A PERVERSA MATÉRIA PRIMA ANIMAL

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Marguerite Yourcenar

A horrível matéria­ prima animal é um produto novo, como a floresta aniquilada que fornece a pasta necessária aos nossos jornais diários e hebdomadários, repletos de anúncios e de falsas notícias; como os oceanos em que os peixes são sacrificados aos petroleiros.

Durante milênios, o homem tem considerado o animal como propriedade sua, só que subsistia um estreito contato entre ambos. O cavaleiro amava, embora dela abusando, a sua mon­taria; o caçador de antigamente conhecia as condições de vida de sua caça, e “amava” à sua maneira os animais que se sen­tia glorioso em abater. Uma espécie de familiaridade se entre­meava com o horror: a vaca enviada ao matadouro depois de totalmente exaurida de seu leite, o porquinho que era sangra­do no Natal (a mulher do camponês da Idade Média sentava-se tradicionalmente sobre as patas do animal para impedi-lo de espernear), eram a princípio “os pobres animais” para os quais se ia cortar capim ou se preparava uma ração de restos.

Para muitas mulheres do campo, a vaca contra a qual se apoiavam para ordenhar era uma espécie de amiga muda. Os coelhos nas gaiolas não estavam mais que a dois passos do guarda-comida onde iriam acabar, “picadinhos como carne de pastel”, mas enquanto isso não ocorria, eram animais que gostávamos de ver remexendo as narinas róseas quando através das grades lhes estendíamos uma folha de alface.

Modificamos tudo isto: as crianças das cidades jamais vi­ram uma vaca ou uma ovelha; e não podemos amar estes seres dos quais nunca tivemos ocasião de nos aproximar ou a que jamais acariciamos. O cavalo, para um parisiense, não passa desse animal mitológico, dopado e arrastado além de suas for­ças, que nos faz ganhar algum dinheiro quando acertamos no páreo de um “grande prêmio”.

Exposta em fatias cuidadosa­mente envoltas em papel celofane num supermercado, ou con­servada em latas, a carne deixa de ser sentida como tendo sido a de um animal vivo. Ousamos mesmo dizer que nossos açou­gues, onde pendem de ganchos quartos de animais que mal se acabaram de abater, de aspecto tão atroz para quem não está acostumado a isto a ponto de certos amigos meus, estrangeiros, mudarem de calçada, em Paris, quando os percebem de longe, talvez até sejam um bem, na medida em que testemunham a violência que o homem inflige aos animais.

 Da mesma forma, os casacos de pele apresentados com cuidados especiais nas vitrines das grandes peleterias parecem estar a mil léguas da foca trucidada na banquisa, a golpes de matraca, ou da nútria que apanhada na armadilha rói a pata tentando recuperar a liberdade.

A bela mulher que se maquia não sabe que seus cosméticos foram testados em coelhos ou cobaias que morreram sacrificados ou cegos. A inconsciência, e consequentemente a boa consciência, do comprador ou da com­pradora é total, como é total, por ignorância do que se fala e por falta de imaginação, a inocência dos que se dão ao traba­lho de justificar os gulags* de toda espécie, ou daqueles que preconizam o emprego da arma atômica. Uma civilização que cada vez mais se distancia do real tende a fazer cada vez mais vítimas, inclusive a si própria.

*campos de trabalhos forçados.

Nota: texto extraído do livro “O Tempo, Esse Grande Escultor”/ Edit. Nova Fronteira

Imagem copiada de https://www.festaeoferta.com.br

2 pensou em “A PERVERSA MATÉRIA PRIMA ANIMAL

  1. Hernando Martins

    Lu

    Vivemos num grande ecossistema que é o planeta Terra, onde os reinos animais e vegetais convivem numa fantástica simbiose. O homem é o único ser no planeta que é capaz de alterar toda a diversidade, destruindo seu habitat como se não fizesse parte desta teia da vida.

    Os animais sempre estiveram ao lado da humanidade durante toda sua ascensão. Até hoje são a base da economia, da ciência e da vida. Às vezes achamos cruel um animal sacrificar o outro para sobrevivência da espécie, mas não há maldade nisso, é a forma que a natureza utiliza para manter o equilíbrio através da seleção natural. Embora utópico, seria fantástico se desenvolvessem uma pílula dourada que substituísse por completo a proteína animal, seria um grande salto para a preservação desses seres maravilhosos, dotados de uma percepção muito aguçada nas relações com os humanos. Através da sua morte são capazes de proporcionar a vida de milhões de pessoas, o que é uma grande prova de amor, mesmo sofrendo muita crueldade.

    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Os animais sempre sofreram com a crueldade humana, a exemplo das “prazerosas” caçadas e de sua exposição nos circos, mesmo sendo companheiros do homem em sua passagem por este nosso planeta. Não concebo a ideia de que um bicho tenha que sofrer ou morrer para me proporcionar prazer. Isso é hediondo. Veja o que fazem com as baleias nos países nórdicos, com os golfinhos no Japão, com os cães na China e com os elefantes na África, apenas para citar alguns exemplos. E ainda nos consideramos donos de “humanidade”. Que perversa ironia!

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *