RETIRANTES (Aula nº 94 B)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

                                                    (Clique na imagem para ampliá-la.)

O pintor brasileiro Candido Portinari (1903-1962) demonstrou no ano de 1944 uma grande preocupação com a situação social do trabalhador brasileiro, tanto é que criou a “Série Retirantes”, uma denúncia social com influências expressionistas, composta por Criança Morta, Emigrantes, Retirantes e Enterro na Rede (presentes no site). Essa série mostra o sofrimento dos trabalhadores nordestinos que eram sempre açoitados pela seca.

Na obra Retirantes, ilustrada acima, o conjunto de personagens é formado por quatro adultos e cinco crianças, todos esquálidos. O grupo é composto por imensas figuras que ocupam o primeiro plano da composição. A obra possui o formato piramidal, cujo vértice superior é formado pela trouxa que a mulher carrega na cabeça. A fisionomia dos personagens demonstra tão profundo abatimento que chega a doer no coração de quem as observa.

A figura do velho que leva um cajado e a do bebê escanchado na cintura da mulher à sua frente são descarnadas, lembrando esqueletos ambulantes. O homem idoso é retratado como se fosse um santo penitente, tamanha é tristeza e o desalento que repassa. Na parte direita da composição um garotinho, vestido apenas com uma camisa, traz à vista uma enorme barriga, evocando a presença de vermes. No centro do grupo uma mulher carrega uma trouxa na cabeça, enquanto traz no braço esquerdo um desmilinguido bebê, cujo rostinho repassa uma extrema piedade.

O homem de chapéu traz um saco na ponta de um pau escorado em seu ombro esquerdo. Com a mão direita ele segura um desalentado garotinho, usando também um imenso chapéu. À sua esquerda estão presentes duas outras crianças. Homem e crianças parecem fixar tristemente o observador, como se lhes pedissem socorro. Todas as gerações são mostradas na composição, sendo afetadas pela seca.

A terra escura está salpicada de ossos, enquanto aves negras de rapina espalham-se pelo céu esquisito. Todo o grupo é composto por tipos magérrimos e acinzentados, aparentando sujeira, e descalços. O sol mostra-se tão feio e sujo quanto os retirantes, figuras que nos trazem a impressão de serem palpáveis.

A paisagem, atrás dos retirantes, é seca, triste e desolada, onde não se vê uma folha verde. Mais ao longe montanhas nuas e ressequidas complementam-na. Existem poucas tonalidades fundamentais na tela (brancas, cinzas e pardas) que têm por objetivo colocar em evidência o contexto estrutural, avivado em poucos pontos com tons mais quentes que possuem valor meramente decorativo.

Ficha técnica
Ano: 1944
Dimensões: 190 x 180
Técnica: Óleo sobre tela
Localização: Acervo MASP, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand

Fontes de pesquisa
Portinari/ Coleção Folha
Enciclopédia dos Museus/ Mirador

6 comentaram em “RETIRANTES (Aula nº 94 B)

  1. Marinalva Autor do post

    Lu

    Portinari abordou um tema mto triste com a obra ” RETIRANTES”. Retrata o sofrimento de brasileiros nordestinos que sofrem com a seca, a fome, as doenças. Devido à pobreza extrema deixam seus lares e saem à procura de uma vida melhor. O olhar triste, roupas sujas e rasgadas, apoiando em um pedaço de pau, o corpo só pele e ossos. Não sabem o que os espera lá na frente, só não querem morrer à míngua, esquecidos. Os pés, descalços, caminham pela estrada seca e dura e se machucam. O artista, sensível, retrata os olhos tristes e sem esperança, e sofre com o sofrimento dos retirantes. Retrata o drama social, para sensibilizar a todos através da arte. Espera a reflexão das pessoas sobre o tema extremamente dramático e triste que abordara com tanta emoção. As cores densas e escuras e as pinceladas fortes dão um ar de muita tristeza. Nos faz refletir muito.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      Portinari foi um artista extremamente sensível em relação aos problemas brasileiros, sobretudo à vida difícil dos retirantes nordestinos no lidar com a seca. É muito profunda a sua análise ao dizer que:

      ” Retrata o drama social, para sensibilizar a todos através da arte. Espera a reflexão das pessoas sobre o tema extremamente dramático e triste que abordara com tanta emoção. As cores densas e escuras e as pinceladas fortes dão um ar de muita tristeza. Nos faz refletir muito.”

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Hernando Martins

    Lu

    O grande artista brasileiro Candido Portari com essa obra, Retirantes,conseguiu mostrar a realidade cruel de pessoas que fogem da seca, incapazes de suportá-la, faltando-lhes amparo, solidariedade e humanismo. Há o descaso total das autoridades que não têm nenhuma sensibilidade por elas. A obra foi inspirada na seca nordestina, mas representa toda a pobreza e a falta de acolhimento para todas as pessoas desprovidas de um mínimo de recurso para a sobrevivência. Portinari utilizou tons escuros e acinzentados para materializar figuras fúnebres, padecidas, olhando para o céu acinzentado, onde observamos urubus sobrevoando, simbolizando a morte. A obra tem certa influência do Cubismo de Pablo Picasso. Foi feita em 1944, período da Segunda Guerra Mundial. Reflete também o momento que vivemos no país, com uma pobreza que se alastra em virtude da irresponsabilidade de seus governantes e do descaso total pelas políticas de inclusão social, abandonadas sem dó e piedade pelos que mais precisam do Estado.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      A série criada por Portinari, na qual se inclui a obra em estudo, é realmente de doer o coração, tamanha é a miserabilidade apresentada pelo artista. Quero destacar suas palavras:

      “Reflete também o momento que vivemos no país, com uma pobreza que se alastra em virtude da irresponsabilidade de seus governantes e do descaso total pelas políticas de inclusão social, abandonadas sem dó e piedade pelos que mais precisam do Estado.”

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Adevaldo R. de Souza

    Lu

    Marcante essa obra de Cândido Portinari que denuncia os efeitos da seca e o descaso das autoridades para minimizar os impactos. Em “Os Retirantes” ele retratou com criatividade os processos migratórios de famílias do Nordeste e do Vale do Jequitinhonha, ocorridos principalmente nos ciclos 1915/1916/1919/1929. A série “Os Retirantes” faz parte das soluções estéticas aplicadas na pintura e na xilogravura expressionista brasileira, sendo importantes as obras do escritor Graciliano Ramos e suas preocupações sociais das décadas de 1930 a 1940, na construção da imagem do migrante nordestino para Portinari.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      Portinar, assim como o escritor Gracilianos, foi muito preocupado com a seca que dizimava tudo, fazendo com que o sertanejo e sua família abandonassem sua terra e migrassem para os grandes centros urbanos na tentativa de sobreviverem. A maioria dos habitantes das favelas das grandes capitais são hoje descendentes desses sertanejos.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.