O TANQUE DAS NINFEIAS (Aula nº 83 C)
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH   

Estas paisagens refletidas tornaram-se para mim uma obrigação que ultrapassa as minhas forças que são as de um velhote. Mas mesmo assim, eu quero chegar ao ponto de reproduzir aquilo que sinto. E espero que estes esforços sejam coroados de êxito. (Monet)

É na água, entre as flores, todo o céu que se filtra, todo o ar que se joga através das árvores, todos os motivos das horas, todos os matizes das horas, todas as graciosas imagens da natureza circundante. (Gustave Geoffreoy)

Sou muito difícil comigo mesmo, mas é preferível isso a apresentar coisas de valor mediano. (…) Nada me impede, ao contrário, de conservar meu zelo e minha confiança para realizar obras ainda melhores. (Monet)

A casa de Giverny foi a última morada de Monet. Após comprá-la, assim como os terrenos próximos, criou no local, com a ajuda de seu jardineiro-chefe japonês, um exótico jardim com lírios, álamos, céspedes, bambus, salgueiros e uma variedade de plantas aquáticas. O que mais fascinou o artista foi o grande lago com ninfeias (ou nenúfares) vindas do Japão. Havia um jardineiro só para cuidar de suas plantas exóticas que exigiam uma temperatura mais quente. Paixão à qual o artista se dedicou por mais de meio século de vida. Chegou a produzir cerca de 250 quadros individuais com suas exóticas flores.

O jardim foi cuidadosamente criado, segundo as ideias de Monet, de modo que as formas e as cores das plantas se transformassem numa obra-prima. Monet mergulhou fundo no seu universo pictórico em busca de contrastes que seu olhar captava através da luz. A cada repetição acrescentava um novo efeito à sua pintura, captado através do acasalamento entre a luz e as cores.

A ponte de madeira em arco, construída em estilo japonês, foi colocada sobre a lagoa de ninfeias como uma passarela que ligava um lado ao outro. Acima dela, a vegetação é densa, destacando-se os salgueiros chorões. Abaixo da ponte está a água, quase que inteiramente tomada pelas folhas e flores das majestosas ninfeias. Como não se vê o céu, o olhar do observador é direcionado para a superfície da água.

Ao contrário de outros quadros que o pintor viria a pintar sobre o tema, é possível ver na parte superior de O Tanque das Ninfeias, composição também conhecida como A Ponte Japonesa, as copas suntuosas das árvores. Posteriormente os quadros sobre ninfeias limitaram-se à superfície da água e às flores, sob diferentes perspectivas, vistas de bem perto. Quadros de paisagens sem horizontes eram uma inovação na pintura. Os reflexos possibilitavam abrir mão do horizonte, responsável por estruturar o espaço.

Cerca de cinco meses após a morte do pintor, oito composições, somando 22 enormes painéis sobre ninfeias, passaram a decorar dois salões ovais de Orangerie, no Jardim das Tulherias em Paris. O local foi chamado pelo pintor André Masson de “a Capela Sistina do Impressionismo”. Monet gastou 12 anos de sua vida em tais composições.

Na primeira sala, dedicada às ninfeias, encontram-se os painéis: Sol Poente, As Nuvens, Manhã e Reflexos Verdes. Na segunda, dedicada às ninfeias e aos salgueiros estão os painéis: Reflexo das Árvores, A Manhã dos Salgueiros e Os Dois Salgueiros. É surpreendente como o artista conseguiu trabalhar com o mesmo tema durante tantos anos. Cada quadro trazia algo novo, quer no cultivo dos matizes quer na captação da luminosidade.

Nos seus últimos anos de vida, Monet não gostava de sair de sua casa. Isolava-se em seu jardim aquático com suas inúmeras plantas, dentre elas as suas amadas ninfeias. Ao contrário do que muitos podem pensar, o artista não era um pintor de flores, ou seja, o seu interesse não se encontrava na pintura dessas maravilhas. O que de fato ele procurava era o resultado do conjunto: água, flores e luz e outros motivos.

Os pintores surrealistas viram na série Ninfeias um prelúdio da abstração lírica de Wasily Kandisky, grande expoente do expressionismo abstrato, e de Kasimir Malevich que confessou ter recebido a influência de Monet e da série sobre Ninfeias em sua criação artística.

Ficha técnica:
Ano: 1899
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 89 x 93 cm
Localização: Museu d`Orsay, Paris, França

Fontes de Pesquisa:
Claude Monet/ Coleção Folha
Grandes Mestres da Pintura/
Grandes Mestres da Pintura/ Editora Abril
Monet/ Editora Taschen
Monet/ Editora Girassol

6 comentaram em “O TANQUE DAS NINFEIAS (Aula nº 83 C)

  1. Adevaldo R. Souza

    Lu

    Você está fechando com chave de ouro o curso neste ano através das maravilhosas pinturas de Monet. Quero fazer um agradecimento especial a você por nos proporcionar conhecer um pouco sobre a arte. Desejo que seu próximo ano seja como uma Igreja Cistina cheia de ninfeias com muita luminosidade e perfeita captação da luz e que Moá continue sendo o jardineiro especial, regando esse jardim com muito carinho, sendo o grande expoente do Impressionismo nesse jardim.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      Sou eu quem agradece a participação de alunos tão participativos como vocês, sem os quais o curso de HISTÓRIA DA ARTE não teria qualquer sentido. Saiba que também tenho aprendido muito. Espero continuar contando com todos vocês neste novo ano que ora se inicia.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Hernando Martins

    Lu

    Muito bela a obra de Monet “O tanque das Ninfeias”. As ninfeias ou lírios d’água são plantas de folhas grandes utilizadas para embelezar lagos e espelhos de água,pois fornecem sombra e abrigo para peixes, oxigenam a água, eliminam as algas e filtram a água, tendo uma grande importância para o equilíbrio do ecossistema. Monet,com essa obra maravilhosa do impressionismo,faz uma homenagem à natureza.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Esta obra é belíssima, realmente.O mais interessante é que apresenta diversas flores, conforme o ângulo que se olha.

      Agradeço a sua companhia e seus comentários ao longo de nosso curso de HISTÓRIA DA ARTE. É muito bom contar com a sua presença.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Marinalva Autor do post

    Lu

    Muito interessantes esses trabalhos de Monet. Mas hoje minhas palavras são de agradecimento a você por todo o conhecimento transmitido, e em especial neste ANO de 2021. Tudo o que aprendi não tem preço. Eu não sabia que ao ter conhecimento sobre arte, estaria aprendendo também sobre tudo que envolve a humanidade em sua evolução neste planeta em cada tempo e lugar. Você nos deu a oportunidade de aprender coisas importantes e essenciais. Tenho a certeza de que elas marcarão para sempre nossas vidas para melhor. Também quero agradecer a você e ao Moacir pela generosidade e grande ajuda num momento tão difícil, quando nossas casas ficaram debaixo d’água, além de ligar quase todos os dias pedindo notícias. Foi uma ajuda providencial. Só pessoas como vocês, com um coração enorme, cheio de bondade é capaz de entender o sofrimento dos outros nas horas difíceis. Obrigada por tudo que fez por nós. Que Deus os abençoe!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      Agradeço as suas palavras de carinho. É uma honra contar com a sua participação no nosso curso de HISTÓRIA DA ARTE. Você é uma aluna brilhante, sempre me estimulando a escrever mais e melhor. Lamento que tenha passado pelo sofrimento das enchentes. Sei que não é fácil perder as nossas coisas. Aos poucos tudo irá se ajeitando. Fique tranquila.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.