A EXCELÊNCIA DA AÇÃO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Prof. Hermógenes

O Professor Hermógenes, um dos precursores da ioga no Brasil, escreveu mais de 30 livros sobre a saúde física e mental.  Neste texto, retirado de seu livro “Yoga para Nervosos”*, ele nos fala sobre a “excelência da ação”. Vale a pena lê-lo:

Uma das definições clássicas de Yoga é “a excelência da ação”. A ação eficaz, bem sucedida, completa, sem resíduos, sem defeitos e também desgastes desnecessários pode ser chamada de ação perfeita ou ação yóguica. As ações a realizar em nossa existência devem ser perfeitas, sem o que ficamos endividados e, portanto, presos a elas, obrigados a repeti-las. Se nos demais aspectos da vida, temos de agir com perfeição, libertando-nos, que dizer de nosso comportamento em relação à coisa?! Chamemo-la de angústia, neurose, servidão, conflito, imperfeição, dependência, sofrimento, ansiedade, condicionamento, inferioridade, fobia, obsessão… dela é fundamental que nos libertemos.

Creio ser indispensável que você mantenha incessantemente, como fundamento, a fonte de inspiração, como orientadoras da ação, uma determinada atitude mental, a ser por você mesma definida (além das muitas técnicas e comportamentos especiais sugeridos neste livro). O segredo de sua ação eficaz parece estar em:

  1. Serenidade, indispensável ao controle de si mesmo;
  2. Concessão voluntária, inteligente e estratégica à “vontade do adversário” (a coisa);
  3. Utilização inteligente, objetiva e na hora exata dos esforços e dos meios certos.

A forma de agir diante de uma crise qualquer é inteiramente diferente daquela do afoito lutador, que se mete no mar disposto a vencer, de frente, a pancada das ondas e que, provavelmente, sairá do embate de costelas fraturadas. O esperto nadador jamais comete tal imprudência. Faz o corpo mole e, serenamente, apenas se abaixa ou fura a onda e sai ileso.  Experimente o mesmo da próxima vez, quando se vir numa situação adversa, numa crise de qualquer espécie. Nunca se meta a enfrentar as ondas do sofrimento com peito aberto e pé atrás. Relaxe. Negaceie. Deixe passar a onda.

Quando se aprende a relaxar, o resultado é impressionante. O nervosismo cede. O pavor é substituído pela calma. A respiração é minimizada até que, semblante sereno, parece adormecer. Não há mais a luta inglória, estafante e desastrosa. Quaisquer que sejam os sofrimentos psicossomáticos, quaisquer que sejam os sintomas neurovegetativos, utilize esta estratégia. Sempre irá dar certo, pois a coisa, sem ser combatida, sem ser temida, acaba por sentir-se desmoralizada, deixando sua vítima em paz.

*Esse livro é encontrado em PDF no Google.

Nota: Mulheres e Frutas, obra de Di Cavalcanti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *