NEURÓBICA – GINÁSTICA CEREBRAL

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBHA neuróbica é um termo usado pelos neurocientistas para dinâmicas que funcionam como uma aeróbica dos neurônios. Assim como exercitamos os músculos numa academia de ginástica, podemos “movimentar” as células cerebrais com práticas que exijam o esforço da cognição. (Martin Portner)

Esse tipo de exercício visa tornar o cérebro mais ágil e flexível, no sentido de ampliar as possibilidades na busca de novos caminhos para a realização das ações cotidianas. (Geomecel Carvalho)

Atualmente sabe-se que é possível desenvolver aptidões, estimular a memória e aprender novos conhecimentos em quase todas as épocas da vida. (Amaryllis Schinvinger)

Durante muito tempo houve uma preocupação exagerada apenas com a beleza física no que diz respeito à “malhação”. A Ciência, além de incentivar os exercícios físicos – eles devem ser feitos pelo menos três vezes por semana –, também tem orientado na sua execução de modo a trazer ganhos para o corpo e a mente. É nesta vertente que entra a ginástica para o cérebro, tão propícia a uma época em que o processamento de informações torna-se cada vez maior, gerando grandes desgastes e estresse mental.

A ginástica cerebral tem como base o uso do cérebro de forma a estimular áreas sensoriais importantes para o funcionamento de todo o organismo, assegurando o seu bem-estar. Pode ser praticada durante a execução de atividades rotineiras e de outros pequenos desafios em meio aos afazeres do dia a dia que resultam em benefícios fantásticos. Assim, nada mais importante do que “malhar” esse nosso maravilhoso “computador central”, aprimorando-o para que seja o mais eficiente possível.

Assim como acontece com a nossa pele, os neurônios estão em permanente renovação, sendo importante manter tal produção da região cerebral, que necessita contar sempre com a neuroplasticidade (capacidade de adequar-se racional e emocionalmente às diferentes situações do dia a dia).  De acordo com a neuróbica, o primeiro passo para tornar o cérebro mais “plástico” é autopercepção (consciência que se tem de si mesmo).

O Budismo – quando se refere a alcançar a iluminação – também deixa patente a necessidade de contemplar a mente, alegando que “ao entender a mente tudo o mais está incluído”. E exemplifica fazendo uma analogia com a árvore: “É como a raiz de uma árvore: todas as frutas, flores, galhos e folhas dependem da raiz. Se você alimentar a raiz, ela cresce e se desenvolve. Mas, se você cortar a raiz da árvore, ela morre.”. Por sua vez, a gnose ensina que é preciso conhecer e contemplar a mente: “Devemos agir, fazer e proceder da mesma forma como faz um cientista que passa anos e anos estudando, por exemplo, os hábitos e comportamento dos macacos na África. São pacientes trabalhos anônimos de observação direta, oculta, disfarçada, na floresta, sem que ele julgue, critique, interfira ou queira fazer parte do grupo de macacos que está a observar e a estudar”.

A Ciência revela que a ginástica mental traz inúmeros benefícios à saúde: regeneração e manutenção dos neurônios, redução da demência e das perdas cognitivas (processos da mente envolvidos na percepção, na representação, no pensamento, nas associações e lembranças, na solução de problemas, etc.) advindas do envelhecimento natural do cérebro. Segundo Solange Jacob – especialista em ginástica cerebral –, “A técnica fortalece o caminho para acessar eventos memorizados e facilita a associação dos pensamentos”.

Além de aplicar a aeróbica dos neurônios durante os afazeres do cotidiano, como a troca do uso de uma mão para escovar os dentes*, mudar o relógio de braço, etc., jogos devem ser inseridos, como: tangran**, sodoku, quebra-cabeça (puzzle), palavras-cruzadas, duplex, diagrama, problemas de lógica, etc. Trabalhos artesanais diferenciados também são importantes, assim como o aprendizado de um novo idioma ou mesmo de uma palavra nova a cada dia, buscando empregá-la. Sempre que possível escreva manualmente, faça cálculos “de cabeça”. Busque fazer algo novo todo dia e, sobretudo, ter uma alimentação saudável e dormir bem. O cérebro agradece! (Não deixe de ler CONHECENDO O NOSSO CÉREBRO)

Curiosidade
*Se você usa a mão direita, por exemplo, para escovar os dentes, pentear os cabelos ou segurar a xícara de café, tente fazer esse mesmo trabalho com a esquerda, mas se é um indivíduo canhoto, tente usar a mão direita.

**Tangran – é um quebra-cabeças geométrico chinês formado por 7 peças, chamadas tans: são 2 triângulos grandes, 2 pequenos, 1 médio, 1 quadrado e 1 paralelogramo. Utilizando todas essas peças sem sobrepô-las, podemos formar várias figuras. Segundo a Enciclopédia do Tangram é possível montar mais de 5000 figuras.

Livro recomendado: Mantenha seu Cérebro Vivo, obra do neurologista Larry Katz.

Fontes de pesquisa:
Segredos da Mente
https://gnose.org.br/o_que_e_gnose/

8 pensou em “NEURÓBICA – GINÁSTICA CEREBRAL

  1. Edward Chaddad

    Lu

    Sempre que leio seus textos – excelente composição, bons para refletir, conhecer melhor os aspectos que nos legam, inclusive compreender melhor a própria vida – não deixo de ler os comentários de Hernando, pois o admiro-o muito por suas ideias e conhecimentos. Ele traz sempre, oportunamente, o resultado de um raciocínio, quando, v. gratia, no tema deste artigo, lembrou da criança:

    ” É preocupante o excesso de estímulos precoce em crianças, principalmente com aparelhos de celulares, computadores e smartphones. Podem, além de ser prejudiciais à vista, devido à exposição prolongada à luz azul, também promover estímulos “aeróbicos” no cérebro, muito prematuramente, lembrando que a criança encontra se em formação e ainda não possui as estruturas corporais totalmente formadas. Forçar um cérebro em maturação com estímulos paratípicos em demasia pode provocar um desequilíbrio mental no presente e no futuro”( trecho do comentário de Hernando)

    Por meu turno, pratico a neuróbica do meu jeito. A minha saudosa mãe sofria de Alzheimer, doença que contribuiu e muito para o seu passamento (foi-me muito doloroso e também para toda a nossa família). O sofrimento dela e da família, durante o transcorrer da doença, fez-me ler, para conhecê-la. Um dos aspectos mais importantes é combatê-la sempre que possa, logo no seu início, o que diminuirá seus efeitos, legando-nos um tempo muito maior de boas condições mentais. Mas como saber? Um dos sintomas iniciais é a perda de memória a curto prazo, ou seja, a dificuldade de recordar os fatos mais recentes. Então, o que faço? Diariamente, antes de dormir, começo a lembrar os fatos que me ocorreram durante todo o dia, bem detalhadamente: a hora que me levantei, se tomei meus medicamentos, o que comi no café matinal, que hora comecei a trabalhar, que assuntos foquei em meu trabalho, o que comi no meu almoço, o que a Cidinha falou para mim, se me esqueci de alguma coisa, enfim, como foi meu dia e noite.

    Como sou idoso, fico feliz, pois minha memória não demonstra desconhecimento no curto prazo, o que me revela que esta doença não me está castigando. Também, dialogo com minha esposa, perguntando-lhe de lembranças de médio e longo prazo. Sei que essas lembranças caem no inconsciente (estão lá guardadas) e iremos nos lembrar daquilo em que mais prestamos atenção. Dificilmente, iremos recordar aquilo de que desviamos a atenção. Assim, ela lembra um fato, por vezes não me recordo, mas contando, acabo dele me lembrando, nem todos os detalhes. A recíproca é verdadeira, inclusive, segredo que a Cidinha tem memória muito melhor do que eu a longo prazo.

    Como gosto de escrever, é claro, encontro, como todos, a oportunidade de conhecer novas palavras ou recordar algumas que queria usar, mas perdia-as no espaço do tempo. Então, a pesquisa no dicionário do Google e com isto, fixo-as com muita claridade. Fazia palavras cruzadas, mas as deixei, pois não tenho muito tempo para isto. Já fiz, forçadamente, experiência para a utilização da mão esquerda (sou destro), pois quebrei o braço duas vezes. E sai-me muito bem. Penso que o ato de escrever, ainda, faz com que todos que escrevem, no computador, utilize as duas mãos. Assim, não deixa de ser um exercício de neuróbica.

    Adorei seu texto!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Edward

      Já estava sentindo a sua falta. É sempre um prazer ler seus comentários cheios de sabedoria, trazendo-nos fatos vivenciais que muitos nos ensinam. A título de lembrança: você possui uma mente fantástica, com uma capacidade de argumentação incrível.

      O Hernando é realmente uma pessoa muito sábia, um grande leitor e observador da vida. Assim como você, é dotado de grande sensatez e sabedoria de vida. Aprendo muito com vocês dois. Ter seus comentários neste espaço é um grande privilégio para mim e demais leitores que muito me honram com a presença.

      Você viu o artigo (247) que comenta que a indústria farmacêutica Pfizer escondeu um medicamento da maior importância no tratamento do Alzheimer, unicamente porque não daria lucro? Isso não é um crime? Gostaria da sua opinião.

      Um abraço para você e outro para a Dix,

      Lu

      Responder
      1. Edward Chaddad

        Li a respeito da Pifzer que, desde 2015, escondeu descoberta sobre medicamento que iria dar condições muito melhores para o combate da Alzheimer. Estavam fazendo pesquisa sobre outro aspecto, quando perceberam melhoria do cérebro, o que iria, renito, ter grandioso valia no combate do Alzheimer. Porém, como você disse, o lucro seria muito pequeno. Daí deixarem de ir nesta direção, talvez porque inibiria ainda a venda de outros medicamentos que estão dando lucro maiores, mesmo em outros laboratórios.

        O novo mundo é materialista demais, buscam só a lucratividade, deixando-nos com o futuro totalmente desastroso, máxime o que está acontecendo com o meio ambiente. Quando acordarmos será tarde demais. Chamo a atenção para um artigo que li também no 247, onde o autor, o relator da ONU, Jean Ziegler, entrevistado por Jamil Chade, mencionou que: as “sociedades multinacionais privadas tornaram-se as verdadeiras donas do mundo, e impedem qualquer Estado, cidadão ou política social de conter fome, pobreza e as crises humanitárias”

        Lu, sua constatação referente ao lucro a qualquer preço, como ocorreu com a Vale, degradando os rios do estado de Minas Gerais, até agora sem qualquer punição efetiva. inclusive criminal. Jean Ziegler alerta, ainda que:

        ” O mundo se tornou incompreensível para o cidadão que não mais consegue ler o mundo. As 500 empresas multinacionais privadas têm 52% do PIB do mundo (todos os setores reunidos, bancos, serviços e empresas). Elas monopolizam um poder econômico-financeiro, ideológico e político que jamais um imperador ou papa teve na história da humanidade. Eles escapam de todos os controles de Estado, parlamentares, sindicais ou qualquer outro controle social. Eles têm uma estratégia só: maximização dos lucros, no tempo mais curto e não importa a qual preço humano.”

        O artigo é excelente, copiado do SWI Brasil, onde ocorreu a entrevista. Mostra-nos o que está ocorrendo em todo o mundo. Por isto é que o estado forte é importante. O apequenamento ou quase desaparecimento do Estado não é tão somente um esforço do neoliberalismo, mas uma tomada de posição das multinacionais que irão destruir as nações; os Estados que defendem valores importantes para toda a humanidade, máxime um mundo viável para a vida.

        Este artigo é importante. Leia, coloco aqui o seu endereço original: https://outraspalavras.net/author/swibrasil/

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Edward

          Tudo o que está acontecendo com o planeta Terra é muito triste, pois conta-se nos dedos os empresários envolvidos com o socioambiental. São eles quem realmente definem as políticas. Os mandantes não passam de serviçais.

          Irei ler o artigo, sim!

          Abraços,

          Lu

  2. Hernando Martins

    Lu

    Certamente, a “aeróbica do cérebro” é fundamental para mantermos a mente ativa por muitos e muitos anos e com plena qualidade de vida.

    Observa-se nos novos tempos uma mudança extremamente acentuada nos costumes da humanidade em virtude do desenvolvimento tecnológico e buscas de sucessos de acordo com os novos moldes estabelecidos pela sociedade. É preocupante o excesso de estímulos precoce em crianças, principalmente com aparelhos de celulares, computadores e smartphones. Podem, além de ser prejudiciais à vista, devido à exposição prolongada à luz azul, também promover estímulos “aeróbicos” no cérebro, muito prematuramente, lembrando que a criança encontra se em formação e ainda não possui as estruturas corporais totalmente formadas. Forçar um cérebro em maturação com estímulos paratípicos em demasia pode provocar um desequilíbrio mental no presente e no futuro.

    Antigamente, as crianças brincavam de uma forma apropriada para seu tempo, os estímulos eram principalmente físicos, através de brincadeiras lúdicas e posteriormente recebiam estímulos cerebrais de acordo com as fases da vida. Enfim,penso que devemos estimular o corpo paralelamente com a mente para promoção de saúde (corpo são e mente sã). Nos dias de hoje podemos afirmar categoricamente que ser feliz e ter saúde.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Tem sido preocupante o acesso precoce de crianças à informática. Tem sido comum ver pais gabando-se da “inteligência” dos filhos de dois a seis anos no acesso ao celular, computador e jogos virtuais. Não se dão conta do mal que fazem aos filhos pequeninos. E pior, não há nenhuma preocupação por parte dos governantes em esclarecer as famílias sobre este assunto. Interessa-lhes apenas o imposto embutido em tais produtos. O que você alerta acontece o tempo todo: “Forçar um cérebro em maturação com estímulos paratípicos em demasia pode provocar um desequilíbrio mental no presente e no futuro”.

      Quanto à “aeróbica do cérebro” (ou neuróbica), é interessante ver como exercícios simples podem trabalhar a plasticidade de nosso cérebro. Tenho tentado escovar os dentes com a mão esquerda… Mas como é difícil! O importante é continuar tentando…

      Grande abraço,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *