Giotto – A LAMENTAÇÃO DE CRISTO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

giotto3

Este afresco de Giotto di Bondone é uma das pinturas mais comoventes e poderosas da história da arte. Foi pintado na parede da Capela Scrovegni em Pádua, juntamente com outros afrescos sobre a vida de Cristo, a Virgem Maria e seus pais.

O pintor italiano, através da expressão facial e da atitude agoniada dos personagens e do emprego do espaço, conseguiu criar uma das cenas mais fortes vistas na representação da morte de Cristo. Ele mostra neste afresco personagens realistas e tridimensionais, quebrando a rigidez da composição bizantina e o espaço plano ocupado por suas figuras, o que impedia o observador de se sentir ligado ao tema. Giotto, além de romper com as regras impostas pela arte bizantina e pelas regras impostas pelo cristianismo, enleou o observador emocionalmente.

A composição apresenta o corpo de Cristo que foi retirado da cruz, sendo rodeado por sua chorosa família e seus amigos, quase todos de cabeça baixa e de ombros caídos, pouco antes de seu sepultamento. A Virgem Maria — ponto central da pintura — segura o corpo do filho nos braços e dirige-lhe um olhar de profunda dor, quase encostando seu rosto no dele. O corpo longo e pesado de Jesus, contrastando com o tamanho da Virgem, parece tornar o sofrimento de sua mãe ainda maior.

São João Evangelista, postado à direita da Virgem Maria, com o corpo inclinado para a frente, abre os braços num gesto apaixonado, onde é visível a dor e a indignação, enquanto Maria Madalena, com os pés de Cristo no colo, acaricia-os e chora. Uma mulher, encurvada sobre o corpo de Jesus, segura-lhe as mãos e também chora. O rosto e as mãos dos personagens traduzem o principal foco de emoção, atraindo o olhar compungido do observador.

É tamanha a emoção repassada pela obra do artista que leva o observador a sentir que as duas personagens, situadas no primeiro plano, de costas, estão acometidas pela mesma dor profunda, visível na expressão dos demais personagens. O espaço aberto entre elas leva os olhos do observador diretamente para o foco da cena — Maria abraçada ao corpo do filho.

Apesar do sofrimento e da raiva que envolvem todo o grupo, os personagens portam-se com extremado respeito diante do corpo sem vida de Jesus. Embora expressivos, seus gestos não são teatrais. Dez anjos espalhados pelo céu azul da composição assistem à cena com grande pesar. Com os corpos contorcidos pela amargura, alguns abrem os braços, enquanto outros apertam o rosto com as mãos. Eles rezam ou choram, olhando desconsolados para todas as direções. O desespero dos anjos contrasta com a cena taciturna vista embaixo.

Vários níveis de sentimentos são vistos na composição. A paisagem também repassa uma sensação de tristeza com sua árvore morta. Ela simboliza a frágil árvore do conhecimento do bem e do mal. Situa-se na diagonal em oposição ao corpo de Cristo. Reforça a tristeza da cena e a perda da vida divina, assim como a ressurreição de Cristo, depois da morte. A proximidade da Virgem, de Maria Madalena e das mulheres que ajudam a segurar o corpo mostra a profunda humanidade do Salvador.

A colina em diagonal coloca os personagens sagrados no primeiro plano, aproximando a cena do observador e também unifica os grupos separados. Apesar da tragicidade da cena, o movimento dos personagens é fluídico e suave. Com esta composição o fenomenal artista italiano Giotto di Bondone antecede o uso da perspectiva que só viria a ser totalmente desenvolvida cem anos depois.

Ficha técnica:
Data: 1305
Técnica: afresco
Dimensões: 185 x 200 cm
Localização: Cappella degli Scrovegni, Pádua, Itália

Fontes de pesquisa:
Grandes pinturas/ Publifolha
A história da arte/ E.H. Gombrich
1000 obras-primas/ Konemann
Tudo sobre arte/ Sextante

6 pensou em “Giotto – A LAMENTAÇÃO DE CRISTO

  1. Antônio Messias Costa

    Lu

    Chama a atenção além do aspecto emocional o uso métrico do espaço balanceando, as proporções e cores. Fantástico os recursos desse artista.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Giotto

      Tive uma importância incalculável para o desdobramento da arte pictórica. Ele mostrou aos artistas um novo caminho a seguir. Foi realmente fantástico.

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rita

      Eu também. Logo estaremos falando sobre ele no curso que estou dando sobre HISTÓRIA DA ARTE, gratuitamente. Você se encontra convidada a participar. Agradeço sua presença e comentário.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. LuDiasBH Autor do post

    Sonia

    Fico muito feliz ao saber que o blog ajudou-a em suas pesquisas.
    Ele é feito exatamente com esta intenção: ajudar as pessoas a conhecerem um pouquinho mais sobre arte.
    Por isso, tenho escritos sobre os mais diferentes pintores, em todos os tempos.
    E virão muitos outros.

    Peço-lhe que propague o Vírus da Arte & Cia. (virusdaarte.net) junto a seus amigos.
    Será um prazer recebê-los aqui.

    Grande abraço,

    Lu

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *