Turner – A ÚLTIMA VIAGEM DO TEMERAIRE

Autoria de LuDiasBH

turner12345

Lento, triste e majestoso, segue o corajoso velho barco, com a morte, por assim dizer, escrita nele. (William Makepiece Thackeray)

O Temeraire era um navio inglês de guerra, que ajudou o navio Victory, de Lord Nelson, quando estava sendo atacado pelos franceses e espanhóis, na Espanha. Foi aposentado 33 anos após a Batalha de Trafalgar, uma das mais conhecidas batalhas navais da história britânica. Ele tinha três deques, três mastros e 98 armas de fogo.

Na composição A Última Viagem do Temeraire, Turner não mostrou o navio em sua glória. Ao contrário, apresentou-o sendo rebocado de Sherness para o estaleiro de Rotherhithe, onde seria desmontado. Já sem os três mastros e o cordame e com a pintura toda descascando. Turner optou por pintar o velho navio romanticamente: branco e dourado e com seus três mastros, e não como se encontrava no momento da pintura.

O rebocador a vapor, feio e encardido, segue à frente, ostentando uma bandeira branca, que simboliza a rendição daquele que foi um heroico guerreiro. Atrás do Temeraire doirado, um pôr de sol exuberante parece se despedir dele com pompas. Um barco à vela fantasma surge no horizonte, à direita do rebocador. Seria ele uma lembrança do Temeraire em toda a sua glória ou seu fantasma? Ou ainda a lembrança do fim dos barcos a vela? Não se sabe o motivo real de sua presença na pintura.

É possível ver um pequeno pedaço de lua no céu, à direita do barco a vapor. Sua luz reflete-se sobre as águas próximas ao barco, fazendo cintilar suas velas enroladas e a espuma que sai das duas laterais, das pás do rebocador, num contraste magnífico entre os tons afogueados do pôr do sol e a luz prateada. No lado direito do quadro, ao fundo, perto de um campo azul acinzentado, é possível visualizar a silhueta de uma pessoa num barco.

A presença do sol poente tem uma simbologia muito especial: o fim do Temeraire e o dos barcos a vela. O tema fundamental da composição é o barco, contudo, ele não se encontra no centro da composição, mas mais à esquerda, na tela. Turner, entretanto, usou o exuberante pôr do sol para contrabalançar o peso visual. Sobre o sol e em torno dele, fez uso do empaste, uma técnica que usa a tinta mais grossa.

A pintura foi entusiasticamente aplaudida pelos críticos da época. Turner recusou a venda dela, que recentemente foi eleita a pintura mais popular da Grã-Bretanha. O cenário divinal, a harmonia da composição, a luz deslumbrante que dela emana e a representação simbólica do Temeraire fazem deste quadro uma obra tocante e inesquecível.

Curiosidades:

  • Como ao artista são concedidas inúmeras licenças, Turner apresenta o navio indo para o leste, quando na verdade dirigia-se para o oeste, pois o estaleiro de Rotherhithe fica a oeste de Sherness. Só assim, ele poderia mostrar um magnifico pôr do sol à sua passagem.
  • Segundo o leitor Humberto Baião, “sabe-se hoje mas não se sabia à época, o céu vermelho se deve ao efeito das explosões no vulcão Tambora, que afetaram o clima por todo o mundo”.

Ficha técnica
Ano:1839
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 90,7 x 112,6 cm
Localização: National Gallery, Londres, Reino Unido

Fonte de pesquisa
Grandes pinturas/ Publifolha

7 comentários sobre “Turner – A ÚLTIMA VIAGEM DO TEMERAIRE

  1. Humberto Baião

    Lu
    Relmente é uma das obras de Turner que mais admiro, contudo devo acrescentar que, e sabe-se hoje mas não se sabia à época, o céu vermelho se deve ao efeito das explosões no vulcão Tambora e que afectaram o clima por todo o mundo. Não me excedo, mas vale a pena saber o que então se passou com o Tambora e o planeta. Obrigada.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Humberto

      Farei este acréscimo ao texto.
      Agradeço a sua visita e comentário.
      Volte sempre!

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Julmar Moreira Barbosa.

    Se fosse eu o autor também não venderia tamanho esplendor .
    Nada faltou à esta obra. Nada faltou à sua análise, como sempre.

    Responder
  3. Geraldo Magela Cordeiro

    Bonita a história do navio inglês. Foi também um herói de guerra e lutou bravamente.
    Parabéns!
    Abraços,

    Geraldo Magela

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *