A TOLERÂNCIA PRECISA DE LIMITES

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

gloma

Quem nunca se esbarrou numa pessoa arrogante, que se julga o suprassumo dos mortais, ou que acha que todos os humanos devem se curvar diante de sua prepotência? Para pessoas assim só há uma definição: tolas!

A arrogância é o carrasco da tolerância. Enquanto os tolerantes sentem-se iguais, os arrogantes carregam o cetro da superioridade. Dentre todas as virtudes, a tolerância é sem dúvida a mais liberal, pois se fundamenta na igualdade de possibilidades e direitos. Ela vai muito além do respeito igualitário, pois amordaça o nosso ego, a nossa envergonhada postura de donos da verdade, para nos lembrar de que devemos considerar e respeitar aqueles que têm ideias divergentes, pois não há necessidade de condescendência para com aqueles que rezam na nossa mesma cartilha, que carregam nossas mesmas ideias e pontos de vista. A virtude está em  é aceitar o diferente.

A tolerância é a mãe da sabedoria. Sem ela, fecharemos as portas de nossa percepção, tamponadas com as mais diferentes formas de preconceito. Ela nos ensina a ouvir com calma para depois refletirmos com mais profundidade sobre o que nos foi dito. Leva-nos a uma compreensão mais real de nós mesmos e do mundo, dando-nos mais ciência nas nossas escolhas e nos ensinando a respeitar as escolhas dos outros.

Ser tolerante é ter liberdade de ação. É ser equânime, ecumênico, justo. Nenhuma democracia jamais sobreviverá caso a tolerância seja banida. Lembremo-nos dos danos causados por crenças ideológicas ou religiosas, quando se tornam absolutas dentro de uma sociedade. Ao contrário do que muitos pensam, quanto maior for a diversidade, mais seguros estarão os direitos humanos. A multiplicidade enfraquece a belicosidade, a empáfia e a sede de poder, pois o sectarismo é o túmulo do progresso e de tudo que possa ascender em benefício de muitos.

A tolerância deve ter limites? Claro que sim! Suas fronteiras devem ser delimitadas pelo bem comum. A partir do momento em que se resvala para o terreno do outro, no sentido de prejudicá-lo, ela deve ser revista. A nossa escolha individual não pode trazer danos ao meio em que estamos inseridos. Independência e autonomia devem estar atreladas ao respeito, de modo que nenhum indivíduo possa pautar a sua vida meramente nas suas vontades, quando extrapola seu espaço atingindo o de outrem. A tolerância irresponsável é irmã gêmea da omissão e prima em primeiro grau da violência.

É muito comum ouvirmos que devemos ter respeito para com todas as culturas. Tudo bem! Porém, não podemos ser coniventes com tudo que as culturas apregoam. Como poderíamos ser tolerantes com a cultura das castas hindus (intocáveis) ou com a caça aos albinos em certos países africanos, por exemplo? Entender as diferenças culturais massacrantes não significa aceitá-las. Ao contrário, é o primeiro caminho a ser tomado para combatê-las, pois é impossível lutar contra o desconhecido.

Nota: imagem  copiada de http://www.gobgo.org.br

2 comentários sobre “A TOLERÂNCIA PRECISA DE LIMITES

  1. LuDiasBH Autor do post

    Mário

    Não vale mesmo a pena conversar pessoas que não respeitam ideias diferentes.
    O melhor a fazer é evitar discutir com elas.
    É o que sempre faço.

    Existe tolerância, sim.
    Mesmo que a pessoa não aceite, ela respeita a opinião do outro.
    Ser tolerante não é ser conivente.
    Os países islâmicos, por exemplo, não aceitam outros credos.
    Nosso país é tolerante, pois aqui pode-se professar qualquer religião.
    Sem tolerância não há democracia.

    Abraços,

    Lu

    Responder
  2. Mário Mendonça

    Lu Dias
    Taí uma utopia difícil de ser seguida no mundo atual.Só pra exemplificar:
    Acabei de discutir com um amigo no face… e no auge do diálogo, ele me mandou:
    “Manda quem pode e obedece quem tem juízo”
    Eu respondi:
    Isso é Alienação.
    Ele me mandou para aquele lugar.
    Eu encerrei o assunto, pois não valia a pena.

    Não existe tolerância entre seres humanos, somos animais racionais que pregam a igualdade, mas jamais a praticam, é pura teoria. Um pobre prega a divisão. Um rico, a multiplicação. É assim a nossa existência, não somos tolerantes nem com nós mesmos.

    Abração

    Mário Mendonça.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *