Hals – A BRUXA DE HAARLEM

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

O pintor Frans Hals (c. 1583 – 1666) nasceu provavelmente na Antuérpia, quando as províncias holandesas e Flandres (atual Bélgica) ainda pertenciam à Casa Real espanhola. Seu pai Franchoys era um mestre tecelão. Sua família mudou logo a seguir para Haarlem, onde ele passou a maior parte de sua vida. As informações sobre sua vida até os 25 anos são bem escassas, embora se saiba que estudou pintura na Academia de Haarlem com o pintor e escritor Karel van Mander – cujos escritos são uma conhecida fonte sobre os primeiros pintores flamengos – e foi membro oficial da Guilda de São Lucas, à qual chegou a presidir.

A composição intitulada Malle Babbe ou Cigana, mas sendo mais conhecida como A Bruxa de Harleem é uma das obras mais famosas do artista barroco em que predomina o movimento e a emoção. Trata-se de uma tela de grande originalidade, cuja linguagem, ao lado de “Dois Rapazes Rindo”, “O Alegre Bebedor”, “La Bohémienne” e “Monsieur Peeckhaering” mostraram novos caminhos para a pintura dos séculos que viriam. O pintor, nesta pintura, deixa claro o seu caráter brincalhão e a sua capacidade de observação do ser humano.

O artista barroco usa o retrato para repassar uma mensagem de moralidade. A personagem retratada é uma velha louca e bêbada. Ela traz no ombro esquerdo um mocho – designação comum a muitas aves de rapina. A presença do mocho como ave noturna representa o mau comportamento dos homens, evidenciado aqui pelo alcoolismo, cuja representação é o jarro de cerveja com a tampa aberta, seguro pela louca. Seu corpo sofre uma torção diagonal, elevando a ave à altura de sua cabeça, o que, ao lado da hierarquização dos motivos presentes na tela, amplia a força do retrato.

A louca é mostrada pelo artista com simpatia, sentada no canto de uma mesa. Seu sorriso é consequência tanto do abuso do álcool quanto da estupidez advinda de sua loucura. Ela aparenta conversar ou rir de alguém à direita da tela. Sua roupa simples retrata a época em que viveu. O retrato é ao mesmo tempo mágico e assustador e ganhou a admiração de inúmeros pintores, pois existem muitas cópias e variantes desta obra. Um de seus grandes admiradores foi Gustave Courbert que dela fez uma cópia. Existe uma série de obras relacionadas à pessoa real que serviu de modelo para Hans nesta pintura.

Ficha técnica
Ano: c. 1634
Técnica: óleo sobre madeira
Dimensões: 78,5 x 66,2 cm
Localização: Gemäldegalerie, SMPK, Berlim, Alemanha

Fontes de pesquisa
Gênios da pintura/ Abril Cultural
1000 obras-primas da pintura europeia/ Könemann
https://www.wga.hu/html_m/h/hals/frans/01-1623/12coupl.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *