O CULTO DO STO. NOME DE JESUS (AULA nº 73 B)
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH    

                         
                              (Clique nas imagens para ampliá-las.)

O pintor e desenhista italiano Giovanni Battista Gaulli (1639-1709), também conhecido como Baciccio, foi um dos grandes mestres do Barroco. Estudou com Rafael e Pietro de Cortona. Tornou-se o artista favorito do grande escultor e arquiteto Gian Lorenzo Bernini. Ficou famosos por seus afrescos e retratos, tendo realizado também obras mitológicas. Gostava de cores quentes e trabalhava muito bem a luz. Seu trabalho chamava a atenção pelo tratamento dramático da perspectiva, o que o levava a obter um estilo dinâmico que influenciou tanto os afrescos do Barroco romano quanto os movimentos artísticos posteriores. As decorações feitas em pintura nas paredes e no teto das igrejas barrocas tornavam-nas opulentas e grandiosas. Gaulli foi um dos grandes mestres desse tipo de trabalho e o principal pintor barroco romano da segunda metade do século XVII.

O ar fresco intitulado O Culto do Santo Nome de Jesus foi a obra que consagrou definitivamente esse grande artista, tornando-o um dos grandes elementos do Barroco decorativo. Trata-se de uma vasta composição que se situa no teto da igreja dos jesuítas em Roma, representando as hierarquias celestes. O trabalho é tão fenomenal que se tem a impressão de que a abóbada da igreja abriu-se, permitindo ao observador olhar diretamente para as glórias adentrando através de um imenso vão.

Anteriormente a Gaulli, Correggio também havia pintado o céu num teto em sua obra denominada “A Assunção da Virgem” (ilustração à direita), situada na catedral de Parma, contudo o resultado obtido por Gaulli é muito mais intenso e teatral.

O tema da obra é a adoração do Santo nome de Jesus, escrito em letras luminosas no centro da igreja. Em torno dele uma multidão de querubins Anjos e Santos observam arrebatados a luz. Mais abaixo e em profundo desespero vê-se a expulsão de legiões de demônios ou anjos caídos das regiões celestes.São inúmeros os personagens presentes na obra. Tem-se a impressão de que irão arrebentar a moldura do teto. Nuvens carregadas de santos e pecadores despencam se para o interior da igreja.

A fim de repassar a ilusão de que a pintura extravasa a moldura, Gaulli faz com que percamos a noção entre a realidade e o ilusório.

Ficha técnica
Ano: entre 1670 a 1683
Técnica: afresco
Localização: Teto da Igreja dos Jesuitas, Roma, Itália

Fonte de pesquisa
A História da Arte/ E. H. Gombrich

4 pensou em “O CULTO DO STO. NOME DE JESUS (AULA nº 73 B)

  1. Hernando Martins

    Lu

    Mais um mestre fantástico do Barroco italiano. Gaulli conseguiu elaborar trabalhos belíssimos, principalmente em seus afrescos. O que mostra que todo artista, mesmo representando um estilo específico de arte, consegue expressar algo sutil, vindo das profundezas de sua alma, conseguindo, através da sua sensibilidade, criar cenas com tanta beleza e simbologia que deixa qualquer apreciador atônito com tanta formosura.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      É interessante notar que, ao usar uma mesma temática, o artista é capaz de ser diferente, dando ao seu trabalho uma nova visão. É aí que reside a majestade da arte, como bem expressa você.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Adevaldo R. de Souza

    Lu

    Muito bonita e interessante essa obra de Giovanni Battista Gaulli: “O Culto do Santo Nome de Jesus”. Fiquei curioso em saber de onde vem a luz projetada na abóbada da igreja, dando a impressão de sua abertura.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      O artista repassa a impressão de que a luz vem da abertura da abóbada da igreja, mas para tanto ele faz com que percamos a noção entre a realidade e o ilusório.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *