VOCÊ JÁ SERVIU DE BOI DE PIRANHA?

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

boi

A minha amiga Josefina não se encontrava hoje num dos seus bons dias. Estava tomada pela dor ocasionada pela ingratidão, sentindo-se usada por seus familiares. Ofereci-lhe meus ouvidos e atenção para que lavasse a alma. Assim, desabafou ela:

– Eu me peguei pensando nas vezes sem conta em que me usaram, ou nas vezes em que permiti que me usassem, como um verdadeiro “boi de piranha”. Eu não sou devorada viva como acontece com o pobre animal, mas esfacelada paulatinamente. Minha dor é tão grande que tenho a sensação de que vou me desintegrar em meio ao caos que assola minha alma. Mas irei superar este momento e aqueles, ou seja, as piranhas que tentaram me devorar, não estarão bem por muito tempo, pois tudo na vida tem o seu reverso.

Certíssima em entregar a contrapartida dos reveses ao tempo, minha amiga saiu da conversa bem mais leve, e eu fiquei curiosa para saber a origem da expressão boi de piranha, à qual ela se referiu com tanta mágoa. Vamos lá:

Quando os boiadeiros vão atravessar com suas boiadas os rios da Bacia Amazônica e do Pantanal, quase sempre infestados por piranhas (peixes carnívoros), pegam o boi mais velho e cansado ou o mais doente da manada e o sacrificam, colocando o pobre infeliz num lugar acima ou abaixo de onde se dará a travessia. De modo que, enquanto as piranhas devoram a pobre vítima, os boiadeiros aproveitam para atravessar o rebanho bovino, sem perigo algum.  Que pena do animal! Esta expressão popular é genuinamente brasileira.

Transposta para a linguagem popular, segundo o nosso Aurélio, trata-se da pessoa que, em um grupo, é submetida ou se submete a um sacrifício ou experiência para favorecer os companheiros. Não é fácil servir de “boi de piranha” contra a vontade.

6 comentaram em “VOCÊ JÁ SERVIU DE BOI DE PIRANHA?

  1. Adevaldo R. de Souza

    Lu

    Já tentaram me fazer de “boi de piranha”, sim. Fala-se que o governo sempre coloca seus assessores e cantores sertanejos como “boi de piranha”. Para ser enfático: gado de piranha.

    Responder
  2. Edward Chaddad

    Lu

    Acho que todos já tiveram momentos desses. Uns de grande intensidade, outros de menores, mas é inevitável que passemos, um dia, a ser imolados por pessoas que necessitam de um “boi de piranha” para safarem-se de seus problemas. Como você muito bem colocou, dar tempo ao tempo é a melhor forma de se defender destes ataques de piranhas. Todos querendo, no momento, levar uma lasquinha da gente. Há quem, entretanto, não escape desta agressão e acaba sucumbindo. Aí, há que ser forte, nestes momentos mais extremos, pois toda tempestade passa e o azul do céu ou o brilho das estrelas irão, com certeza, voltar a fazer nossa vida melhor.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ed

      Se não ficarmos atentos, estaremos sempre correndo o risco de transformamo-nos em bois de piranha, principalmente quando se vive num país em que a grandeza moral sucumbe a cada dia diante do capitalismo selvagem. As pessoas não cogitam em ferir outrem, quando o assunto é material.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.