Mestres da Pintura – GIUSEPPE ARCIMBOLDO

Autoria de LuDiasBH

giarc

É um pintor de raro talento, com imensos conhecimentos noutras disciplinas e, tendo provado o seu valor, quer como artista quer como pintor exótico, não só no seu país, mas também no estrangeiro recebeu os maiores louvores, de tal modo que a sua fama chegou à corte imperial da Alemanha. (Paolo Morigia)

Se Arcimboldo possuía um pendor natural para as caricaturas e um estilo ilusionista de pintar […] o que não há dúvida é que se pode afirmar que enveredou por um caminho completamente diferente novo durante a sua estadia em Praga, que persistiu teimosamente em criar um estilo pessoal que nunca tinha sido visto e era tão singular que ainda hoje ele (Arcimboldo) é famoso por isso. (Benno Geiger )

 Parece óbvio que Arcimboldo, tal como Platão, via o universo inteiro – homens, animais e plantas – como uma unidade, e pintou os seus quadros, tendo em mente essa unidade. (Werner Kriegeskorte)

O famoso pintor italiano Giuseppe Arcimboldo (1527-1593) nasceu em Milão. Era filho de Chiara Parisi e de Biagio Arcimboldo, também pintor. Notícias sobre o início de sua vida artística são relativas à sua idade de 22 anos, quando recebeu a incumbência de desenhar vitrais, ao lado do pai, para a Catedral de Milão. Mas é sabido que ele recebeu formação na oficina de seu pai, onde aprendeu a trabalhar com vitrais, tapeçarias e afrescos para igrejas.

O austríaco Benno Geiger, historiador de arte, escritor e tradutor, acha que o pintor recebeu influência dos flamengos Johannes e Ludwig Karcher. Como Arcimboldo nasceu durante a transição do Renascimento para o Maneirismo, nada mais do que normal encontrar na sua obra influência das duas correntes. Ele foi singular em sua arte, criando um estilo original que pode ser classificado como “maneirista-naturalista”, ao criar imaginativos retratos e alegorias.

Em 1562, Giuseppe Arcimboldo foi para Praga, na época capital do reino da Boêmia, e hoje República Tcheca, a convite do Imperador Fernando I, permanecendo ali como retratista e copista da corte. Era muito estimado e bem pago, produzindo não apenas quadros, mas também outras obras de arte como peças em madeira. Seus trabalhos artísticos eram raros e muito delicados, encantando o imperador e toda a sua corte. Foi sob a tutela do Imperador Fernando I que pintou a primeira série de as “Quatro Estações”.

Morrendo Fernando I, assumiu o trono o seu filho Maximiliano II, como rei da Boêmia e do Santo Império Romano-Germânico. O novo rei teve por Arcimboldo a mesma estima que tinha seu pai. Com a morte desse, subiu ao trono Rudolfo II, grande amante das artes, que também manteve Arcimboldo na corte, cada vez mais valorizado, inclusive presenteou sua família com um título de nobreza. Por sua vez, o artista mimoseou-o com 150 esboços de máscaras, toucados e objetos de fantasia.

Arcimboldo, por ser muito talentoso e culto, sendo inclusive estudioso das ideias filosóficas dos antigos gregos, era também arquiteto, cenógrafo, engenheiro e especialista em arte na corte. Organizava torneios e festejos, desenhando trajes e criando novas formas de entretenimento, numa inigualável criatividade. Ele tomou Giambattista Fonteo como seu ajudante e amigo. Ao inteirar 26 anos de permanência com a família imperial, expressou sua vontade de voltar à sua terra natal – Milão. Mesmo liberado, prometeu continuar prestando serviços à corte. Durante o tempo em que ali se manteve, o artista tomou conhecimento das obras de Bosch, Brueghel, Cranach, Grien e Altdorfer.

Em 1593, depois de receber de Rudolfo II uma de suas mais elevadas ordens, morreu Giuseppe Arcimboldo, supostamente aos 66 anos de idade, uma vez que não se tem, com certeza, a data de seu nascimento.

Apesar de toda a fama que teve em vida, Giuseppe Arcimboldo foi esquecido após sua morte, passando praticamente despercebido durante os séculos XVII e XVIII. Porém, em 1885, o Dr. Carlo Casati publicou um tratado chamado “Giuseppe Arcimboldi – pintore milanesi”, sobre o artista. No século XX, vários artigos sobre o pintor foram publicados. Ele foi descoberto pelos artistas, sendo que os surrealistas viram nele um precursor. Segundo alguns estudiosos da arte são possíveis de encontrar, ainda que sejam superficiais, semelhanças de sua arte nas obras de Salvador Dalí e Max Ernest.

Atualmente é cada vez maior o interesse pelas obras de Giuseppe Arcimboldo. Ele não pintou apenas quadros estranhos e fantásticos, mas também obras tradicionais, muitas delas perdidas no tempo, infelizmente.  O artista tem sido estudado por historiadores e críticos de arte, encontrando esses grandes dificuldades em identificar suas obras, pois ele quase nunca as assinava, além de repetir suas séries, fazendo algumas pequenas modificações.

Fontes de pesquisa:
Arcimboldo/ Editora Paisagem
1000 obras-primas da pintura europeia/ Könemann
https://www.nga.gov/exhibitions/2010/arcimboldo/arcimboldo_brochure.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *