David – MADAME RÉCAMIER

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

As mulheres têm seus caprichos e os artistas também, portanto, permitam-me satisfazer o meu, mantendo este retrato. (David)

O artista francês Jacques-Louis David tem seu nome inserido no rol dos grandes gênios da pintura  em razão de suas obras-primas, sendo o nome mais conhecido dentre os pintores franceses do período neoclássico. É também conhecido por sua complexa personalidade e por ter participado ativamente da Revolução Francesa.

A composição Madame Récamier é uma obra de David. Ele retrata uma jovem dama de 23 anos de idade, pertencente à alta sociedade francesa, cujas convicções eram napoleônicas, divergindo, portanto, de suas ideias liberais. Ele não a exibe em meio à riqueza, mas ao contrário. Ela se encontra reclinada num divã, num ambiente austero, não tenda nada além do móvel com um banquinho e um delicado tripé, ao lado, que distraia a atenção do observador, em relação à retratada, como se ela fora uma heroína da República francesa.

A jovem mulher tem o corpo de perfil, mas com o gracioso rosto voltado para o observador. Traz o braço direito descansando ao longo do corpo e o esquerdo apoiado sobre duas almofadas cilíndricas, colocadas uma sobre a outra. Seu vestido branco e singelo, com pequenas mangas transparentes, despenca-se pelo divã e atinge o tapete, deixando seus pés nus à vista. Seu cabelo curto e cacheado está envolto por uma fita azul, que lhe cobre metade da testa. O divã de madeira tem os pés torneados. Nenhuma joia adorna o corpo esguio e delicado da jovem mulher, cujo nome era Juliette Récamier, que além de rica era bela, tímida, modesta e grande amante da literatura.

Esta pintura, em que os tons quentes do mobiliário equilibram-se com o branco do vestido, ficou inacabada no estúdio do artista, que demorava a terminá-la. Os acessórios, paredes e piso estavam apenas esboçados com pinceladas vibrantes. Aborrecida com a demora, Juliette acabou por encomendar outra pintura a um aluno do pintor. Isso o deixou aborrecido, levando-o a proferir a frase acima (em negrito). A obra permaneceu no seu ateliê, só se tornando conhecida ao fazer parte do acervo do Louvre. Alguns dizem, porém, que era assim que David gostava de deixar suas pinturas. Quer tenha acontecido um fato ou outro, não é possível ignorar a beleza desta obra, que ainda por cima apresenta um aspecto inovador, por se tratar de um retrato com formato horizontal, além de mostrar-se misteriosa e inspiradora.

Obs.: Em homenagem à retratada, o canapé clássico (divã), com encosto ou sem encosto e com os braços espiralados, passou a ser chamado de “récamier”.

Ficha técnica
Ano: c. 1800
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 173 x 243 cm
Localização: Museu do Louvre, Paris, França

Fontes de pesquisa
Enciclopédia dos Museus/ Mirador
1000 obras-primas da pintura europeia/ Könemann
http://www.louvre.fr/en/oeuvre-notices/madame-recamier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *