DESCOBERTAS DO RENASCIMENTO (Aula nº 39)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH                  

   

                                                         (Clique nas gravuras para ampliá-las)

Vimos em aulas anteriores que a ideia de fazer ressurgir a arte dos famosos mestres gregos e romanos era cada vez mais popular na Itália. O povo italiano ainda carregava na memória a lembrança de uma Roma grandiosa de tempos idos, quando se tornara o centro do mundo civilizado. A ideia de um “renascimento” estava, portanto, ligada à concepção da Roma exuberante de outrora. Esse sentimento era ainda mais forte em Florença, berço do poeta Dante Alighieri e do pintor Giotto di Bondone. E foi exatamente nessa cidade que nas primeiras décadas do século XV um grupo de jovens artistas resolveu levar avante suas novas concepções, colocando-as a serviço de uma nova arte.

Filippo Brunelleschi (1377-1446) — arquiteto encarregado do término da catedral gótica de Florença* (ver figura acima) — foi o líder do grupo. Ele havia dominado todas as invenções técnicas relativas a esse estilo. Viajou para Roma a fim de estudar as ruínas de templos e palácios, fazendo esboços de suas formas e adornos. Seu desejo era criar um novo processo de construção, usando as formas da arquitetura clássica livremente, para dar vida a novos modos de harmonia e beleza. O que fez com sucesso, tanto é que durante 500 anos seus métodos foram usados por arquitetos da Europa e da América.

Assim como Brunelleschi havia se insurgido contra a tradição gótica, os arquitetos, no século XX, passaram a questionar os métodos usados por ele, voltando-se contra a tradição renascentista na construção. Além de ter sido o pioneiro da arquitetura renascentista, Brunelleschi também foi responsável por uma descoberta prodigiosa no campo artístico que viria a dominar toda a arte de séculos consecutivos — a da perspectiva.

Até então os artistas desconheciam as leis matemáticas que mostram que os objetos parecem diminuir de tamanho à medida que se afastam de nós (perspectiva). Sem essa descoberta de Brunelleschi nenhum artista clássico seria capaz de desenhar uma avenida de árvores que nos levam até o fundo do quadro, até sumir no horizonte, como mostra a terceira ilustração à direita (obra contemporânea do pintor russo Leonid Afremov). Foi, portanto, esse arquiteto italiano quem deu aos artistas os meios técnicos para resolver esse problema.

O pintor italiano Masaccio (1401-1428) criou uma das primeiras pinturas seguindo tais regras matemáticas. Sua obra é intitulada “A Santíssima Trindade com a Virgem, São João e Doadores”. Esse gênio, para tristeza do mundo artístico, morreu com 28 anos incompletos, mas, ainda assim, foi responsável por revolucionar a arte da pintura. Ainda iremos estudar com detalhes essa obra sincera e comovente.

No campo da escultura, o mestre florentino Donatello (c.1386-1466) foi o mais importante escultor do grupo de Brunelleschi. Um de seus primeiros trabalhos foi a obra intitulada “São Jorge” (a ser estudada). Ele se tornou muito famoso, sendo seu trabalho disputado pelas cidades italianas, assim como acontecera com Giotto um século antes dele. Ao fazer uso da arte da perspectiva descoberta por Brunelleschi, o escultor ampliou ainda mais a ilusão de realidade em suas belíssimas obras.

Donatello e seu amigo Brunelleschi fizeram um estudo sistemático daquilo que restara dos trabalhos greco-romanos com o objetivo de fazer renascer a arte. Isso não significa, porém — como pensam alguns —, que somente o estudo das artes grega e romana seja o responsável pelo Renascimento (ou Renascença). O grande anseio desses artistas em renovar a arte levou-os a buscar contato com a natureza, com a ciência e com os remanescentes da Antiguidade, tendo por objetivo a realização daquilo que tanto almejavam — um novo estilo de arte.

É fato que o domínio da ciência e o conhecimento da arte clássica ficaram durante certo tempo sob o domínio dos artistas italianos do Renascimento, contudo, acabou também por inspirar os artistas dessa mesma geração no norte Europeu. Eles também buscavam uma arte mais fiel à natureza, distante das sutilezas e refinamentos do estilo gótico Internacional, como prova o escultor transalpino Claus Sluter em sua obra “Os Profetas Daniel e Isaías” (ilustração acima) em que o homem de turbante é Daniel e o calvo é Isaías. Ambos parecem reais em sua postura e dignidade.

*O projeto de Filippo Brunelleschi foi em 1419 o vencedor do concurso de arquitetura para a construção da cúpula da catedral gótica de Florença/Itália, denominada Catedral de Santa Maria del Fiore. Mais de 500 anos depois de sua construção, o domo projetado pelo arquiteto italiano continua sendo a maior cúpula de alvenaria já construída.

Exercício:
1. O que levou ao Renascimento na Itália?
2. O que você aprendeu sobre Filippo Brunelleschi?
3. Cite o nome de três personagens fundamentais para o Renascimento italiano.

Ilustração: 1. Catedral de Santa Maria del Fiore/ 2. Escultura Os Profetas Daniel e Isaías, 1396 – 1404, obra de Claus Sluter/ 3. Pintura de Leonid Afremov.

Fonte de pesquisa
A História da Arte / Prof. E. H. Gombrich

7 comentários em “DESCOBERTAS DO RENASCIMENTO (Aula nº 39)

  1. Antônio Messias Costa

    Lu
    Cada vez mais fica claro que cultura, arte e ciência caminham mais juntas do que se pode imaginar, muito embora seja a arte a manifestação inequívoca da essência de todas elas, dando a cada um a liberdade de desfrutar e analisar o caminho que lhe aprouver. Arte de fato é a libertação do pensar em si e no mundo em que vivemos!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Antônio

      A arte é uma consequência de um determinado período. Não há como separá-la de seu tempo. Essa liberdade de que fala é limitada na arte, uma vez que ela é uma reação ou uma adesão aos acontecimentos de certo período da história. Ela busca novos caminhos quando não mais se satisfaz com as criações de seu tempo, contrapondo-se a elas. Na Idade Média, por exemplo, só tivemos dois estilos determinantes: o Românico e Gótico, durante séculos.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Marinalva Autor do post

    Lu
    Aprendemos que o Renascimento foi um movimento artístico, cultural e científico que aconteceu no século XV e se expandiu pela Europa, trazendo inovações nas mais diferentes áreas. Renasceu a cultura urbana, ligada às cidades, com amplo comércio, vida intelectual e artística, como acontecia nas cidades-estados da Antiguidade Clássica. Artistas e pensadores renascentistas expressavam em suas obras a nova visão de mundo trazida pelo humanismo. A utilização da perspectiva, descoberta feita por Filippo Brunelleschi, foi muito importante para as artes.

    Responder
  3. Adevaldo R. Souza

    Lu

    Bacana essa aula sobre como iniciou o Renascimento, época das várias transformações no campo das artes, da política, das técnicas e do próprio conhecimento que o ser humano tinha do Universo e de si mesmo. Tenho uma dúvida: a descoberta de Giotto di Bondone de dar vida à ilusão de profundidade numa superfície plana influenciou Filippo Brunellesch a descobrir a perspectiva?

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      Com certeza, pois Giotto foi prodigioso ao postar seus personagens numa composição, de modo a trazer a sensação de que observador visualizava o acontecimento a que se referia a cena. Seu trabalho tornou-se conhecido em toda a Itália e sendo ambos da mesma cidade italiana, não resta dúvida de que Brunellesch estudou a fundo a sua técnica, pois as descobertas da arte não se davam de uma vez. Uma coisa agregava outra e assim novos caminhos iam sendo descobertos. Muito bem colocada a sua indagação.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  4. Hernando Martins

    Lu

    A referência da cultura greco-romana foi crucial para o surgimento do Renascimento em virtude da riqueza dessas duas culturas para o desenvolvimento de vários aspectos da história da humanidade. Assim como o dia amanhece iluminado pelo sol e a noite torna tudo escuro, a história também apresenta essa dualidade, pois ela é cíclica, tem períodos iluminados e também períodos de trevas e caos.

    A Idade Média foi um período de muitos conflitos, pois havia um grande negacionismo em relação à ciência e à liberdade de expressão. O Renascimento veio para mudar essa visão de mundo limitada e retrógrada, oferecendo abertura para as novas ideias. Também houve o surgimento de técnicas artísticas, como a perspectiva, que deram beleza e harmonia imensurável à arte.

    A nova forma de pensar a arte foi capaz de se materializar em obras extraordinárias, com a ilusão de profundidade e luminosidade imprescindíveis para criar uma nova arte com mais perfeição de detalhes. As obras eram baseadas na natureza, certamente a musa inspiradora. Foi utilizada a matemática para alcançar resultados precisos e belos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Uma prova de que a história da humanidade é cíclica está no retrocesso que a arte teve na Idade Média, quando comparada ao período greco-romano. É também outra prova de que a religião deve limitar-se apenas à salvação de almas, sem interferir no trabalho dos artistas e governantes. Cada qual no seu quadrado. O Renascimento, aliado ao humanismo, foi responsável por dar uma guinada em todos os campos da atividade humana à época. Nas próximas aulas estudaremos o trabalho desses brilhantes gênios do Renascimento.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *