Goya – O ENTERRO DA SARDINHA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

goya1234

Goya retrata em sua composição, O Enterro da Sardinha, uma festa popular que marca o final do Carnaval e a entrada da Quaresma, que ocorre em vários lugares da Espanha. O atrativo principal dessa festa de origem pagã é o simbólico enterro de uma sardinha de papelão.

Na cena, as pessoas estão concentradas num lugar descampado, com árvores estranhas ao redor, sob um céu nebuloso, que prenuncia a chegada de uma tempestade. O colorido é sombrio, sendo as figuras mal esboçadas. Elas usam máscaras de morte e de bestas e diferentes fantasias. No meio do barulhento grupo também estão presentes crianças. Ou seriam anões?

Um personagem, no meio do ruidoso grupo, usando vestes negras, carrega um enorme estandarte com a imagem de um rosto rechonchudo e uma enorme boca risonha, deixando visíveis parte dos dentes. Muitos veem na figura a imagem da loucura, do caos e da degeneração.

Na frente do cortejo, duas personagens femininas, vestidas de branco, e um homem que carrega um pequeno estandarte vermelho, dançam. Uma das mulheres, à esquerda do observador, tem uma figura de preto atrás de si, ostentando afiados chifres, que parece querer ampará-la.

Ficha técnica
Ano: 1812-1814
écnica: óleo sobre madeira
Dimensões: 82,5 x 52 cm
Localização: Museu Real da Academia de Belas Artes, Madri, Espanha

Fontes de pesquisa
Goya/ Abril Coleções
Goya/ Coleção Folha
Goya/ Editora Manole Ltda.

2 comentários sobre “Goya – O ENTERRO DA SARDINHA

  1. António P. Pereira

    Eu gosto do Rafael Bordalo Pinheiro, mas reconheço no trabalho de Goya intitulado “O enterro da Sardinha”, a presença do “Zé Povinho” no estandarte. Parece-me coincidência demais, e nunca ouvi falar disto …

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      António

      Primeiro quero lhe dizer que é um grande prazer recebê-lo aqui neste espaço. E, em segundo, agradeço-lhe pelo comentário enriquecedor.

      Rafael Bordalo Pinheiro foi um artista completo, sem dúvida alguma um dos grandes nomes da história portuguesa. Ainda não tive a oportunidade de pesquisar sobre ele, coisa que já está nos meus planos.

      Também gosto muito da obra de Goya. Escrevi sobre ele e sobre muitos de seus quadros, aqui no blog. Como você bem diz, “O Enterro da Sardinha” traz as pessoas do povo.

      Obrigada por sua presença. Volte e comente sempre.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *