LAOCOONTE E SEUS FILHOS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Laoc
A estátua de mármore conhecida como Laocoonte ou Laocoonte e Seus Filhos Atacados por Serpentes ou ainda O Grupo de Laocoonte, feita em mármore, foi encontrada durante uma escavação casual em Roma, em 1506, permanecendo em exposição no Vaticano. É considerada como uma das mais belas obras da escultura helenística, sendo vista como “o ícone prototípico da agonia humana” na arte ocidental, uma vez que, ao contrário dos martírios apresentados na arte cristã, esse não possui redenção ou qualquer outra forma de recompensa.

A dor lancinante dos três personagens, postados no degrau de um altar, é representada através da expressão dos rostos e da tensão física dos corpos, na tentativa de libertarem-se da constrição das duas serpentes, o que deixa em realce a musculatura, sobretudo a do pai e a do filho mais velho. A estátua, embora seja tida em excelente condição, por se tratar de uma obra escavada, tem várias partes incompletas, e ainda sugere, após análises, que tenha sido remodelada em tempos antigos. Desde a sua descoberta, ela já passou por várias restaurações.

Ao ser encontrada, a escultura estava sem o braço direito de Laocoonte, sem parte da mão de um dos garotos e o braço direito do outro, assim como várias partes das duas serpentes. O garoto mais velho, à direita, também havia sido desunido das outras duas figuras. Para resolver o problema das partes ausentes da escultura, vários escultores, artistas da época em que ela foi encontrada, discutiram como essas deveriam ter sido. Michelangelo, depois de profundo estudo, concluiu que os braços direitos deveriam ter sido dobrados para trás, sobre o ombro, enquanto outros artistas sugeriram que deveriam ter sido estendidos para frente, como num gesto heroico. Contudo, na década de 1980, chegou-se à conclusão de que a estátua deveria ser apresentada como fora encontrada, tendo, portanto, as partes restauradas de braços e mãos sido retiradas.

Ao observarmos a estátua de Laocoonte e Seus Filhos podemos notar que os dois garotos foram feitos numa escala bem pequena, se comparada à do pai, possivelmente com o intuito de destacar mais Laocoonte, figura central da obra, dando-lhe um impacto maior. Ao serem envolvidos pelas duas serpentes, que une os três personagens, esses mostram o semblante carregado de dor, medo e agonia. O garoto da esquerda já se encontra em agonia, picado por uma das serpentes, enquanto o da direita tenta desenrodilhar a serpente de sua perna esquerda, e olha para o pai como se implorasse ajuda e, ao mesmo tempo, sentisse que ele não poderia socorrê-lo. O tronco musculoso e avolumado de Laocoonte deixa visível a sua árdua luta para afastar a cabeça da serpente, já com a boca aberta, de seu quadril esquerdo.

Chama a atenção no conjunto da obra, esculpida num único bloco, a beleza das dobras das duas serpentes, enrodilhadas nos três personagens. Segundo relata o historiador Plínio, o Velho, em sua “História Natural” e, que preferia esta escultura a qualquer outra ou até mesmo pintura, este trabalho foi feito por três grandes artistas da época: Agesandro, Polidoro e Athenodoros, todos nascidos em Rodes, sendo que a estátua encontrava-se no palácio do imperador Tito. Presume que ela é parte de uma iconografia maior.

Segundo o mito, que se relaciona com a Guerra de Troia, o sacerdote troiano Laocoonte, que era filho de Príamo e sacerdote de Apolo, casou-se contra a vontade do deus e teve dois filhos denominados Antífenes e Timbreu. Apolo ficou mais irritado ainda quando Laocoonte arremessou sua lança contra o Cavalo de Troia. E, por isso, vingou-se enviando duas serpentes marinhas para matar os filhos de seu sacerdote, mas esse, ao tentar salvá-los, acabou sendo picado e morto. Existem outras versões para esta lenda.

Curiosidades

• Presume-se que o grupo Laocoonte tenha sido encomendado pelo imperador Tito, na primeira metade do primeiro século d.C., tendo sido executada pelos escultores de Rodes, após um original de bronze feito no século 2 a.C.

• O braço direito de Laocoonte foi descoberto por Ludwig Pollak, em 1905. Ele consegui provar que esse pertencia à figura. O braço encontrado foi adicionado à estátua durante sua última restauração, em 1957-1960.

Ficha técnica
Ano: Séculos II e I a.C.
Altura: 242 cm (da restauração Montorsoli)

Fontes de pesquisa
Para entender a arte/ Maria Carla Prette
http://ancientrome.ru/art/artworken/img.htm?id=1372
https://en.wikipedia.org/wiki/Laocoön_and_His_Sons

6 comentários sobre “LAOCOONTE E SEUS FILHOS

  1. Gilberto Euler

    Lu
    As tantas versões sobre a origem e o significado dessa escultura, longe de torná-la menos interessante, só serviram para aumentar o interesse de todos sobre ela. Que bom seria se nossos estudantes pudessem estudar História de uma forma diferente, partindo da cultura de um povo para só então despertar o interesse pelo resto. Nesse sentindo, penso que o ensino de Artes no Ensino Médio é essencial e não deveria ser dado de forma isolada das outras matérias.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Gilberto Euler

      Este seria realmente um interessante método, pois o estudo da cultura de um povo desperta o interesse do aluno, levando-o a buscar conhecer suas particularidades. Infelizmente, o estudo da História, em nosso país, limitou-se apenas à enumeração de fatos e datas, sem a busca pelas consequências, levando o estudande a desenvolver o pensamento lógico. Causou-me estranheza o fato de o governo atual retirar matérias importantíssimas da grade curricular, matérias essas responsáveis por desenvolver o pensamento. E não demorará muito para que o estudo de História seja também abolido. Quanto ao ensino de Artes no Ensino Médio, penso eu que deveria ser o da “História da Arte”. O professor deveria ter formação no campo das Artes, de modo a não ficar enchendo linguiça. É lamentável o pouco conhecimento de nossoas alunos numa área tão importante. A matéria deveria ser dada separadamente, pois, quando é inserida em todas as matérias, o conteúdo dilui e perde a sua especificidade, além do que muitos professores não dominam a área, que demanda muito estudo e pesquisa.

      Amiguiho, foi um prazer contar com sua presença e comentário. Venha sempre visitar este cantinho.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Rui

    Lu
    Realmente olhando para a obra, eu nunca diria que foi feita de uma única pedra, dá para perceber que eles estão com medo do veneno da cobra, na aflição de serem picados, e nada podem fazer.

    Obrigada Lu, pelo seu dinheiro vivo, o seu tempo que dedica a todos nós, doando-nos sua sabedoria na arte.

    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      É um grande prazer dividir aquilo que aprendo com vocês, meus leitores queridos. Quando temos uma coisa boa e colocamo-na no escuro, nenhum bem faz a nós e aos outros. Nada é mais maravilhoso do que compartilhar, o que nos torna mais ricos em sabedoria, pois quem oferta, muito mais recebe em troca.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Rui

        Querida Lu

        É verdade, o partilhar é maravilhoso, quando isso é feito com pessoas com sabedoria e de grande coração, é belo. Uma parte de mim se realiza a admirar a arte, pois isso tudo aprendi com você, querida Lu.

        Abraços carinhosos

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Rui

          Você é uma pessoa sensível e é também um artista. Fico feliz ao tê-lo sempre presente no meu blog.

          Abraços,

          Lu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *