ÍNDIA – COMO VIVE UM BRÂMANE

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

bham

O homem que nasce alto torna-se baixo pelas suas baixas associações, mas o que nasce baixo não se torna alto, por meio de altas associações. (Código de Manu)

Um brâmane ensina os Vedas. Um brâmane se sacrifica por outros e recebe deveres da alma. Comum a todas as castas é a reverência para com os deuses e brâmanes. (Vishnusmriti, 2-1.17)

Os brâmanes sempre gozaram das delícias do poder que só foi um pouco enfraquecido, quando o budismo sacudiu a Índia. Mas esses sacerdotes, com a tenacidade que lhes é peculiar, deram uma volta por cima e reconquistaram o domínio, ainda na dinastia dos Guptas. A partir do século II da nossa era, os registros já mostram grandes doações, principalmente em terras, feitas às castas dos brâmanes. Segundo alguns historiadores, a maioria das escrituras era fraudulenta. E, como não podia deixar de ser, as terras dos brâmanes eram isentas de taxas, mas só até a chegada dos ingleses.

Os britânicos não levaram em conta o Código de Manu, que advertia o rei de que “nunca deverá taxar um brâmane, mesmo quando todas as outras fontes de renda estejam esgotadas, pois um brâmane irado pode imediatamente destruir o rei e todo o seu exército, apenas com a recitação das maldições dos textos místicos.” Está aí o motivo de tanta riqueza e tanto ouro. Além disso, os espertinhos instituíram que “o mais importante elemento em todos os sacrifícios aos deuses era a taxa paga ao sacerdote ministrante; e a mais alta demonstração de piedade era uma gratificação engrossando essa taxa”. Mas a mina do rei Midas não ficava apenas nisso para a casta bramânica. Ela ia muito, mas muito além. Estava presente nos milagres e nas superstições, pois o brâmane podia tudo e contava com a crença do povo:

  • tornar fecunda uma mulher estéril;
  • conduzir negócios por meio de oráculos;
  • levar os homens de loucura “simulada” a confessar ao povo, que estava assim, por castigo, por serem pouco generosos com os sacerdotes (brâmanes);
  • tirar o mau augúrio que levava à doença, ao sonho desagradável, ao mau negócio.

O poder bramânico, muito espertamente, era assentado no monopólio do conhecimento. Cai muito bem para eles o provérbio de que “em terra de cegos, quem tem um olho só é rei”. Os brâmanes eram os reformadores e guardiães de todas as tradições hinduístas. E, polivalentes, eram educadores das crianças, compositores, editores e tudo o mais.

A lei bramânica rezava que, se um sudra (a quarta casta em posição) ouvisse a leitura das escrituras hinduístas, deveria receber, como castigo, chumbo em fusão no ouvido. E se recitasse qualquer coisa dos livros divinos, tinha a língua cortada. Se das escrituras guardasse qualquer coisa na memória, era cortado em dois. O bramanismo era apenas para os iluminados. Tudo era feito para que as castas baixas não tivessem acesso ao conhecimento, pois esse lhes daria poder, questionamento e revolta. Ou seja, quanto mais inculto fosse o povo, maior seria o domínio sobre ele.

Um brâmane estava, por direito divino, sobreposto a todas as criaturas. Devia ser mantido através de doações públicas e privadas. E, que ninguém tivesse a petulância de dizer que era por “caridade”, pois se tratava de uma obrigação “sagrada”. A hospitalidade a um brâmane constituía um alto dever religioso. E, se era mal recebido, retirava-se levando todo o mérito das boas obras do hospedeiro. Todo o poder era mantido através da chantagem e do medo.

Os brâmanes Nambudri exerciam o “jus primae noctis” sobre todas as noivas de seu território, até tempos recentes. Ou seja, eles se ofereciam para curar a esterilidade das mulheres que passavam uma noite no templo em companhia deles.

Se um brâmane cometia um crime, jamais podia ser morto. O rei exilava-o, mas sem lhe retirar a propriedade. Quem “tentasse” bater num brâmane ganhava o castigo de sofrer cem anos no inferno. E, se o desafortunado chegasse a bater, o castigo passava para mil anos. Os seguidores do hinduísmo acreditavam piamente em tais lorotas.

Se um sudra abusasse da mulher de um brâmane, tinha a propriedade confiscada, e pior, ainda tinha os órgãos sexuais cortados. O sudra que matava outro sudra obtinha o perdão através da doação de dez vacas aos brâmanes, é claro. E, se um  sudra matava um vaicia (pertencente à 3ª casta) tinha que dar cem vacas. Mas, se o sujeito matava um brâmane, estava ferrado e fulminado, porque somente o homicídio de um brâmane era considerado como tal.

Deveres de um brâmane:

  • banhar todos os dias e tomar mais um banho, se o barbeiro pertencer a outra casta;
  • purificar com esterco de vaca o sítio onde vai dormir;
  • nas necessidades fisiológicas precisa seguir um ritual higiênico, usando, nesse sagrado rito, a mão esquerda, ao lavar as partes pudendas com água.

Se um estrangeiro usasse papel higiênico, a casa era considerada conspurcada. O brâmane usualmente lavava mãos, pés e dentes antes da refeição. Comia com os dedos e só usava duas vezes os mesmos pratos e talheres. Ao terminar a refeição, lavava sete vezes a boca. A escova de dente (um fragmento de madeira) era sempre nova. Mascava folhas de bétel (um tipo de planta indiana) para branquear os dentes. Usava o ópio espaçadamente, pois tinha que se abster do fumo e do álcool.

O fato de pertencerem à casta mais alta tornou a posição social dos brâmanes especial, mas a intromissão desses em todos os assuntos do país vem provocando sérias divergências na sociedade indiana. Já na metade do século XX, um grupo de racionalistas insurgiu-se contra o excesso de poderes de tal casta, considerando seus rituais totalmente desnecessários. O sucesso do movimento contribuiu para que algumas mudanças acabassem se processando, principalmente nos estados indianos do sul. Na Índia hinduísta, nenhuma decisão é tomada sem primeiro consultar o sacerdote (pandit), que sempre aproveita dos casamentos e negócios para tirar mais dinheiro das família.

Nota: personagem “pandit” (José Maia) da novela Caminhos das Índias.

8 comentários sobre “ÍNDIA – COMO VIVE UM BRÂMANE

  1. Pedro Rui

    Na religião hinduísta, os sacerdotes têm sempre muito poder e fazem dela um negócio; abusam das castas baixas. Eu gosto muito do budismo, pois respeita a mãe natureza.
    Abraços Lu
    Rui Sofia

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      Os sacerdotes hinduístas formam a casta privilegiada.
      Antigamente seus poderes eram brutais.
      Hoje, parece que não é mais tanto.
      Também nutro grande admiração pelo Budismo.
      É a religião que mais respeita a natureza.

      Abraços,

      Lu

      Responder
    2. VAULDIR C. ANUNCIATO

      O reflexo disso ficou no hebraismo-brâmane e no cristianismo-buda, não é preciso ser especialista nem acadêmico para ver e entrever esta manipulação ao longo dos tempos… A criatura humana sempre achando uma saída socialista para uma ditadura capitalista… E segue o enterro… rsrsrs.

      Responder
      1. LuDiasBH Autor do post

        Vauldir

        Você tem toda a razão.
        Muito obrigada por sua visita ao blog é por sua participação.
        Temos mais de 100 artigos sobre o assunto.
        Volte mais vezes.

        Grande abraço,

        Lu

        Responder
        1. Vauldir C. Anunciato

          A verdade da Índia é que esse povo foi sempre aquele que guardou o segredo milenar do ocidente… E no século 20, notemos que tanto a Índia como Israel, enfim, saíram das antigas dominações e se formataram em novos Estados. O segredo de Israel e também o segredo do Vaticano estão no contexto pleno da trindade hindu, devido o século 20 sinalizar uma forma de juízo final se viu subir em poderes enconômicos-políticos-tecnológicos povos até então adormecidos: Japão, China, Israel, Índia e Brasil, é claro. O acerto de contas local-global do novo tempo os convocou todos para a conjuntura política cultural ocidental dominante… e segue a vergonha sendo exposta…

        2. LuDiasBH Autor do post

          Vauldir

          Eu sou uma pessoa agnóstica.
          Sempre vi a religião como um instrumento de poder, onde os fracos continuavam e continuam cada vez mais fracos.
          Por muitos anos, todas elas guardaram segredos que eram do interesse popular, mas se entregues ao povo, diminuía o poder dessas.
          E quanto mais inculto fosse o povo, mais submisso seria (e é).
          O hinduísmo é uma religião que ainda me arrepia, assim como o islamismo, principalmente no trato com os dalits e com as castas.
          No fundo, religião e Estado sempre se complementaram e escravizaram o povo.

          Mais uma vez, agradeço o seu comentário e espero contar com sua presença sempre aqui no blog.

          Abraços,

          Lu

    1. LuDiasBH Autor do post

      Cabral

      Todo país possui pontos positivos e negativos.
      O mesmo acontece com a Índia e com a China.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *