VOCÊ É UMA PESSOA SIMPÁTICA?

Autoria de LuDiasBH

tirin

Quando nos deparamos com alguém pela primeira vez, imediatamente formamos uma imagem da pessoa, como simpática ou antipática, mesmo que, com o passar do tempo, ela possa nos mostrar que incorremos num erro de julgamento. Mas, assim é a natureza humana sob o comando da  simpatia da antipatia.

A empatia é um sentimento bem mais profundo do que a simpatia. Eu diria que a simpatia é artificial, pois fica apenas na aparência, enquanto a empatia é mais profunda, pois culmina na ação. Antes de tudo é preciso analisar como o outro nos vê e se está receptivo à nossa postura, ou seja, se houve empatia entre nós.

Embora possamos achar que somos bons, que compactuamos com o bem, que nos preocupamos com o próximo, jamais saberemos com certeza qual é a real impressão que causamos nas pessoas, pois, como dizia minha mãe, o coração dos outros é terra que ninguém vai. Nem sempre a avaliação que fazemos de nossa pessoa ajusta-se à que as pessoas fazem de nós. É comum termos uma boa conversa com alguém, trocando ideias e sentimentos e sairmos com a sensação de que fomos empáticos ao outro. Contudo, podemos estar redondamente enganados no julgamento. A pessoa apenas manteve uma atitude cortês. Nada mais que isso.

Ser empático não significa que devamos pensar exatamente como o outro, ou acordar com suas ideias. Consiste numa sintonia natural com o modo de pensar do outro e colocar-se no seu lugar, quaisquer que sejam os seus pontos de vista e sentimentos. A base da empatia é o respeito pelo que o outro é, olhando-o como indivíduo único, de modo a ter sensibilidade na interação, sem menosprezar seus pontos de vista ou machucar seus sentimentos.

Não podemos confundir empatia com a doutrinação. Doutrinar é negar a capacidade que o indivíduo possui de fazer suas próprias escolhas. É querer que o outro abra mão de suas convicções e aceite as nossas, que julgamos as mais exatas, sem que tenhamos evidências de que estejam corretas. Doutrinar é, sobretudo, coibir o espírito crítico do indivíduo. Pesquisas mostram que as pessoas doutrinadas possuem mente “fechada” e são avessas a qualquer forma de diálogo no que tange à questão. Podemos ver muito isso na religião, no esporte, na política e em qualquer tipo de preconceito, pois o fanatismo se transforma num ingrediente nocivo à razão.

Ser empático é

  • ser capaz de deixar de lado o nosso mundinho, com nossos pontos de vista, nosso saber, nossas certezas e sentimentos e entrar em sintonia com o universo do outro;
  • olhar o próximo com carinho, observando o timbre de sua voz, a linguagem dos seus olhos, os movimentos de seu corpo, tentando descobrir aquilo que o aflige;
  • captar as pequenas alterações de humor e todas as nuances da emoção do outro;
  • perceber os sentimentos da pessoa e interessar-se pela maneira como ela possa estar se sentindo, mesmo que não esteja presente;
  • ser capaz de ler nas entrelinhas de seus textos, no emaranhado de seus versos, na letra da música postada, no comentário feito, para descobrir o que passa no coração do outro;
  • procurar entender um ponto de vista que não é exatamente o seu, através da argumentação;
  • ser incapaz de manipular alguém ou ferir seus sentimentos ou infligir dor física a um ser humano (ou a um animal);
  • ver os indivíduos como pessoas, e jamais como objetos usados para satisfazerem as nossas vontades e necessidades;
  • ser capaz de compreender que a nossa visão do mundo não pode ser a única, ou a correta, e que as opiniões e sentimentos do outro também são  importantes.

Algumas pessoas são capazes de perceber na hostilidade os graus de agressão, ódio e ameaça. Algumas poucas, no entanto, são capazes de reconhecer mais de 50 variantes na hostilidade, tais como desdém, crueldade, presunção, arrogância, trapaça, opressão, etc.

Na empatia, não se pode confundir monólogo com comunicação. Se só um fala, pode ser desabafo, doutrinação, controle, persuasão, mas, nunca conversação. No diálogo, quem fala fica atento a sua vez e permanece receptivo à fala do outro. Há uma preocupação entre os dois agentes da conversação de se compreenderem mutuamente. Em suma, agir com empatia é ser espontâneo e dar importância ao que o outro pensa e sente. Assim também deve ser no mundo virtual, pois estaremos desenvolvendo um código moral de relacionamento, que se fará sentir em todos os campos da vida humana.

Certos animais estudados dão-nos um belo exemplo de empatia: golfinhos, grandes macacos, suricatos, cães de resgate, etc.

Nota: Imagem copiada de http://etal.blog.terra.com.br/2009/05/27/gafes-tirinhas/

Fonte de pesquisa
Diferença Essencial/ Simon Baron-Cohen

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *