A INTOLERÂNCIA É A BAGAGEM DOS TOLOS

Autoria de Dr. Telmo Diniz

intolerante

Esta semana não quero falar de intolerância à lactose ou ao glúten. Quero falar sobre a intolerância de uma forma genérica e voltada ao seu real significado. Conceitualmente, intolerância é uma atitude caracterizada pela falta de habilidade ou falta de vontade em reconhecer e respeitar as diferenças entre as pessoas, como crenças e opiniões. Já a estupidez se expressa em pessoas desprovidas de inteligência. Uma pessoa intolerante não só é inábil, mas também burra e ignorante.

Portanto, não seria exagero achar que a intolerância seja o mais estúpido e egoísta dos sentimentos humanos. Ser intolerante é assumir a burra incapacidade de aceitar a conduta diferente do outro. É absorver um ideal com tanta força e ter uma presunção tão grande de que tudo tem que funcionar exatamente de uma só forma. Ser intolerante é considerar a possibilidade de que todo ser humano tem o mesmo gosto ou o mesmo pensamento. É querer simplesmente que o mundo gire em torno de si.

A intolerância é excludente. É a bagagem dos tolos. O intolerante se sente no direito de julgar e também definir o que é certo e errado. Ele é capaz de se apegar aos mais puros sentimentos e ideais, além de transformá-los em uma verdade violenta, normalmente carregada de fúria. Tudo movido pelo simples fato de querer que o outro tenha a mesma opinião. O intolerante acredita que tem em suas mãos a única e poderosa verdade e é incapaz de questioná-la. Esta deficiência de sequer pensar na possibilidade de estar errado é o mais marcante entre os “donos da verdade”. Impor sobre o outro uma ideia ou um comportamento único é uma agressão.

Não existem no mundo duas pessoas iguais. Deus nos fez diferentes. Como é possível ser capaz de criar uma “verdade” que possa mutilar o outro? Como é possível matar alguém por ter ideias diferentes? Isto é, no mínimo, estúpido! Grande parte das atrocidades humanas foi cometida por pessoas embriagadas pela intolerância, apoiada sempre por uma verdade imutável e implacável. A escravidão, a inquisição, o holocausto e a homofobia são os exemplos do quão sombrio e cruel o ser humano intolerante pode ser.

As ideias não precisam competir, apenas coexistir. Acredito que o processo de reconhecimento das nossas diferenças começa na nossa educação e por ela seremos mais tolerantes com o próximo. O núcleo familiar, onde as primeiras relações de uma criança se processam, irá formar o caráter e a personalidade de nossos jovens. Do mesmo modo as escolas devem acompanhar esse movimento, abrindo-se como aliada das famílias, para construir um espaço de discussão e enfrentamento dos conflitos existentes entre os alunos. É também nesse espaço de construção de cidadania que devem ser marcados valores que ressaltem a existência do “outro” que se distingue em cada um de nós.

3 comentários sobre “A INTOLERÂNCIA É A BAGAGEM DOS TOLOS

  1. Edward Chaddad

    LuDias

    Excelente texto.
    Conheci agora o Dr. Telmo escritor. Percebo, assim, que fora do alcance dos conhecimentos médicos, tem uma grande sensibilidade e compreensão do mundo em que vivemos, embora acredite que este sentimento, a intolerância, já nasceu com a ignorância e pode até ser instrumento dos poderosos, como a história nos ensina.

    Adorei o texto.

    Responder
  2. Pedro Rui

    Realmente a intolerância faz-me pensar no que aconteceu em Paris, pois, se houvesse tolerância aquele horror não teria acontecido.

    Falta educação dentro da família, nas escolas, é triste dizer, mas a educação de dia para dia está cada vez pior, pois já não sabem mais educar. O que esses meninos de hoje vão herdar das gerações anteriores?

    Eu também faço a mesma pergunta: como é possível um homem matar outro só porque ele tem uma ideia diferente?
    A intolerância é mesmo a bagagem dos tolos.
    Abraços

    Rui Pedro

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      A intolerância é a carga que os tolos carregam durante sua vida no mundo.
      O que aconteceu em Paris foi uma grande estupidez.
      Como podem tirar vidas inocentes assim?
      Que doença é essa que tornam os homens loucos?
      Ninguém é dono da verdade.
      Precisamos respeitar as pessoas, ainda que pensem diferentemente de nós.
      Você tem toda a razão.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *