TARDE DE DOM. NA GRANDE JATTE (Aula nº 88)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH   

                                                          (Clique na imagem para ampliá-la.)

Eu pintei assim, porque queria obter algo novo – um tipo de pintura que fosse só meu. (Georges Seurat)

A composição denominada Tarde de Domingo na Grande Jatte é uma obra-prima do neo-impressionista francês Georges Seurat que à época estava com 30 anos, portanto, no auge de sua maturidade. Trata-se de uma pintura monumental, tendo o pintor levado dois anos para concluí-la. Até então, o artista fazia parte do grupo de impressionistas, embora não tivesse abraçado o estilo totalmente. Quando sua pintura foi apresentada numa exposição em 1886, no Salão dos Independentes, ela causou um grande escândalo e serviu de zombaria para os críticos, além de despertar o riso do público.

Uma obra como esta era inédita na arte. O pintor usou as árvores e as figuras humanas de pé para criar linhas verticais. O mesmo rigor matemático é visto nas horizontais. A mulher segurando uma sombrinha vermelha e uma garota com roupa branca formam o centro calculado da tela. O artista abriu mão de cores vivas e permitiu mínimos movimentos em seu quadro. Tudo nele é diferente, quer pelo tema incomum, com elementos poéticos e simbólicos, quer pela técnica usada, até então desconhecida, na qual busca a percepção da luz.

O artista apresenta um grupo de parisienses à margem do rio Sena, durante uma tarde de domingo. Ali estão presentes oito figuras humanas, três cachorros, um macaco e oito barcos. Muitas das figuras estão debaixo das árvores ou de sombrinhas. São pessoas das mais diferentes classes sociais, como é possível identificar através das roupas. A impressão que se tem é que o pintor pediu que as pessoas ficassem estáticas para serem fotografadas, embora certas cenas esbocem um pouco de movimento, como a garota correndo, borboletas voando e o cãozinho com laço no pescoço, também correndo, situado em primeiro plano.

No canto direito inferior, em primeiro plano, um casal vestido de acordo com a moda dos anos de 1880, visto de perfil, observa o cenário. A mulher segura pela correia um macaco-prego, atado pela cintura. Uma outra correia supostamente pertence ao cãozinho com um laço no pescoço que é deixado livre para brincar. Sua dona veste um corpete de espartilho e saia com anquinhas e traz uma sombrinha aberta, enquanto o homem segura uma bengala debaixo do braço e traz na mão um cigarro. A presença do macaco chama a atenção, porque foi adicionado bem depois da obra pronta, embora o pintor tivesse tal animal sempre presente em seus trabalhos. O macaco era associado à prostituição, sendo a mulher que o conduz, tida como um tipo bem coquete. O fato é que não se conhece a explicação real para a presença do bichinho no quadro. Qual teria sido a intenção do artista?

No canto inferior, à esquerda, estão um remador com o corpo reclinado, fumando seu cachimbo; uma dama de classe média com o leque no gramado, fazendo tricô, e um homem bem vestido, usando cartola e segurando uma bengala. Também se encontram no quadro um homem tocando trompete, dois soldados vigiando o local, remadores, mulheres pescando ou sentadas sobre o gramado, crianças, um casal abraçado, outro casal andando, etc.

Para fazer esta tela, Georges Seurat fez inúmeras visitas à Grande Jatte – ilha localizada no rio Sena – aonde as pessoas iam aos domingos para divertir-se. O local não era visto com bons olhos, pois prostitutas vendiam sexo nas suas margens, fingindo que estavam pescando, para que os policiais não as reconhecessem, pois a prostituição era proibida. Alguns críticos de arte têm como prostitutas algumas mulheres presentes neste quadro.

Seurat fez 38 esboços a óleo e 23 desenhos preparativos para esta obra, daí a razão do tempo gasto na sua feitura. O mais interessante é que esta pintura foi criada em seu ateliê e não ao ar livre, ao contrário dos trabalhos dos impressionistas. Como modelos para suas figuras, ele usou estampas de moda, retiradas de revistas. Em sua obra usou cores puras fragmentadas. Os pigmentos são misturados pela olho, quando vistos a certa distância, técnica também conhecida como pontilhismo, vindo a ser muito usada por outros artistas. Uma Tarde de Domingo na Ilha da Grande Jatte é a obra mais importante do pontilhismo. Paul Signac foi aluno de Seurat e ajudou-o a desenvolver o novo estilo.

Na confecção de sua obra, Seurat pintou-a primeiramente usando a técnica dos impressionistas. A seguir ele acrescentou uma camada de pontilhismo. É interessante notar que a menininha de branco não foi coberta pelo pontilhismo. A moldura do quadro, pintada na própria tela por Seurat, segue a mesma técnica.

Ficha técnica
Ano: 1884-1886
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 205 x 304 cm
Localização: The Arte Institute of Chicago, EUA

Fontes de pesquisa
Arte em detalhes/ Publifolha
http://obviousmag.org/archives/2012/10/uma_tarde_de_domingo_na_ilha_de_grande_jatte.html

4 comentaram em “TARDE DE DOM. NA GRANDE JATTE (Aula nº 88)

  1. Marinalva Autor do post

    Lu

    À medida que nos embrenhamos pelo mundo impressionante da arte, notamos quantas ideias novas vão surgindo da inteligência desses artistas fantásticos sobre os quais estamos estudando. Vamos falar um pouco sobre pintor francês George Pierre Seurat. A sua obra é muito sensível, com as cores quentes e frias, ele buscou equilíbrio entre elas. Foi o primeiro a romper com as pinceladas impressionistas. Sua maior e mais importante obra é “Domingo à tarde na ilha da grande jatte ” , alterou o direcionamento da arte moderna, iniciando o Neoimpressionismo. Harmonizou as cores, dominou os tons de luminosidade, usou várias técnicas novas. É considerado um dos maiores pintores do séc XIX.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      O estilo impressionista foi responsável pelo surgimento de grandes artistas, assim como deu origem a outras vertentes, como nos mostra Seurat na obra em estudo. A França foi o berço deste estilo maravilhoso e muito criativo.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Adevaldo R. Souza

    Lu

    Impressionante essa obra de Georges Seurat: Tarde de Domingo na Grande Jatte, que utiliza a nova técnica do pontilhismo. A composição destaca-se pelo efeito da luz sobre as cores utilizadas. Os personagens aparecem em cortes geométricos. Também fiquei intrigado com a presença do macaquinho e não entendo o porquê de estar associado à prostituição. Parece-me que a França tornou-se o centro da arte moderna em comparação com a Itália, que se destacava em períodos anteriores.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      A composição de Georges Seurat é mesmo muito interessante, principalmente pelo uso do pontilhismo. Confesso que não sei o porquê de o macaquinho estar associado à prostituição naquela época. Vou pesquisar sobre o assunto. Tempos antes era a Itália o destino dos artistas, ocupando a França esse lugar posteriormente. Paris veio a transformar-se no centro da arte.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.