Vidas Secas – BALEIA E A MORTE DO PAPAGAIO (2)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH
cap baleia

Sem o guri, a cachorra Baleia segue à frente,
encurvada, costelas à mostra, língua de fora.
Vez ou outra interrompe, esperando o grupo
retardado sob a capa do sol fremente.

Baleia nem mais dá conta dos seis viventes:
Sinha Vitória, Fabiano, o menino de colo, ela,
o outro garoto maiorzinho, seu companheiro,
e o papagaio morto na areia do rio quente.

A esgana apertara e inda nem sinal de comida
pra desgraçada família dos famintos retirantes.
Baleia comera pés e ossos do estimado amigo,
mas nenhum lembramento trazia disso.

Baleia apenas sentia uma confusa lembrança,
ao lançar seu olhar cansado nos pertences, e
não ver a miúda gaiola sobre o baú de folhas,
onde a ave equilibrava naquela andança.

Depois da parada, a família emudeceu de vez.
O papagaio pelo menos alegrava a caminhada.
Aboiava, tangendo gado sem vivência, gritava,
e arremedava Baleia na rispidez da marcha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *