QUANDO A INTERNET VIRA UM VÍCIO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Dr. Telmo Diniz

internet

A internet começou no final do século passado, mas só agora, mais recentemente, veio a acarretar problemas. Um novo vício se originou no século XXI, com a popularização e o fácil acesso ao computador: os ciberviciados. Caso você seja daqueles que vive conectado e não suporta ficar offline, cuidado: é possível que engrosse as estatísticas dos viciados em internet. O problema afeta mais de 50 milhões em todo o mundo, segundo dados de uma universidade norte-americana. Considerada por especialistas norte-americanos uma dependência tão crônica quanto substâncias como álcool e cocaína, o transtorno já é reconhecido pela Associação Americana de Psicólogos como Internet Addiction Disorder ou Transtorno do Vício em Internet, em tradução livre.

Ficar conectado por horas está se tornando cada vez mais grave, em especial na população mais jovem, com prejuízos nas relações familiares, afetivas, sociais, escolares, de trabalho etc. O vício em internet pode causar danos físicos, emocionais e comportamentais. Os sintomas físicos mais comuns dos viciados em internet são taquicardia, boca seca, sudorese e tremedeiras, ou seja, são os mesmos sintomas de quando se retira uma outra droga qualquer. O tempo excessivo diante do computador pode provocar comprometimentos que são inerentes ao mau hábito, como problemas de postura, lesões por esforço repetitivo, obesidade ou subnutrição, alem de prejuízos para a visão. Os sintomas psíquicos podem incluir o déficit de atenção, dificuldade para se organizar, definir prioridades e sintomas de angústia, quando a pessoa é privada do uso do celular ou do computador. Em casos extremos, podem ocorrer trombose venosa nos membros inferiores, que pode complicar com embolia pulmonar, culminando em óbito. É isso mesmo, vício em internet pode até matar!

Segundo especialistas do Hospital das Clínicas de São Paulo, os critérios de dependência de internet incluem:

  • Necessidade de estar sempre conectado;
  • várias tentativas de reduzir o tempo de uso da internet sem sucesso;
  • apresentar irritabilidade e/ou depressão;
  • quando o uso da internet é restringido, apresenta labilidade emocional;
  • permanecer mais tempo conectado do que o programado;
  • comprometimento no trabalho e nas relações familiares e/ou sociais pelo uso excessivo da nova tecnologia, bem como mentir aos outros a respeito da quantidade de horas conectadas.

Caso a pessoa apresente cerca de metade deste critérios, sinal vermelho! Abra os olhos e reveja seu comportamento diante da máquina. Quem manda mais, você ou ela?

Nota: imagem copiada de semtranstorno.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *