NOVO ESTILO – EXPRESSIONISMO II (Aula nº 94)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Os artistas expressionistas punham grande ênfase na forte reação psicológica e emocional de seus temas e não no tema em si. O que almejavam era atingir o observador através de seu lado emocional. O que mais retratavam eram paisagens, a vida cotidiana, o nu feminino e a vida das ruas de Berlim. Como as obras refletiam a visão interior de cada artista, o movimento jamais poderia ser homogêneo, pois cada artista possuía uma visão de mundo. O escritor e crítico alemão Paul Fechter considerava que havia dois tipos de Expressionismo: um “intensivo” — inspirado na experiência interior, sendo Kandinsky seu principal representante — e outro “extensivo” que procedia de uma relação enriquecida com o mundo exterior, tendo em Max Pechstein seu maior representante.

No que diz respeito ao Expressionismo, o alemão Kurt Pinthus — escritor e crítico — dizia que “na arte, o processo de criação deve ir do interior para o exterior, não do exterior para o interior, pois o importante é retratar a realidade interior mediante os recursos do espírito”. Dentre as características da arte expressionista estão presentes, como elementos essenciais, a distorção linear, a reavaliação do conceito de beleza artística, a simplificação radical de detalhes e o uso de cores intensas. Os artistas expressionistas eram de acordo que, se havia a presença do mal no mundo, ele não poderia ser ignorado, mas, sim, deveria ser retratado.

Os primeiros trabalhos artísticos dos expressionistas foram em geral influenciados por Van Gogh, Edvard Munch e pelos pós-impressionistas, contudo, nos anos de 1905 a 1908 eles acabaram por encontrar um estilo expressionista próprio, quando passaram a pintar, fazendo uso de cores brilhantes e vivas, usando empastamento grossos com pinceladas rápidas e explosivas, criando um efeito tremido. Mesmo trabalhando quase sempre ao ar livre, os expressionistas faziam uso de uma perspectiva limitada e, aos poucos, foram abrindo mão de imitar a natureza.

Os nazistas, ao chegarem ao poder em 1933, coibiram o Expressionismo, assim como outras artes de vanguarda que, para eles, eram vistas como “degeneradas”. Vários artistas europeus exilaram-se nos EUA, permitindo que, a partir dos meados de 1930, o Expressionismo influenciasse inúmeros jovens artistas naquele país. Contudo, essa guerra levou consigo muitas vidas expressionistas, pois muitos desses artistas tiveram que ir para o front. Dentre os mortos podem ser citados os nomes de August Macke (morto em 1914) e Franz Marc (morto em 1916), autor da ilustração acima, intitulada “O Destino dos Animais”.

O Expressionismo alemão atingiu o seu ápice com o Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul), mesmo o grupo tendo se desintegrado com o início da Primeira Guerra Mundial. Mesmo assim, a arte expressionista espalhou-se por toda a Alemanha após o final do conflito. No início dos anos 1920, o Expressionismo, ou o que sobrevivera dele, já se encontrava muito mudado. Muitos artistas passaram a tomar um novo rumo. Uma famosa frase do compositor austríaco Arnold Schoenberg que veio a tornar-se um dos slogans do Expressionismo diz que “A arte surge por necessidade, não por habilidade”.

Não se pode esquecer também o nome de outros artistas expressionistas que trabalharam independentemente, não se unindo a nenhum grupo. Em Viena pode ser citado o jovem Egon Schielle que chocou os burgueses com o erotismo carregado de seus trabalhos, sendo inclusive preso sob a pecha de “divulgar desenhos indecentes”. Os trabalhos do austríaco Oskar Kokoschka, outro artista independente, também desagradaram os críticos, por acharem que ele era um “superfovista”.

O Expressionismo influenciou várias artistas no Brasil, contribuindo para estimular o Movimento Modernista. À época houve um grande interesse em expor as realidades social, cultural e espiritual do povo brasileiro. A segunda exposição da artista Anita Malfatti já apresentava traços expressionistas. Lasar Segall — pintor e escultor de origem lituana — tem como destaque sua obra “Navio de Imigrantes”. Candido Portinari criou quase cinco mil obras abordando questões sociais (ver as obras desses artistas presentes aqui neste site).

Nota: a composição que ilustra este texto, intitulada Cavalo na Paisagem, obra de Franz Marc, criada em 1910, é um óleo sobre tela da fase expressionista. É tida como uma das obras mais maduras do artista, na qual são vistas duas de suas principais características: animais como tema e o uso não convencional de cores primárias brilhantes.

Fontes de pesquisa
Tudo sobre arte/ Editora Sextante
Manual compacto de arte/ Editora Rideel
História da arte/ Folio
Arte/ Publifolha

6 comentaram em “NOVO ESTILO – EXPRESSIONISMO II (Aula nº 94)

  1. Marinalva Autor do post

    Lu
    O estilo denominado Expressionismo foi bastante utilizado por categorias diferentes da arte como : arquitetos, escultores, pintores, literários, entre outros. Valorizaram o emocional humano. A maioria das obras do Expressionismo representam o que os artistas sentiam. As cores são fortes, vivas, um pouco fora da realidade.

    Cavalo na Paisagem, obra de Franz Marc (1880 – 1916), grande nome do Expressionismo alemão, pintava com cores fortes, com sentimento revelado, emocionando a todos. Nessa obra, observamos cores fortes como azul, o amarelo e o vermelho. Cada cor para o artista tem uma simbologia diferente.Cada pintura, através de suas cores, simbolizava o espiritual e a vontade de se ver livre da materialidade. Pena que esse artista morreu muito jovem, aos 36 anos, após se alistar e ir para a guerra. Uma perda irreparável de alguém tão talentoso.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      O Expressionismo estava voltado para o emocional, pois retratava os sentimentos dos artistas em relação aos acontecimentos. Foi realmente um estilo muito intenso, carregado de fortes emoções.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Hernando Martins

    Lu

    Muito interessante as informações sobre o Expressionismo, principalmente no que tange às referências sobre as influências que cada artista expressa em suas obras, refletindo a realidade nua e crua. Podemos ressaltar que as influências externas vividas tem uma relação direta com a consciência de cada artista, ao desenvolver o seu trabalho. Cada um expressa aquilo que mais mexe consigo diante das adversidades da vida. O interno e o externo comungam para a formação de uma consciência efetiva e dinâmica.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      O artista expressionista, ao contrário do impressionista, retrata o que lhe vai pelo interior, ou seja, expõe os sentimentos em ralação aos acontecimentos à sua volta. O próprio período da história em que o Expressionismo desenvolveu-se exigia uma maior introspecção, pois as adversidades eram muitas. É como você expressa: “O interno e o externo comungam para a formação de uma consciência efetiva e dinâmica”.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Adevaldo Rodrigues de Souza

    Lu

    Como a Segunda Guerra Mundial influenciou os artistas expressionistas, período em que ceifou um enorme número de vidas, trazendo um cenário de sofrimento, fome, recessão econômica, deterioração moral e atingindo o inconsciente das pessoas. O resultado foi uma arte do instinto, dramática, subjetiva e “expressando” os sentimentos humanos, utilizando cores irreais para expressar de forma plástica o amor, o ciúme, o medo, a solidão, a miséria humana e a prostituição.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      Os acontecimentos, sejam eles bons ou ruins, trazem consequências imediatas para a arte. E como diz:

      “O resultado foi uma arte do instinto, dramática, subjetiva e “expressando” os sentimentos humanos…”

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.