CONHECENDO A SÍNDROME DO PÂNICO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Somente quem vivenciou uma crise de pânico tem real noção da força dessa turbulência que surge do nada, quando menos se espera, trazendo sensações físicas amedrontadoras, como taquicardia, falta de ar, náuseas e, para piorar, a sensação de que se está sendo vítima de um ataque cardíaco. O medo de morrer aumenta ainda mais a ansiedade, deixando a vítima desesperada e ainda mais vulnerável. O fato é que os sintomas físicos – advindos de tal transtorno – são similares aos proporcionados por doenças cardíacas, neurológicas e respiratórias, o que faz com que, antes de ser diagnosticada com SP (Síndrome do Pânico), a pessoa tenha que passar por uma bateria de exames, adiando ainda mais o necessário tratamento. Enquanto isso, ela vive momentos de intenso desespero, imaginando estar com uma doença gravíssima.

As crises de pânico são tão brabas que a vítima passa a relacioná-las com situações, lugares e pessoas, buscando levar uma vida cada vez mais reclusa, amedrontada com a possibilidade de ter uma crise na rua ou em contato com pessoas que não sejam as de sua família. O seu lar passa a ser um abrigo, onde ela imagina encontrar-se a salvo. Contudo, apesar desse pavor, não existe um perigo real. Trata-se de um dos transtornos mentais mais comuns em todo o mundo, tendo como gatilho a ansiedade e o estresse. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, as doenças psíquicas, dentre elas a Síndrome do Pânico, são hoje a quarta maior causa de licença no trabalho.

A SP (Síndrome do Pânico) atinge tanto mulheres quanto homens, sendo as primeiras em maior número (duas vezes mais). Atualmente, a agilidade de um diagnóstico correto que direciona a um tratamento específico tem sido bem mais animadora, pois há casos de pessoas que levaram muitos anos para serem diagnosticadas como portadoras de tal doença. Contudo, ainda é grande o número daquelas que escondem a sua condição de vítimas de tal transtorno ou que recusam a procura por ajuda médica, o que é uma pena, pois a Ciência caminha a passos largos na busca pela cura deste transtorno, possibilitando, através dos antidepressivos e psicoterapias, melhor qualidade de vida a seus portadores.

É bom que se saiba que uma crise de SP não apresenta todas as sensações de uma vez, tais como: aperto ou dor no peito, falta de ar, formigamentos, náuseas, ondas de calor, taquicardia, tremores, sensação de desmaio, sudorese, sensação de sufocamento, etc. Contudo, o medo de morrer ou o de enlouquecer está quase sempre presente. A agorafobia (medo doentio de encontrar-se em/ou atravessar grandes espaços abertos ou lugares públicos) ou a claustrofobia (medo patológico de permanecer em lugares fechados) são uma constante na vida de uma pessoa acometida por tal síndrome, quando não busca ajuda médica. Sua vida vai ficando cada vez mais limitada, pois ela teme se encontrar em situações das quais não possa se livrar facilmente (parques, praças, estradas, túneis, cinema, elevadores, aviões, etc.).

É fato que a vida atribulada de nossos dias em que a presença do estresse e da ansiedade – poderosos gatilhos para desencadear uma crise de pânico – é uma constante, faz com que um número cada vez maior de pessoas esteja sendo diagnosticado com SP. Contudo, essa senhora nada desejável traz em sua bagagem um bom número de séculos. Embora com outros nomes (histeria, hipocondria, delírios decorrentes de angústia e depressão ou loucura) suas pegadas já são vistas lá na Idade Média, conforme ilustra a literatura médica. Foi a partir de 1960 – ainda bem recente – que as pesquisas médicas passaram a diferir os ataques de ansiedade de outros tipos de doenças e, somente em 1980, aconteceu a classificação diagnóstica oficial de tal transtorno que – assim como as fobias – faz parte dos transtornos de ansiedade.

Nota: Relógio Derretido, obra de Salvador Dalí.

Fonte de Pesquisa
Revista Guia Minha Saúde/ Edição Especial

2 comentários sobre “CONHECENDO A SÍNDROME DO PÂNICO

  1. Geraldo da Silva

    Lu

    Passei a apreciar seu blog. É de uma grande riqueza e vou precisar de tempo para conhecê-lo em toda a sua amplitude. Obrigado por me apresentá-lo.

    Um abraço

    Geraldo Lima

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Geraldo

      Quem agradece sou eu por ter um leitor tão especial como você. O nosso blogue é mesmo muito amplo, pois conta com mais de 30 categorias diferentes. Espero que venha sempre visitar este cantinho.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *