ORA-PRO-NÓBIS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Luiz Cruz

O ora-pro-nóbis é uma espécie da família das cactáceas – Pereskia aculeata. É uma trepadeira de fácil cultivo, onde se planta dá. Basta fincar um ramo em qualquer solo, em área ensolarada ou sombreada. Com cerca de três meses já pode ser colhida. É bastante resistente. Chega até cinco metros de altura, podendo ser cultivada em quintais, para ornamentação de jardins e também como cerca viva. Como produz espinhos pontiagudos, torna-se uma cerca bastante eficiente. Segundo a tradição, seu nome originou-se quando um padre, ao terminar a celebração da missa, logo que dizia “ora-pro-nóbis” – “rogai por nós”, as pessoas começavam a colher a planta no adro da igreja, para fazer o almoço em seguida. Há variações do nome popular, como lobrobô, lobrobó ou orabrobó.

O ora-pro-nóbis produz profusão de flores no período de janeiro a abril, quando fica extremamente belo. A flor é diária, ou seja, dura apenas um dia, mas no seguinte a planta amanhece toda florida. Ela é branca, tem um perfume delicado e ligeiramente adocicado, por isso atrai enorme quantidade de abelhas, sendo importante para a produção de mel. Os frutos arredondados, amarelados e espinhentos, ocorrem entre os meses de junho e julho. Essa planta foi muito utilizada para a alimentação dos escravos, por ser muito rica em proteína, enfatizando esse aspecto, tem sido chamada também de “carne dos pobres”. A proteína está presente no oro-pro-nóbis com mais de 25% de sua composição, apresentando ainda elevados teores de vitaminas A, B e C. É quatro vezes mais potente que a laranja em vitamina C, além do cálcio e do fósforo. Os benefícios dessa hortaliça são amplos:

– por ser rica em fibras, ajuda no processo digestivo e intestinal, promovendo saciedade, facilitando o fluxo alimentar nas paredes intestinais, além de ajudar a recompor a flora intestinal;

– seu chá, a partir de folhas, tem excelente função depurativa, sendo indicado para processos inflamatórios, como cistite e úlceras; também para a prevenção de varizes;

– muito eficiente para combater a anemia por ter alta concentração de vitamina C, fortalece o sistema imunológico, contribuindo para evitar doenças oportunistas;

– ótima para a pele, devido à presença de vitamina A. Mantém ossos e dentes fortalecidos, devido ao cálcio;

– as gestantes deveriam consumir a planta nesse período, pois ela é rica em ácido fólico, evitando problemas para a saúde do bebê.

O ora-pro-nóbis é muito empregado na tradicional culinária mineira, desde Diamantina, Mariana, Ouro Preto, São João del-Rei, Serro, Tiradentes a muitas outras localidades. Um dos festivais mais tradicionais de Minas Gerais é dedicado ao ora-pro-nóbis e ocorre em Sabará. Utilizam-se as folhas mais tenras e com elas são preparados alguns dos pratos mineiros mais saborosos, como o frango com ora-pro-nóbis. A hortaliça vai muito bem com outras carnes, como a de porco – especialmente a costelinha ou lombo em cubos. Pode ser feita também com linguiça de frango ou suína, resultando em pratos deliciosos. O toicinho de barriga bem apertado, também vai bem com ela. Os acompanhamentos são simples: arroz branco e angu.

Para fazer o ora-pro-nóbis deve-se colher os brotos mais novos. Interessante é que, quanto mais se colhe, mais a planta se renova. Na colheita devem-se usar luvas para se proteger dos espinhos. Lavar bem as folhas. Picar. Refogar a carne, temperada ao gosto, com uma pitada de açafrão e outra de coloral. Quando estiver pronta, adicionar as folhas, acrescentando água moderadamente, até produzir o caldo. Servir em seguida. Para quem gosta de pimenta, essa não pode faltar. A cactácea também tem sido utilizada na culinária contemporânea para a produção de sucos, tortas, omeletes, bolos, panquecas, crepes, bolinhos, pastéis, pizzas, pães e farinha. Para se produzir a farinha deve desidratar as folhas, deixá-las bem secas e triturar, podendo ser utilizadas em diversas receitas para o enriquecimento nutricional.

Estudos realizados pela UFLA (Universidade Federal de Lavras) constataram que os princípios da Pereskia aculeata podem ajudar na prevenção de doenças como varizes, câncer de cólon (um dos mais incidentes no mundo), hemorroidas, tumores intestinais e diabetes, além de diminuir o nível de colesterol ruim, tratar furúnculos e sífilis. E quem não conhece o ora-pro-nóbis, ao passar pela estrada que liga Santa Cruz de Minas a Tiradentes, na Rota da Estrada Real, bem próximo ao Portal de Santa Cruz, há uma planta grande que pode ser apreciada.

Nota: fotografias do autor.

6 comentários sobre “ORA-PRO-NÓBIS

  1. Ulisses Passarelli

    Luiz
    Já gostava de ora-pro-nobis; com a leitura deste texto vou doravante saboreá-la ainda com mais prazer, sabedor que sou agora de seu poder nutritivo e valor medicinal. Parabéns, por mais este excelente artigo.

    Abraço fraterno!

    Responder
    1. Luiz Cruz

      Caro Passarelli,
      A planta realmente é muito saborosa, rica em nutrientes e de grande beleza.
      Muito obrigado por sua presença aqui.

      Um abraço,

      Luiz Cruz

      Responder
  2. M. Coleta Oliveira

    Luiz
    Gostei muito do texto! As sugestões gastronômicas são também muito boas e coincidem com meu gosto ancestral! De fato, a planta é espinhenta e cresce pra valer! Há que podá-la sempre, pois vira um arbusto tão alto que parece uma árvore! Curioso, apesar de ter um pé em casa, nunca vi as flores! Lindas, por sinal! Acho que não coincidem com minhas idas à cidade.

    Responder
    1. Luiz Cruz

      Olá, Coleta!
      Estou aqui imaginando um ora-pro-nóbis feito no seu fogão à lenha vermelho e maravilhoso. É uma hortaliça muito saborosa. Quando você fala em “ancestral”, eu me lembrei dos meus tempos de Ouro Preto, das ruínas do Morro da Queimada que eram cobertas por ora-pro-nóbis. Quando florida ficava um show. Sempre tive vontade de escrever sobre a planta e finalmente aconteceu. Os espinhos dela são enormes e os ferimentos causados por eles bastante dolorosos. Alguns de Tiradentes estão floridos, provavelmente o seu está cheio de flores no momento.

      Um grande abraço para você.

      Luiz Cruz

      Responder
  3. Luiz Cruz

    Paulo Afonso,
    Primeiramente, é um prazer tê-lo aqui no blog.

    A planta é expansiva e requer controle. Ela precisa ser colhida e tem renova muito rápido. Sem controle, pode tornar-se problema e eliminá-la é complicado, devido aos espinhos. Ela quando muito grande tem aspectos positivos, pela quantidade de flores – torna-se um espetáculo e é muito importante para a produção de mel. Além de fornecer folhas para muitos pratos. O ideal é manter o controle com podas.

    Um abraço forte e amigo,

    Luiz Cruz

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *