Cézanne – O NEGRO CIPIÃO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

cipiao

Eu sou o primitivo de uma nova arte. (Cézanne)

Esta pintura exagera o comprimento das costas do negro, demonstrando grande semelhança com a fotografia. A textura da tela, com um vermelho que sugere sangue, também parece evocar os ferimentos de Gordon, enquanto o branco pode ser lido como um monte de algodão, o que dá a dimensão dessa imagem, que deve ser entendida no contexto do debate abolicionista. ((Nicholas Mirsoeff, da Universidade de Nova York)

A composição O Negro Cipião, pintada por Cézanne, teve como modelo um negro que trabalhava na Academia Suíça de Paris que costumava servir de modelo para vários pintores, onde Cèzanne frequentava. O retrato foi feito no próprio atelier do artista e pertence à sua fase de transição, época em que ele ainda se encontrava em busca dos efeitos de claro-escuro e os contrastes luminosos, bem antes de brigar com o Impressionismo.

Na obra, um homem negro recostado, ao que parece ser um monte de algodão, parece descansar. Seu braço direito desce curvado sobre seu corpo, até tocar o assento do banco, que aparenta apertar com força, enquanto o esquerdo, apoiado no monte branco, serve de apoio para sua cabeça. Suas costas estão curvadas. Cipião traz o dorso nu e veste calças azuis. Juntamente com o monte branco, seu corpo forma um grande volume, num fundo opaco que salienta ainda mais a junção dos dois elementos.

Esta obra de Cézanne passou a fazer parte do Masp (São Paulo), em 1950. Depois de anos de estudos, ganhou um novo olhar, sendo Cipião visto não como um negro qualquer, mas como uma alusão clara à foto de um negro flagelado nos Estados Unidos, que foi publicada pela revista “Harper`s Weekly”, três anos antes de Cézanne ter pintado sua tela. Supõem os pesquisadores que, como se tratava da Guerra Civil Americana, a imagem em questão correu mundo, passando por Paris, onde era acalorado o debate dos abolicionistas, tendo Cézanne tomado conhecimento da mesma.

Esta obra de Cézanne é de uma grande sensibilidade. Vendo os detalhes da imagem, a posição de exaustão desse homem, tiramos muitas conclusões sobre a exploração do homem branco em relação ao trabalho escravo. Eu não me canso de analisar esta tela e cada vez mais percebo detalhes que passaram imperceptíveis. Esse grande gênio da pintura – aliás, todos os grandes gênios fazem isso – deixa-nos livres para viajar no tempo, refletir os momentos, tirar as nossas conclusões de que é necessário expandir o nosso pensamento para esferas inatingíveis. (Daisa Tavares Carrijo)

A fotografia de McPherson e Oliver era chamada de “Costas Açoitadas”, sendo Gordon o nome do negro açoitado.

 

Ficha técnica
Ano: c. 1867
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 107 x 83 cm
Localização: Museu de Arte de São Paulo, São Paulo, Brasil

Fontes de pesquisa
Cézanne/ Coleção Folha
Cézanne/ Coleção Girassol
Enciclopédia dos Museus/ Mirador
http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/07

6 comentários em “Cézanne – O NEGRO CIPIÃO

  1. Marco Antonio

    Lu

    Eu não sei precisar ao certo a data da obra, mas sei que é mesmo muito antiga. Ela se encontra na casa dos meus pais. Tenho algumas fotos, não sei se e possível enviar por aqui, mas posso tentar. Se não for possível, diga-me o seu email e eu envio as fotos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marco Antônio

      Caso você more numa cidade grande, poderá levar o quadro a uma galeria ou museu para avaliação. Em faculdades de arte eles também fazem isso. Quanto ao meu e-mail, ele se encontra na primeira página do blogue, à direita.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Marco Antonio Correia

    Lu

    Gostaria de saber quantas cópias existem da obra “o negro cipião” Eu tenho uma com muitíssimos anos, posso comprovar com fotos. Alguém que tenha conhecimento e me possa ajudar nesta pesquisa, avise-me.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marco Antônio

      Eu tenho informações sobre o número de cópias da obra em questão. Qual é a data da sua? Caso alguém aqui saiba, com certeza irá lhe repassar tal informação. Agradeço a sua visita e fica o convite para que volte sempre.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Daisa Tavares Carrijo

    Lu
    Esta obra de Cézanne, “O negro Cipião”, é de uma grande sensibilidade. Vendo os detalhes da imagem, a posição de exaustão desse homem, tiramos muitas conclusões sobre a exploração do homem branco em relação ao trabalho escravo. Eu não me canso de analisar essa tela e cada vez mais percebo detalhes que passaram imperceptíveis. Esse grande gênio da pintura, aliás, os grandes gênios, deixam-nos livres para viajar no tempo, refletir os momentos, tirar as nossas conclusões de que é necessário expandir o nosso pensamento para esferas inatingíveis.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Daisa

      Gostei tanto de seu comentário que o agreguei ao texto. Gostaria de tê-la mais vezes neste espaço, sobretudo apreciando as obras de arte. Agradeço a sua presença e comentário. Aguardo-a!

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *