FICAR A VER NAVIOS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Alfredo Domingos

china1

Um sábado de chuva, após o retumbante cozido de Mariinha, estávamos, meu amigo e eu, a caminho dos braços de Morfeu, procurando cama pra encostar, quando foi trazida a ideia de enveredarmos pelas trilhas dos ditados, das expressões e dos provérbios. O tempo passaria sem lerdeza. Topamos. Cada um de nós dizia o seu e dava a explicação. Ficou animado. Colhi nos meus botões a pérola: “ficar a ver navios”. Tive que de pronto oferecer interpretação. Pensei um pouco e revelei até duas:

A expressão vem de Portugal. O rei, Dom Sebastião, morreu na batalha de Alcácer-Quibir em 1578, e seu corpo nunca foi encontrado. A morte causou uma grande crise sucessória. O trono ficou vago. Em consequência houve a anexação de Portugal à Espanha, de 1580 a 1640. O orgulho e a dignidade dos lusitanos clamavam por resgate. O povo português sonhava com a volta do monarca. Assim, com frequência, havia visitas ao Alto de Santa Catarina, em Lisboa, para observar o mar, à espera do retorno do rei. Como ele não voltou, o povo, em vão, “ficava a ver navios”.

Outra explicação, a qual cabe dar crédito, é que as mulheres ficavam aguardando a volta dos maridos, que tinham zarpado com as embarcações, nas grandes navegações portuguesas. Depois de muito tempo, as coitadas colocavam-se a espiar os navios que chegavam ao porto, para reverem seus amores, o que ocorria quase sempre sem sucesso. Então surgiu a expressão: “ficar a ver navios”. Ou seja, esperar por algo que não se realizava.

Atualmente, a expressão é usada no sentido de ser ludibriado, enganado. É tomada para realçar a decepção e a ausência de pessoas e de sentimentos. Para o emprego que não veio, uma nota de reprovação, o dinheiro negado, a empresa que faliu, e tantas outras coisas, exclama-se tristemente na representação da perda, seja ela qual for, “fiquei a ver navios”.

Diga-se de passagem, há mais expressões com o mesmo significado. Recordei-me de duas espetaculares. Querem dizer que, em síntese, nada aconteceu. Os sujeitos, por conseguinte, ficaram a “ver navios”. São um pouco esquecidas, puxadas para a comicidade, mas cheias de representatividade. São elas: “patavina” e “neres de pitibiriba”. Para entendimento de como são empregadas, o povo utiliza mais ou menos destes jeitos: sem que para ele acontecesse patavina do que estava combinado; e ela contentou-se em receber neres de pitibiriba em troca dos favores realizados.


F
ontes de consulta: Dicas de Português- Sérgio Nogueira e www.significados.com.br

4 comentaram em “FICAR A VER NAVIOS

  1. Adevaldo R. de Souza

    Lu

    Nessa época de eleição muita gente vai “ficar a ver navios”, pois promessas e mais promessas não serão cumpridas, principalmente de emprego.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      O Brasil vive uma crise sem precedentes. O emprego míngua. Muita gente passa fome. O povo brasileiro em sua maioria está a ver navios.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Alfredo Domingos

    Lu
    Agradeço a postagem deste meu texto. Há expressões, provérbios, etc., que estão em desuso, e não custa colocá-los na lembrança das pessoas. Eles têm conotação jocosa, mas camuflada. Está aí a graça.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Alfredo

      Adorei as explicações contidas em seu texto. Tenho paixão pela seara dos provérbios.
      Eles são muito enriquecedores. Seus textos são sempre deliciosos. É sempre bom conhecer a seara em desuso, para vermos como a língua é dinâmica.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.