A ARTE ANTIGA DOS EGÍPCIOS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

           igreja123igreja1234  igreja12

Os mestres gregos foram à escola com os egípcios, e todos nós somos discípulos dos gregos. (E.H. Gombrich)

Quando representavam a vida através de suas pinturas, os artistas egípcios não se preocupavam com a beleza, mas tão somente em repassar a informação com extremada clareza. Segundo o Prof. E.H. Gombrich, o método usado por eles era muito mais parecido com o de um cartógrafo do que com o de um pintor. Tudo tinha que ser representado de acordo com o ângulo que trouxesse uma melhor caracterização do elemento pintado. A regra que usavam permitia-lhes colocar na mesma composição tudo que considerassem de real importância, sem se preocupar com os diferentes ângulos a serem observados. A mesma regra era aplicada ao corpo humano, como veremos depois.

A composição ilustrativa de número 1, intitulada Jardim de Nebamun, trata-se de um mural de um túmulo em Tebas e estima-se que tenha sido pintada em 1400 a.C., onde podemos observar que os elementos da composição foram retratados de diferentes ângulos e são facilmente identificáveis:

  1. O tanque é representado como se fosse visto de cima.
  2. Os peixes e os pássaros são representados de perfil.
  3. As árvores são representadas como se fossem vistas de lado.

A composição ilustrativa de número 2, mostra o Retrato de Hesire numa porta de madeira em seu túmulo. Foi feito entre 2778 – 2723 a.C. A representação do corpo humano também seguia as mesmas regras, ou seja, ele tinha que ser mostrado a partir do seu ângulo mais característico. Vejamos:

  1. Como a cabeça era mais facilmente vista de perfil, ela era desenhada lateralmente, mas o olho não seguia o mesmo ângulo. Ele era desenhado como se estivesse sendo visto de frente. Ainda que resultasse numa composição estranha, um olho de frente era colocado na vista lateral da face, enquanto o outro ficava oculto.
  2. Os ombros e o tronco são vistos melhor de frente, possibilitando uma melhor observação de como os braços ligam-se ao tronco, sendo, portanto, desenhados de frente.
  3. Ao contrário do tronco, braços e pernas em movimento são retratados de lado, ângulo que permite vê-los com maior clareza.

Os artistas egípcios tinham dificuldades em retratar um pé ou outro de um plano exterior. Por isso, faziam o contorno desde o dedão para cima. Observem na gravura acima que os dois pés são vistos do lado de dentro, de modo que o retratado parece ter dois pés esquerdos.

Não significa que os artistas egípcios imaginavam que essa era a aparência humana. Eles apenas eram obrigados a seguir normas rigorosíssimas que, uma vez dominadas, a aprendizagem era dada por encerrada. As normas eram:

  • As estátuas sentadas deviam ter as mãos nos joelhos.
  • Os homens eram sempre pintados com a pele mais escura do que a das mulheres.
  • A aparência de cada deus egípcio era rigorosamente estabelecida: Hórus, o deus-céu, era representado como um falcão ou apenas com a cabeça de um falcão; Anúbis, o deus dos ritos funerais, era representado como um chacal ou apenas com a cabeça de um chacal.
  • A arte da bela escrita também fazia parte do aprendizado do artista.

A última ilustração acima representa Tutankhamon e sua Esposa (1330 a.C. — detalhe de talha dourada e pintada, proveniente do trono, encontrado em seu túmulo, hoje no Museu Egípcio, Cairo). Tutankhamon foi o sucessor do rei Amenófis IV que havia quebrado um pouco do rigor do estilo egípcio. É possível ver o estilo moderno do rei anterior no detalhe acima:

  1. O rei e a rainha são vistos num idílio doméstico.
  2. O rei encontra-se bem à vontade em sua cadeira.
  3. A esposa não é representada menor do que o rei.
  4. Ela coloca a mão no ombro do rei.
  5. O deus Sol distribui a sua bênção ao casal.

A abertura na arte Egípcia durou pouco tempo. Ainda no reinado do próprio Tutankhamon as velhas crenças foram instauradas, assim como a rigidez do estilo que durou mil anos antes de seu reinado e mil anos ou mais, depois.

Fonte de pesquisa:
A História da Arte/ E.H. Gombrich

6 comentários em “A ARTE ANTIGA DOS EGÍPCIOS

        1. LuDiasBH Autor do post

          Mara

          Será sempre um prazer recebê-la neste cantinho. É bom saber que estou escrevendo postagens de importância para todos.

          Abraços,

          Lu

    1. LuDiasBH Autor do post

      Sinara

      Nós temos muito a aprender lendo a história dos povos antigos e seu modo de viver.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *