É PRECISO MUDAR CERTOS HÁBITOS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Dr. Telmo Diniz

corpo1

O hábito é um comportamento que determina o que a pessoa aprende e repete frequentemente, sem pensar em como deve executá-lo. Ele é o uso, um costume; um modo constante de como se comportar e de agir que difere do instinto, um comportamento inato, que não foi aprendido. Todos nós temos maus hábitos, seja enrolar demais na cama pela manhã, nunca terminar aquele livro, não começar a academia, roer as unhas, tomar café demais, etc. E todos nós sabemos também o trabalho que dá pra mudar um velho hábito.

É importante esclarecer que, bons ou maus, é impossível viver sem os hábitos, pois facilitam nosso dia a dia e liberam nossa mente para que possamos aprender coisas novas. Poupam nossos neurônios de trabalhar para atividades simples, como lavar as mãos. Imagine se você tivesse de pensar na coordenação dos pés nos pedais de freio, acelerador e embreagem o tempo todo enquanto dirige. Seria um caos total!

Um estudo no periódico “Journal of Personality and Social Psychology” contradiz a ideia de que, quando estamos sob pressão somos guiados somente a hábitos ruins, como comer compulsivamente ou comprar em excesso. Na verdade, somos igualmente propensos a hábitos também positivos, como frequentar a academia de ginástica e comer comida saudável. Resumindo, os pesquisadores dizem que o estresse estimula, de fato, hábitos ruins e reforça os bons. Considerando que todos nós nos estressamos em algum momento, o foco em controlar o comportamento pode não ser a melhor forma para alcançarmos nossos objetivos. Se você não tem muita força de vontade, o estudo mostra que hábitos são muito mais importantes.

Já outros pesquisadores defendem a ideia de trocar de hábitos. Eles são como padrões, ou seja, fazem com que você se comporte de certo modo, frequentemente contra seu próprio desejo. Nesse sentido, você não é uma pessoa livre. Em maior ou menor grau, é vítima dos hábitos que formou. Bons ou ruins. Dependendo da profundidade desses traçados, você é, na mesma proporção, um fantoche. Você pode, porém, neutralizar as imposições desses maus hábitos, criando em seu cérebro configurações mentais de bons hábitos opostos, de forma repetida.

Não se desespere com os seus hábitos indesejáveis; simplesmente deixe de alimentá-los e fortalecê-los por meio da repetição. O tempo necessário à formação de novos hábitos varia de acordo com as características de cada indivíduo, sendo determinado, principalmente, pela qualidade da atenção. Ou seja, se passo a ter consciência do hábito que quero mudar, já é o primeiro passo na direção certa. E para que eu mude, tenho de ter foco, atenção e perseverança, com a devida repetição de um novo hábito. Não é fácil, mas é possível.

Procrastinar (adiar, prorrogar, usar de delongas) vem do latim “procrastinare”, que significa “encaminhar para amanhã”. Em uma pesquisa realizada em 2011 pelo gestor do tempo Christian Barbosa,  autor do livro “Equilíbrio e Resultado – Por que as pessoas não fazem o que deveriam fazer?”, 97,4% dos brasileiros admitem deixar atividades importantes para a última hora. Ele diz que a procrastinação acontece na vida de todo mundo. Que procrastinamos ao acordar, quando apertamos o modo soneca do despertador, quando ficamos com preguiça de lavar a louça do jantar ou quando deixamos de responder àqueles e-mails chatos. Somos propensos a deixar quase tudo para depois. O estudo também apontou quais são os principais fatores que levam à procrastinação:

  • falta de tempo,
  • impulsividade (deixamos algo de lado para fazer outra atividade),
  • falta de energia,
  • medos,
  • auto sabotagem
  • e preguiça.

Procrastinar implica deixar que as tarefas de baixa prioridade (menos importantes) antecipem as de alta prioridade (mais importantes), normalmente as mais chatas. A procrastinação crônica é quase sempre associada a alguma disfunção psicológica ou fisiológica. Portanto, é passível de tratamento. Algumas recomendações que ajudam muito no alívio dessa anomalia são:

  • Reconheça, quando está enrolando, que pode haver mais dor em procrastinar do que em realizar a tarefa.
  • Não deixe aquele afazer chato por último, para que ele não se torne urgente depois.
  • Experimente a sensação de alívio e o fortalecimento da autoestima após concluir uma tarefa e perceber que se livrou dela de maneira positiva, enfrentando-a.
  • Pense no que vai deixar de ganhar ou no que pode perder caso não realize essa atividade.
  • Se a tarefa for muito trabalhosa, divida em partes e realize uma a uma, com um pequeno intervalo entre elas.
  • Abra-se para o novo, deixando de agarrar-se às velhas experiências e crenças.
  • Caso lhe seja por demais desagradável, dê-se uma pausa e passe a fazer algo útil (não pare de agir), mas determine quando voltará ao assunto pendente.

A principal vitória é vencer a procrastinação em si. Trata-se de uma vitória para a vida inteira. Lembre-se sempre do sábio provérbio: Antes tarde do que mais tarde.

Nota: Imagem copiada de euqueropossoeconsigosim.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *