LÁGRIMAS DE CROCODILO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

jaccho

Haja falsidade, hipocrisia ou fingimento nos tempos de hoje. Os crocodilos não mais habitam somente os rios, lagos e lagoas, ao contrário, estão espalhados por aí, na maioria das vezes em volta de nós mesmo, nos mais diferentes lugares e situações, mesmo quando não existe água por perto. Os mais perigosos são os bípedes, porque nunca compreendemos de fato os sentimentos que deles emanam, prestando-se a quaisquer atos para atingir seus objetivos, ainda que escusos, sem jamais dizerem a que vieram.  Agem ao contrário dos rastejantes que já mostram o que querem, sem usar de nenhum artifício, ainda que as lágrimas escorram pela cara.

Segundo o escritor Reinaldo Pimenta, em seu livro “A Casa da Mãe Joana”, existem três explicações sobre a origem da expressão “lágrimas de crocodilo”:

O historiador Plínio, o Velho, dizia que os crocodilos presentes nas margens do rio Nilo choravam para atrair a atenção das pessoas que por ali passavam, para depois devorá-las. Aqueles répteis, acreditava Plínio, eram excelentes fingidores e, consequentemente manipuladores, sempre na tocaia, de olho nos humanos desacautelados.

Já uma lenda medieval conta que os crocodilos choravam após degustar uma pessoa. Que estranho! Tal comportamento se daria em razão do arrependimento, prazer ou porque a refeição fora insatisfatória? Nada mais do que um mito!

A Ciência, contudo, comprova que ao mastigar, o animal pressiona o céu da boca e comprime suas glândulas lacrimais que fazem com que lágrimas rolem por sua cara de poucos amigos. Ainda bem que a Ciência impede os prudentes de saírem contando lorotas por aí.  É a responsável por desbancar as asneiras criadas a bel prazer dos humanos para validar suas tolas crenças. Estão desbancados, portanto, o historiador Plínio assim como a lenda medieval. Como não tirar o chapéu para a Ciência? Agora os répteis crocodilianos podem chorar à vontade sem que ninguém os perturbe.

Como está comprovado que o crocodilo não é capaz de sentir emoção, não estando nem aí para os queixumes de sua presa, é certo que jamais derramaria uma gota de suas lágrimas por ela. Mas o crocodilo bípede, no entanto, sente emoções e sabe muito bem o que está fazendo. Fique de olho nele, pois, embora possa chorar, suas lágrimas nem sempre demonstram solidariedade ou sofrimento, não passando do mais puro e refinado fingimento. Neste caso, dê-lhe o endereço de uma escola de dramaturgia e tenha um “amigo” que chora lágrimas de crocodilo, mas que é também um tremendo artista. Mas fique de olho aberto em suas encenações.

12 comentaram em “LÁGRIMAS DE CROCODILO

  1. Marinalva Autor do post

    Lu

    Muito verdadeira esta frase. O crocodilo, come rápido e para isso abre muito a boca fazendo sua mandíbula comprimir as glândulas lacrimais, porém não há emoção nem sentimentos, como os humanos. Mtas pessoas fazem de conta que se importam com as aflições dos outros e, para ter a confiança, fingem ser o que não são. Essas pessoas só se importam com elas mesmas. Suas “lágrimas de crocodilo ” é só fingimento e hipocrisia, para aproveitar da boa fé e da bondade dos outros. A maioria das pessoas agem assim, por isso, confiar desconfiando é a melhor opção.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      Ponha fingimento nos crocodilianos humanos. As lágrimas dariam para encher os oceanos. O melhor mesmo é ficar longe.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Adevaldo R. de Souza

    Lu
    O que não faltam são pessoas falsas, principalmente a maioria dos políticos de nosso país e alguns líderes mundiais. Existem também pessoas comuns que derramam “lágrimas de crocodilo” dentro de sua esperteza, como aconteceu em certa cidade do Vale do Jequitinhonha.

    Conta-se que lá existia um rapaz que usava de todos os meios para deflorar uma donzela, até derramavam lágrimas de fingimento. Certa vez ele escolheu como alvo a moça mais bonita da cidade e usou toda suas artimanhas e não resolveu. Aí teve uma ideia: foi ao campo, colheu várias flores e fez um um grande buquê. Foi à casa da moça, quando o pai tinha saído, bateu na porta e esperou. Quando ela apareceu, entregou-lhe as flores e declamou chorando: “receba as flores que lhe dou…ou…ou! Então a moça devolveu o buquê e respondeu: “taca no c* que ele murchou …ou …ou!”. O gatuno deve que mudar da cidade para evitar a gozação dos amigos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      As lágrimas de crocodilo servem para muita coisa, até para conquistar as donzelas. Bem fez a moça que mandou o malandro enfiá-las num lugar inesperado. Gostei do causo!

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Raimundo Carlos

    Lu
    Obrigado! Você desvendou o mistério das “lágrimas de crocodilo” há algum tempo, mas só agora tive a oportunidade de ver melhor.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Raimundo Carlos

      Também amo conhecer essas expressões de nossa língua portuguesa. Elas são deveras pitorescas.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  4. Pedro Rui

    O bicho-homem infelizmente se encontra em todas as esquinas; eu, pessoalmente, desvio-me dele. O crocodilo é previsível, já do bicho homem não se pode dizer o mesmo, é muito perigoso. Será que a sensibilidade e o amor estão em extinção? A esperança é a última a morrer. Como dizes Lu, será que nós temos que vacinar contra o bicho-homem e suas lágrimas de crocodilo? Abraços de Portugal!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      Os crocodilos estão migrando para as cidades, é verdade. Eles estão espalhados por todos os cantos. Muitos convivem conosco. Ainda assim há muita gente boa que faz toda a diferença. Não podemos perder a esperança.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  5. Patricia

    Lu

    Prefiro os crocodilos aos homens de hoje. Tem gente chorando “lágrimas de crocodilos” numa total falsidade.Pelo menos o bicho irracional é previsível, mas quanto ao bicho homem… Cruz Credo!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pat

      Ando cada vez mais com medo de gente. As pessoas têm representado com perfeição.
      Haja artistas! É preciso se vacinar contra as lágrimas de crocodilo do bicho homem.
      Todo cuidado é pouco.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  6. Edward Chaddad

    Lu

    Realmente há muita falsidade. Há pessoas que choram lágrimas de crocodilos, para, depois de obterem o que queriam, partirem para a traição àqueles que o ajudaram.
    No caminho de nossa vida, isto aconteceu e muito. Porém, jamais agredi ou vinguei-me de um crocodilo desses. Só não mais acreditei nele. Ele ficou lá para trás, nadando em suas lágrimas, talvez chorando para outros suas desgraças inexistentes.

    Quase sempre os chorões são pessoas que se arriscaram em empreitadas ambiciosas, sem medir consequências e jamais pensando no próximo. E depois vêm com a choradeira toda. Faço hoje uma análise mais aprofundada possível, quando alguém conta seus problemas, buscando auxílio. Há, na verdade, muitas lamentações verdadeiras e que necessariamente, pela compaixão, devemos tentar ajudar e amparar. Somos irmãos. Não porém aos chorosos crocodilos, é claro.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ed

      O que mais me espanta é a facilidade com que as pessoas se esquecem do que lhes fazemos de bem. Fico pensando com os meus botões, se sempre foi assim, ou se passamos por tempos em que a sensibilidade e o amor ao próximo são coisas que estão caminhando para a extinção.

      Os crocodilos encontrados à beira do caminho destilam as suas lágrimas, prometendo que tudo será de diferente, que não mais triturarão o coração de quem lhe faz o bem, mas basta uma piscadela para que nos abocanhe de novo. Sou como você, jamais revidei com qualquer forma de vingança, embora muitas vezes tenha sentido vontade de lhes bater a porta na cara. Mas não vale a pena. Acredito na lei natural da vida: tudo que fazemos aos outros, volta com mais força para nós. E é claro que eu me afasto deles… risos. Nos tempos de hoje todo cuidado é pouco.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.