COMO SURGIU O BACURAU

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Recontada por Lu Dias Carvalho

memo12345678

Ainda quando havia poucas gentes no mundo, numa aldeia no coração da Amazônia, havia uma tribo que tinha uma índia tão formosa quanto a Lua. Enarê era a única filha do cacique, pois os outros filhos eram cinco valentes guerreiros. Não havia quem não olhasse para aquela jovem e não ficasse boquiaberto com o seu encanto. Muitos jovens cobiçaram-na, mas ela escolheu Moacir como marido, o mais forte guerreiro da tribo.

Toda noite, Enarê e seu esposo deitavam-se tão juntinhos, que nenhuma formiga passava entre os dois. Eles se mavam intensamente. Só que Enarê sofrera um encantamento por parte de um espírito do mal, zangado com sua formosura, e nada contara a seu companheiro. Assim, toda noite, sua cabeça desprendia-se do corpo, que ficava agarradinho no marido, e saía floresta afora, entrando em todas as ocas, em busca de alimento. Era uma fome irrefreável. Mas antes do dia clarear, a cabeça voltava bem de mansinho, sem fazer ruído algum, para seu corpo. Marido e mulher acordavam como se nada tivesse acontecido.

Moacir, contudo, não sabia o porquê de seu peito amanhecer sempre manchado de sangue, se nele não havia ferimento algum. Ia até o rio, acompanhado de Enarê, onde os dois tomavam um demorado banho, acompanhado de muitas brincadeiras. Assim, ele logo se esquecia do sangue. Porém, seus amigos também passaram a notar aquela mancha sanguinolenta, que desaparecia após o casal banhar-se. Curiosos, resolveram ficar à espreita, observando o que ocorria na cabana do casal. E, como quem procura acaba achando,  descoriram o encantamento de Enarê. Contaram ao marido tudo o que acontecia durante a noite, alertando-o para o fato de que o sangue era respingos da cabeça de sua mulher, ao se unir ao corpo.

Enarê trabalhou o dia todo, sem ter conhecimento do triste destino que a aguardava. Fez beiju, trançou esteiras e cantou lindas canções de sua infância. À noite, deitou-se mais cedo, pois estava muito cansada, enquanto seu marido e companheiros preparavam seu fim. Quando ele se deitou, ela se aconchegou a seu guerreiro, descansando a cabeça no seu peito. Na hora habitual deu-se a separação entre o corpo e a cabeça de Enarê. Lá fora, uma grande fogueira crepitava. E nela foi jogado o corpo da jovem índia. Embora distante, a cabeça sentiu as queimaduras e gritou alucinadamente de dor. Voltou rápida como o vento, e uniu-se ao corpo, dentro daquele fogaréu.

Enarê saiu toda chamuscada da fogueira, quebrando o encantamento. Porém, toda a sua beleza queimou-se junto. Encontrava-se tão feia, mas tão feia como o espírito do mal. Aflita, correu para o igarapé mais próximo, onde se livrou das cinzas, e acalmou a pele ressecada pelo calor. E chorou… Chorou muito! Compadecido, o espírito da noite transformou-a num pássaro de nome bacurau, de plumagem acinzentada e hábitos noturnos, também conhecido como acurau, curiango, amanhã-eu-vou, ibijaú, noitibó e muitos outros nomes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.