Picasso – A FAMÍLIA DE SALTIMBANCOS

Autoria de LuDiasBHpicasso123456

A arte francesa sentia-se atraída pelo tema circense. Podemos constatar isso, principalmente, na obra dos impressionistas e pós-impressionistas, a exemplo de Degas, Renoir, Seurat e Van Gogh. Eles sentiam que, como artistas de vanguarda, era tão marginalizados quanto os artistas circenses.

A composição A Família de Saltimbancos, também conhecida como Os Saltimbancos, possui dimensões gigantescas (ver ficha técnica abaixo). Nela estão presentes seis figuras, que se encontram num lugar não identificado. Os personagens do circo ocupam mais da metade da tela, enquanto uma mulher ocupa a parte restante. Ao contrário dos saltimbancos, vestidos como atores do circo, ela se mostra bem vestida, usando um chapéu enfeitado com flores. Encontra-se de frente para o observador, assim como os dois garotos e o bufão.

O olhar do arlequim, que se encontra de costas para o observador, está direcionado para a jovem. Uma garotinha, também de costas para o observador, carrega uma cesta de flores, iguais às que se encontram no chapéu da jovem mulher, podendo ser esse um indicativo da relação dela com o grupo. O observador depara-se com muitos erros conscientes deixados pelo pintor, a fim de criar uma visão perturbadora:

1. Os olhares dos personagens não se cruzam, a fim de estabelecer qualquer tipo de ligação.
2. O cotovelo do arlequim está numa posição impossível de ser vista.
3. O chapéu da moça parece pequeno demais para a sua cabeça.
4. O bufão descansa numa só perna, pois não se vê a segunda.
5. A garotinha usa sapatilhas de cores diferentes.

Ficha técnica
Ano: 1905
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: The National Gallery of Art, Washington, EUA

Fontes de pesquisa
Picasso/ Abril Coleções
Picasso/ Coleção Folha

2 comentários sobre “Picasso – A FAMÍLIA DE SALTIMBANCOS

  1. LuDiasBH Autor do post

    Alf

    Picasso foi mesmo um pintor incrível.
    Você escreve:

    “Concluo que a circunstância dos atores não se olharem possa indicar que embora seja uma trupe, cada um tem a sua individualidade e trabalho na companhia. Será? Não sei…”

    Pode ser, pois toda obra é aberta a novas interpretações.

    Eu fico me perguntando se os erros foram mesmo intencionais.
    Mas, resta-nos confiar no pintor… risos.

    Abraços,

    Lu

    Responder
  2. Alfredo Domingos

    Lu,
    O conteúdo desta tela navega numa certa estranheza. Porém, perfeitamente coerente com o personagem PICASSO, todo criativo e quebrador de regras, tanto na arte como nos amores. Concluo que a circunstância dos atores não se olharem possa indicar que embora seja uma trupe, cada um tem a sua individualidade e trabalho na companhia. Será? Não sei…
    Mas a obra é fantástica!

    Gostei dos erros em destaque, boa forma de nos avisar sobre eles.
    Apenas um detalhe, ainda: o bufão, barrigudo, com chapéu esquisito e de vermelho, é bastante interessante. Coisa de PICASSO!
    Abração,
    Alfredo Domingos.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *