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH 

doentio

Não restam dúvidas de que precisamos repensar nossa passagem por este planeta, principalmente em relação ao consumismo doentio de que  nos tornamos vítimas. Não mais estamos em busca do necessário, daquilo que nos é útil, pois tal concepção há muito perdeu seu sentido. Atualmente, a maioria de nós não passa de colecionadores disso e daquilo. Seria tal postura uma consequência do vazio que permeia a vida do homem moderno? Ou o “ter” desenfreado vem jogando uma pá de cal no “ser”? Por que passamos a ser medidos pelo que acumulamos? Por que dizer que “fulano é bem de vida” não se refere à sua capacidade de viver bem consigo e com o mundo, mas apenas aos bens materiais acumulados pelo indivíduo ao longo da vida? Para que acumulamos tanto, como se ainda tivéssemos a mesma visão dos povos do Egito Antigo, que pensavam levar consigo suas riquezas, para servi-los no outro mundo? Por que os países ainda medem seu crescimento econômico baseando-se, principalmente, na venda de produtos e não no bem-estar de seu povo?

Caro leitor, apresento-lhe um trecho de um texto de um grande pensador de nossos tempos: Luis Pellegrini, editor da revista digital Oásis, do jornal digital “Brasil 247”.

Uma das pragas que atormentam nossas vidas de cidadãos da moderna sociedade da produtividade e do consumismo é justamente a produtividade e o consumismo, quando insustentáveis. Por insustentável queremos dizer excessivo; demasiado; para além do razoável, necessário e suficiente; sem consciência de limites.

As primeiras grandes vítimas dessa mentalidade que tomou forma desde o advento da Era industrial, nos primórdios do século 19, e cresceu depois, sem parar, de modo obsessivo e avassalador, somos nós mesmos. Por causa dela vivemos hoje uma vida de escravos, acorrentados – muitas vezes sem o perceber – a uma existência de trabalho estafante e contínuo para produzir e consumir, na maior parte dos casos, bugigangas absolutamente desnecessárias.

Condicionados por necessidades artificiais inventadas pelo Sistema, não paramos de comprar e comprar, abarrotando nossos armários e dispensas com toda uma massa de objetos e produtos supérfluos, cujo destino, depois de algum tempo guardados, será certamente o lixo. E não estamos sozinhos no desgaste provocado por esse estado de coisas. A natureza nos acompanha nessa trajetória rumo à falência provocada por um desfrute para além de qualquer possibilidade de reposição. E isso inclui a quase totalidade de bens naturais essenciais, como a água que se bebe, o ar que se respira, as florestas, o petróleo e os minérios, e tudo o mais que existe sobre a Terra.

O escritor Luís Pellegrini está corretíssimo nos pontos levantados. Pobres de nós e coitada de nossa sofrida mãe Natureza. Quando é que o homem irá tomar jeito? Quando é que veremos a vida com outros olhos, que não os da cobiça desenfreada?

Nota: imagem copiada de rosevcba.blogspot.com

4 comentários sobre “O CONSUMISMO DOENTIO DE NOSSOS DIAS

  1. LuDiasBH Autor do post

    Você fez muito bem em preferir viajar.
    Precisamos aprender a frear esse consumismo doentio, que vem exaurindo a natureza.
    Precisamos buscar outros valores que nos preencham de verdade.
    A felicidade nasce de dentro e não de fora.
    Não podemos entrar na ditadura da mídia que incentiva o consumismo.

    Abraços,

    Lu

    Responder
  2. Lu, concordo plenamente!

    E o mais engraçado é que, quando vamos contra esse sistema somos condenados!
    “Como assim? Você prefere ir à praia do que trocar o seu celular?” Palavras da minha irmã que a todo custo queria me dar um celular novo, segundo ela, o meu estava ultrapassado! Sendo que pra mim estava ótimo!
    Preferi ir viajar… me trouxe muito mais experiências e alegrias do que um bem material.

    Hoje em dias as pessoas compram o que não precisam, o que não lhes agrega nada, não lhes trazem benefício algum, apenas para impressionar a sociedade e manter-se dentro desse sistema consumista desenfreado!

    E vamos tentando buscar a real felicidade, aquela que mora dentro da gente e independe do que possuímos materialmente.

    Responder
  3. Manoel

    Lu
    O Luis Pellegrini nos aponta grandes verdades, pois viramos acumuladores de lixo, nos esquecendo de nossa vida como seres humanos. E pior, exaurindo as riquezas do planeta.

    Beijos

    Nel

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Nel

      O consumismo doentio vem tomando conta do planeta Terra.
      Ninguém parece estar satisfeito com nada.
      Nunca ouvi falar de uma época com tanta insatisfação em relação ao ter.
      E pior, ninguém agradece mais por nada.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *