O ESCULTOR DONATELLO (Aula nº 39 C)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

     
    (Clique nas gravuras para ampliá-las.)

Dentre as cidades italianas Florença era a que mais se desdobrava para fazer nascer uma nova era artística. E foi exatamente aí que, nas primeiras décadas do século XV, um grupo de artistas, liderados por Filippo Brunelleschi, assumiu a atitude de cortar os laços com as convenções do passado medieval, já cansados das sutilezas e requintes do Gótico Internacional, buscando criar uma arte mais robusta e severa. Do grupo fazia parte o escultor e mestre florentino Donatello (c.1386-1466) que se tornou muito famoso, sendo chamado a trabalhar em diversas cidades italianas.

Donatello foi amigo e conterrâneo de Brunelleschi e, como ele, fez um profundo estudo do que restara da arte romana. Suas habilidades eram solicitadas em toda a Itália, tendo ele viajado muito — período em que aproveitava para estudar as antiguidades encontradas em Roma. Era disputado por um grande número de mecenas que buscavam por seus serviços, mas só aceitava aquilo que era de seu agrado, pois era um artista muito independente. Também tinha o costume de não terminar as obras que começava, mesmo senda elas subvencionadas por seus clientes mais famosos. Fez uma capela monumental — a de Santo Antônio — para a universidade da cidade de Pádua.

A obra intitulada São Jorge (gravura à esquerda) é um dos primeiros trabalhos do escultor. Foi-lhe encomendada pela guilda dos alfagemes e armeiros que tinha o santo guerreiro como seu padroeiro. A escultura de Donatello mostra-se firme em seu espaço, com os pés separados, fortemente plantados no bloco de mármore. São Jorge veste sua armadura e traz um manto amarrado próximo ao pescoço. Seu rosto mostra-se cheio de vigor e concentração, como se vigiasse algo, pronto para entrar em ação. Traz a mão esquerda descansando sobre o escudo decorado com uma cruz, enquanto a direita toca-o como se estivesse pronta para erguê-lo, se necessário fosse.

A estátua de São Jorge repassa a ilusão de vida e movimento, ao contrário das estátuas vistas até então. Seus contornos são bem definidos e sólidos. O artista substitui o sutil refinamento de seus predecessores para criar uma obra vigorosa, focada numa equilibrada observação da natureza. Tanto a fisionomia quanto as mãos de São Jorge mostram-se bem distantes dos modelos tradicionais, comprovando um estudo muito bem feito das características reais do corpo humano.

O relevo intitulado O Festim de Herodes (gravura central) foi feito em bronze pelo artista, com a finalidade de ornamentar uma pia batismal em Siena. Ilustra uma passagem da vida de São João Batista. A cena acontece num palácio clássico e as figuras ao fundo são baseadas em tipos romanos. Mostra o terrível momento em que a cabeça de João Batista é trazida para a princesa Salomé — recompensa que foi pedida a Herodes pelo fato de ela ter dançado para ele. A composição leva os olhos do observador até o salão do banquete e dali o direciona até a galeria dos músicos e a uma sequência de salas e escadas situadas no fundo da composição.

No relevo da obra O Festim de Herodes o carrasco ajoelha-se diante do rei, apresentando-lhe a bandeja com a cabeça do santo. O monarca recua assustado e levanta as mãos em sinal de horror ante tão tenebrosa visão. As crianças presentes na cena choram e fogem atemorizadas. Ocupando o centro da mesa está a mãe da princesa e instigadora do odioso crime — curvada em direção ao rei —, tentando lhe explicar o abominável ato. O vazio em torno dela representa o recuo dos convidados assustados, sendo que um deles tapa os olhos com a mão direita, enquanto os demais cercam Salomé que parece ter parado de dançar. O escultor dá à sua obra uma concepção totalmente nova ao usar a arte da perspectiva.

A estátua em bronze intitulada Davi (gravura à direita) é outra obra do artista que inicialmente ornamentava o o pátio do Palácio dos Medici, feita a pedido de Cosimo. Embora se trate de uma figura do Antigo Testamento, traz uma grande sensualidade. Na sua base havia uma inscrição informando que era um símbolo da liberdade florentina (uma referência à cidade de Florença — vista como um Davi indefeso — contra o gigante — a poderosa Milão). A relação do artista era tão próxima da família Medici que seu corpo foi colocado perto do de Cosimo de Medici na Igreja de São Lorenzo. Donatello apresenta características novas em sua obra:

  • não há um padrão agradável e bem ordenado;
  • há um efeito visível de completo caos;
  • as figuras são rudes e mostram-se angulares nos movimentos;
  • os gestos das figuras são violentos;
  • não há qualquer tentativa de diminuir o horror apresentado pela cena;
  • a nova arte da perspectiva amplia ainda mais a ilusão de realidade.

Aos mestres florentinos do início do século XV não mais agradava repetir as antigas fórmulas repassadas pelos artistas medievais. Seguindo o exemplo dos gregos e romanos — a quem tanto admiravam — começaram a estudar o corpo humano com grande interesse. Tal atitude e método é o que faz a obra de Donatello parecer tão plausível e especial, perpetuando a sua fama até os dias de hoje.

Exercício:
1. Quem foi Donatello?
2. O que você sabe sobre a estátua de São Jorge?
3. Descreva o “Festim de Herodes”.

Fonte de pesquisa
A História da Arte / Prof. E. H. Gombrich
Renascimento/ Nicholas Mann

6 comentários em “O ESCULTOR DONATELLO (Aula nº 39 C)

  1. Moacyr Praxedes Autor do post

    Lu

    A obra “Festim de Herodes” é muito interessante, pois Donatello não se contentou apenas com dois planos, fazendo três. Por se tratar de escultura é impressionante as diminutas figuras sobre a mesa. O homem era genial realmente.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Moacyr

      Essa obra de Donatello é realmente fantástica para a época em que foi criada. Donatello era um artista genial. Ao lado de seu amigo Brunelleschi fez maravilhas na arte.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Antônio Messias Costa

    Lu
    A arte de Donatello, como tantas outras em diferentes épocas, continua buscando o aprimoramento do antigo legado artístico romano, acrescendo detalhes de novas criações, como a perspectiva. Fico curioso em saber em qual momento o legado religioso/romano se rompeu para outros rumos criativos. A estátua de Davi deve ter tido uma motivação especial do artista.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Antônio

      Não há como precisar o tempo exato no que diz respeito aos estilos artísticos, principalmente antes da Idade Contemporânea. Muitas vezes dois ou mais estilos coexistem num determinado espaço de tempo, como aconteceu com o Românico e o Gótico. O legado religioso continuou a existir nos vários estilos da Idade Moderna (como estamos vendo agora no Renascimento), assim como o legado romano (mitologia).

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Hernando Martins

    Lu

    Que brilhante foi esse escultor Donatello!

    Ele consegue romper com modelos esculturais da Idade Média, onde as obras eram exclusivamente de cunho religioso e com temática extremamente conservadora no intuito de fortalecer a fé cristã. Lembrando que as obras artísticas até então eram pobres em detalhes e bem padronizadas. Donatello,inspirado na cultura greco-romana, promoveu uma brusca ruptura do modelo anterior que era o medieval. Suas esculturas têm um aspecto bastante natural e o ambiente em que são inseridas apresentam características bem precisas da temática, com a presença da profundidade e perspectiva, peculiares às obras do artista, possibilitando uma tridimensionalidade acentuada. Todas essas características fazem com que o observador interaja com a obra e sua temática em virtude do realismo e naturalidade que o artista, com sua genialidade e extrema sensibilidade, consegue revelar através de seus trabalhos artísticos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Donatello foi mesmo um brilhante escultor. A obra intitulada “São Jorge” é inovadora, fugindo às convenções artísticas de antes. E “O Festim de Herodes” é outra maravilha em que a tridimensionalidade faz-se presente. O seu “Davi” também é primoroso. Ele era tão prestigiado em sua época que pegava inúmeras encomendas e não dava conta de terminá-las. É incrível como certas pessoas têm a capacidade de mudar todo um estilo.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *